Avançar para o conteúdo principal

Trabalho, família... Difícil de conciliar?


Família.
Trabalho.
Azáfama do dia-a-dia.
Agendas carregadas.
Uma interface.
Uma fronteira.

Conflito. Enriquecimento. Balanço. Conciliação.
Quatro palavras para caracterizar uma única realidade.

A relação entre as pessoas, a sua família e o seu trabalho é, provavelmente, uma das questões em parentalidade que mais tinta faz correr. Olhamos para os países da Europa de Norte e quantas de nós não gostaríamos de ter licenças de maternidade mais prolongadas como por lá, podermos ter escolas como aquelas que encontramos por lá e ter as estruturas de apoio às crianças que estes países possuem para podermos viver a nossa realidade de mulheres trabalhadoras de forma diferente.

Pois, num mundo ideal a realidade de lá estaria também por cá e não teríamos mulheres, que trabalham por conta própria, a regressar ao trabalho passado muito pouco tempo dos seus filhos terem nascido. Porque a capacidade financeira nem sempre é a melhor e a rede de apoio, a aldeia necessária, também é cada vez mais inexistente na correria dos nossos dias. Ao mesmo tempo, também não teríamos mulheres a ter de tomar a decisão de serem mães cada vez mais tarde para que não percam o seu emprego e para que possam ter mais alguma estabilidade para poderem dar aquilo que sempre sonharam aos seus filhos ainda por nascer...

Apesar de toda a evolução que tem vindo a ocorrer nos últimos anos que, felizmente, tem permitido a mães e pais poderem usufruir de licenças de parentalidade cada vez mais alargadas, continuamos sempre a ter aquele sabor agridoce de que há ainda muito para fazer neste campo. Desde há uns anos que este tema me tem interessado cada vez mais quando, ainda longe de pensar que iria ser mãe, me dediquei a estudar as relações entre o trabalho e a família durante a investigação para um mestrado que fiz. Aprendi muito nesse trabalho. Fez-me pensar várias vezes nas estruturas de apoio que os nossos locais deveriam ter para que pudéssemos sentir de forma menos intensa ter filhos e trabalhar ao mesmo tempo. Fez-me ver que, se calhar, até temos mais boas práticas a este nível que estão estabelecidas. Faltam-nos é, muitas vezes, que elas sejam colocadas em prática como seria de esperar...

Quando se fala na relação entre família e trabalho, existem pessoas que gerem esta interface de uma forma espectacular e conseguem viver experiências de enriquecimento: o que de bom aprendem num e outro meio, conseguem aplicar e tornar mais fácil a vivência dos seus papéis no trabalho e na família. No entanto, para a maioria das pessoas, vive-se quase sempre uma experiência de conflito. Não só por efeito do trabalho, mas também por efeito da família. Estas duas realidades são, para a maioria das pessoas, como água e azeite que não se misturam e que dificultam, em simultâneos, sermos bons profissionais e sermos bons elementos de uma família. Há que criar estruturas e há que agir para que se consiga o estado ideal de balanço, de conciliação, entre estas duas realidades. E, acima de tudo, enquanto adultos, cuidadores, trabalhadores e membros de uma família, devemos individualmente criar as nossas próprias estratégias que nos permitam lidar com estas duas realidades sem stress. Sem complicações. Não é tarefa fácil nem se consegue de um dia para o outro. Nem existe uma receita infalível que se aplique a todas as pessoas. Uma única coisa é certa: as nossas estratégias enquanto adultos vão ser determinantes para criarmos um ambiente mais feliz, mais sereno, mais mindfulness para os nossos pequenos. E isso vale todos os sacrifícios que possamos fazer!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa