Avançar para o conteúdo principal

Será que um livro tem a capacidade de nos mudar?

Sim... Eu acho que sim!

Nas diferentes fases da nossa vida, existem pequenos momentos, locais ou pessoas que têm a capacidade de deixar a sua marca e mudar-nos de forma mais ou menos expressiva. Faz parte do nosso crescimento, da nossa evolução enquanto pessoas. Umas vezes, quase nem nos damos conta dessas mudanças. Outras vezes, ela surge como uma verdadeira tempestade que nos mexe com os alicerces e nos mostra que o caminho a seguir a partir daí é outro completamente diferente.

Ter descoberto o homem da minha vida mudou-me para sempre e para muito melhor! Ter sido mãe claro que mudou a minha forma de ver o mundo! Estas devem ter sido as duas maiores mudanças que tive nos últimos anos. Mas depois surgem as pequenas mudanças do dia-a-dia, aquelas que nos fazem um pequeno clique, mas que nos mostram que há um caminho diferente a seguir.

Recentemente, terminei a leitura do livro "Educar com o Coração" da Cristina Tébar do blog Montessori en Casa e editado pela Verso de Kapa. Não vou negar que o que me levou a comprar o livro inicialmente foi o interesse sobre Montessori. Mas acreditem que ler este livro foi muito mais do que ler sobre esta pedagogia. Foi mais colocar tudo em perspectiva e tentar compreender aquilo que faz ou não sentido. A Cristina, quando fala sobre o adulto preparado no seu livro, refere que este adulto deve passar por uma mudança mental e deve manter um determinado estado físico. Pode tudo isto parecer demasiado esotérico mas não será mesmo assim em todos os campos da nossa vida? Necessitamos de descobrir o nosso caminho e de efectivamente querer mudar para conseguirmos fazer o melhor por nós e pelos que nos rodeiam. Por outro lado, e como tantos profissionais de saúde nos dizem tantas vezes. Para que consigamos estar bem para os outros, necessitamos de cuidar de nós e de nos sentirmos bem na nossa pele. Temos de ver em perspectiva e aprender que existem coisas contra as quais não podemos mesmo fazer nada e, por isso, nem sequer vale a pena perdermos energia com isso. E este livro sobre Montessori também ensina isto ao adulto!

Para quem quiser um livro que nos mostre a parentalidade vista de uma outra forma, consciente e positiva, a verdadeira #maternidadeapassodecaracol, tem aqui uma óptima sugestão de leitura. Mais do que ser apenas sobre Montessori, este livro leva-nos a reflectir sobre pequenos momentos do dia-a-dia como dar ou não recompensas, elogios ou castigos. Ajuda-nos a pensar na forma como organizamos a casa e se estaremos à fazer as melhores opções que permitam desenvolver a autonomia dos nossos filhos. Para quem achar que estas pedagogias de nomes esquisitos como Montessori, Reggio Emilia, High Scope e por aí fora são meras modernices e esquisitices de um conjunto de pais, tente olhar para este livro abstraindo que tem a palavra Montessori na capa. Sugiro que leia este livro com o coração, como a Cristina própria nos diz. Se lermos com o nosso coração, este livro será devorado em menos de nada. As páginas passarão rapidamente. Acima de tudo, é um livro que nos faz reflectir sobre as pequenas coisas do dia-a-dia e isso é muito importante como pais.

Depois, para quem estiver agora a descobrir o mundo de Montessori, este é um excelente livro para ler uma e outra vez. Assinalar as passagens que mais nos fazem sentido e perceber como pode Montessori existir na nossa vida familiar. Este livro mostra que seguir Montessori é mais uma forma de estar do que uma necessidade extrema de investir dinheiro em materiais Montessori, que até podem vir a ter o efeito contrário ao que desejamos.

Leiam este livro, gostem ou não de Montessori. Leiam com o coração e com os olhos postos nos vossos filhos. Vão ver que vai valer a pena!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que