Avançar para o conteúdo principal

Vamos brincar para a mudança?

Hoje comecei o dia com uma publicação no Facebook a recordar os meus tempos de criança, em que brincar na rua fazia parte obrigatória de todas as férias e de todos os fins-de-semana.


Olhando para o mundo de hoje e para o meu mundo de criança, sei que a realidade está longe de ser a mesma. Podem pensar que cresci numa vila pequena e por isso conseguia brincar facilmente na rua. Nada a ver... Cresci na maior cidade do nosso país, bem no seu centro, e consegui saber o que é brincar às escondidas e à apanhada com um grupo grande de miúdos. Tive também a sorte de poder passar os períodos de férias grandes no campo e aí explorar outro tipo de actividades, como cuidar de animais ou ajudar a minha avó materna a plantar a sua horta. São experiências únicas e que nos marcam para vida, determinando a forma como queremos ser pais. A realidade de hoje não é bem assim... O mundo parece (é?) menos seguro do que aquele em que cresci e hoje parece impensável para os pais das grandes cidades deixarem os mais pequenos brincar fora de casa. Temos hoje crianças fechadas longos períodos entre quatro paredes, primeiro na escola (porque ambos os pais necessitam de trabalhar durante grande parte do dia) e depois em casa (porque muitos são os afazeres quando se chega a casa). A sociedade de hoje parece pouco preparada para as crianças e para as suas necessidades. E isso preocupa-me... E preocupa-me principalmente a ânsia de preencher a agenda dos mais pequenos com mil e uma actividades que os impedem de ser aquilo que são: crianças cheias de energia e de vontade de brincar. Aqui em casa incentivamos a brincadeira a todas as horas do dia e em todos os momentos que estamos em família. É isso que achamos, enquanto pais, que irá fazer o nosso filho crescer feliz. 

Por isso gostava de partilhar convosco a iniciativa que a IKEA tem agora a decorrer e que se chama "Vamos brincar para a mudança".


Conforme se pode ler no site desta iniciativa, "brincar é um direito de todas as crianças, definido pela Convenção Sobre os Direitos da Criança, criada pela ONU. Brincar é essencial para o seu bem-estar e desenvolvimento. Muitas crianças não têm essa oportunidade. A IKEA Foundation apoia projectos dos seus parceiros, para levar a brincadeira e o desenvolvimento às crianças nalgumas das comunidades mais vulneráveis do mundo, criando uma mudança substancial e duradoura. Acreditamos que o direito a  brincar também é um tema importante na nossa sociedade. Por isso, queremos inspirar crianças e adultos a brincar mais no seu dia-a-dia, quer em casa, quer na escola". Não vos parece um excelente desafio que devemos aceitar enquanto família, cuidadores ou professores?

A IKEA desenvolveu actividades específicas para cada uma das áreas. Por exemplo, ao nível das escolas, criou um concurso em parceria com o Ministério da Educação destinado a "desafiar as escolas a desenvolver projectos que permitam às crianças brincar mais e melhor", podendo qualquer escola pública do primeiro ciclo do ensino básico submeter a sua candidatura até 31 de Dezembro de 2017. Já para as brincadeiras em casa, a IKEA apresenta um conjunto de sugestões para as diferentes faixas etárias. E como a IKEA pensa em tudo, para o fim-de-semana de 25 e 26 de Novembro, especialmente dedicado a assinalar o Dia Internacional dos Direitos da Criança (celebrado a 20 de Novembro), tem um conjunto de actividades para serem vividas em família nas diversas loja de norte a sul do país

Porque as boas iniciativas merecem ser divulgadas, aqui ficam estas sugestões. Lembrem-se sempre que a mudança é possível e que ela pode começar dentro de nossas casas. Por crianças mais felizes. Por mais tempo de qualidade em família. Por uma maternidade a passo de caracol.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que