Avançar para o conteúdo principal

Vamos partir naquela estrada (ou nuvem!)... Mas sem complicações!

Em dias de calor no verão passado e com a ajuda de uma amiga, escrevi um post sobre viagem de aviões que chamei de "Anda comigo ver os aviões". Nesse post, juntei um conjunto de dicas para viajar de avião com bebés, fruto da minha experiência de viajar com o pequeno baby tinha ele três meses quando me aventurei numa viagem com direito a escala! Juntei as minhas dicas de mamã de primeira viagem à experiência de quem já voa há algum tempo e assim nasceu um post cheio de dicas espero que tenham sido úteis. 

Mas ao ler sobre Montessori, fiquei curiosa como seria viajar com os mais pequenos seguindo esta forma de estar (sim, para mim Montessori é uma forma de estar enquanto família). E aqui fica aquilo que descobri e que agora partilho convosco.


Simone Davies, autora do blog The Montessori Notebook, escreve-nos sobre as viagens com crianças que "nunca é possível manter uma criança pequena sossegada por muito tempo. Mas actividades podem entretê-los durante alguns minutos, entre comer pequenos lanches, andar pelo avião, consultar o mapa ou ouvir livros áudio".  A minha experiência quanto a entreter o meu filho durante uma viagem de avião não é grande exemplo já que ele era muito pequeno e com três meses passou a maior parte do tempo a dormir. A sugestão para crianças maiores passa sempre ter preparadas algumas actividades, principalmente para viagens que sejam mais longas. Podemos levar um ou dois dos seus livros preferidos, algumas réplicas de animais de que gostem ou alguns jogos magnéticos (que facilitam a não se perderem as peças no espaço pequeno de um avião). 

Tendo presente que, segundo Montessori, se promove a independência a responsabilidade da criança, podemos deixá-la participar na preparação da viagem desde casa. Por exemplo, para lhe explicar um pouco do que se vai passar e para onde vamos, podemos utilizar o cantinho de leitura que tenhamos preparado em casa. Na semana anterior à viagem e no esquema de rotação que façamos dos livros, podemos lá colocar alguns que estejam relacionados com a forma de transporte que vamos utilizar na viagem (ex. um livro sobre aviões, um livro sobre barcos, um livro sobre autocarros) e sobre o nosso destino (campo, praia, cidade). Assim, começamos a permitir à criança compreender um pouco melhor o que se vai passar e torná-la mais desperta para aquilo que irá poder explorar. Para crianças mais velhas, podemos até deixá-las participar na escolha dos principais locais que se irá visitar durante a viagem. Só iremos contribuir para despertar o seu interesse e torna-la mais envolvida ainda na preparação da viagem em família. Depois, na véspera da viagem podemos deixá-la preparar a sua mala (ou ajudar a preparar), onde poderá incluir os principais objectos que quer levar consigo e a roupa de que gosta mais. Podemos também deixá-la participar na preparação da lancheira onde iremos levar a sua comida. 

E estes são apenas alguns exemplos do que se pode fazer para preparar viagens numa perspectiva do desenvolvimento da autonomia da criança. A viagem correrá muito melhor se ela se sentir identificada com o momento em família e se sentir que faz parte de tudo o que está a ser preparado. Devemos sempre lembrar-nos que a criança nos consegue surpreender com as coisas que consegue fazer e as tarefas que consegue concretizar. Basta-nos acreditar em todo o seu potencial e não o deixar escondido por detrás de regras que não fazem sentido. E boa viagem em família!

Algumas leituras adicionais sobre viagens Montessori-friendly:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que