Avançar para o conteúdo principal

O bebé nasceu... Yeahhh!! Acabaram as consultas da mãe!!!

Durante a gravidez, são algumas vezes aquelas em que vamos ao médico para ver como o nosso bebé se está a desenvolver. Fazemos análises ao sangue e algumas ecografias. Se a nossa gravidez for considerada de risco por algum motivo, estas visitas ao senhor doutor serão mais algumas mas tudo pela melhor razão do mundo. Entretanto passam-se as 40 semanas (mais dias menos dias, conforme a gravidez), o nosso bebé nasce e pensamos... "Ufa! Acabaram-se as idas ao médico e finalmente vou poder ter paz e sossego!".

Pois... Mas não é com o parto que termina a vigilância da mãe... Entre as 4 e 6 semanas após o parto, devemos regressar ao consultório do nosso ginecologista/obstetra para fazermos a consulta de revisão do pós-parto ou consulta do puerpério. O puerpério corresponde ao "período de 6 a 8 semanas pós-parto durante o qual o corpo sofre uma série de alterações para retornar ao estado pré-gravidez" (Fonte: Mãe me quer - O que é o puerpério?). A data da realização da consulta de revisão do pós-parto depende do tipo de parto que a mãe teve: se tiver sido parto normal, a consulta ocorre entre as 4 e as 6 semanas, sendo que se tiver sido por cesariana esta consulta ocorrerá entre as 6 e as 8 semanas após o parto (Fonte: Mãe me quer - Consulta de revisão após o parto). Sendo breve, nesta consulta será realizado um exame pelo médico para verificar se a recuperação do parto está a decorrer como esperado para o tipo de parto realizado, serão abordadas algumas questões sobre o método contraceptivo a utilizar nesta fase bem como serão esclarecidas algumas questões relacionadas com a chegada do bebé e a forma como está a decorrer o pós-parto e a nova realidade familiar. No entanto, nem todos os profissionais de saúde incluem nesta consulta a avaliação de uma componente muito importante para a nossa recuperação no pós-parto e estou a falar da avaliação da diástase abdominal, que surge fruto da distensão que os músculos abdominais sofrem durante a gravidez com o aumento da barriga durante 9 meses. Uma boa recuperação dos músculos abdominais no pós-parto passa pela realização de abdominais hipopressivos, que podem ser realizados logo desde o parto, e que irão contribuir para que os músculos abdominais regressem ao seu estado pré-gravidez.

No meu pós-parto, e para além da consulta do puerpério, realizei igualmente uma consulta para avaliação dos músculos abdominais e pavimento pélvico. Se existem algumas mulheres que, após o parto não regressam para a consulta de revisão do pós-parto, muitas mais serão aquelas que não realizam uma avaliação deste tipo com um fisioterapeuta especialista em saúde da mulher e que será fundamental para a recuperação do nosso corpo numa fase em que ainda estamos a passar por profundas alterações e em que as hormonas começam a espreitar e em que podem ter um efeito que não desejamos... Na sequência do post escrito em conjunto com a Estefania Garcia sobre a dor pélvica que pode surgir durante a gravidez e formas de a tratar, desafiei-a novamente a falar-nos um pouco do que deve ser esta avaliação no pós-parto e de como ela é importante para a prevenção de problemas futuros.

Muito obrigada, Estefania, por mais esta preciosa colaboração aqui no Happy Mom descomplicada!


A IMPORTANCIA DA RECUPERAÇÃO NO PÓS PARTO

Durante a gravidez, os músculos abdominais e do pavimento pélvico distendem e alteram a sua biomecânica e fisiologia, facilitando o aparecimento de disfunções do sistema urinário e/ou ginecológico, trazendo consigo, muitas vezes, sentimentos de vergonha e desconforto, levando a que muitas  mulheres não procurem ajuda. 

A principal causa destas alterações resulta do aumento da pressão intra-abdominal e da fraqueza dos músculos do pavimento pélvico, que se situam na zona inferior da bacia e podem conduzir a:

  • prolapsos uterinos,
  • sensação de peso vaginal,
  • desconforto,
  • obstipação,
  • incontinência urinária, 
  • falta de firmeza vaginal durante as relações sexuais, entre outros…

Hoje existem técnicas específicas e globais para tratar estas disfunções que devem ser diagnosticadas e tratadas de forma correta com o objetivo de manter uma boa função fisiológica.

Com a intervenção da Fisioterapia pode-se actuar-se de uma forma preventiva sobre a saúde do sistema urogenital, uma vez que a mulher sofre alterações na sua zona abdominal e genital com a gravidez, o parto, após qualquer cirurgia ginecológica, durante a prática de exercício e na menopausa.

Se já sentiu algum destes problemas ou gostava de avaliar o seu pavimento pélvico ou, simplesmente tem alguma preocupação relacionada com este tema, entre em contato com um fisioterapeuta especializado.

Estefania Garcia
Fisioterapeuta especialista em Saúde da Mulher

Caso pretendam saber mais sobre abdominais hipopressivos, deixo-vos aqui o link para a página da Estefania no Facebook Abdominais Hipopressivos Portugal.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

A começar a incentivar a pintura... das paredes cá de casa!

Durante o fim-de-semana partilhei na página do Facebook do blog, uma foto com as mais recentes aquisições cá de casa destinadas a criar um cantinho de artes para o baby boy. Sim, apesar de estar a comprar estas coisas muito animada ao mesmo tempo já estou a imaginar toda uma decoração nova nas paredes cá de casa. Já estou a imaginar uns dedinhos pintadinhos de verde ou de laranja a deixarem a sua marca nas paredes e no chão, qual Picasso em formação! Aqui ficam algumas das comprinhas...

Adiante que coração de mãe sofre sempre por antecipação e imagina sempre os piores cenários...
Em conversa com a educadora do meu filhote, descobri a marca Giotto, uma marca existente desde 1920, destinada a fazer as maravilhas dos mais pequenos e dos graúdos na altura de desenhar, pintar e colorir o dia com as cores do arco-íris. Os produtos desta marca são os mais variados possível, indo desde aguarelas, lápis de cera e de cor, a maquilhagem, a plasticinas e guaches laváveis. Para além do mais, tem u…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…