Avançar para o conteúdo principal

Os mais pequeninos podem cozinhar?

Claro que sim! Não podemos esperar que sejam grandes chefs desde o início mas podemos deixá-los explorar a cozinha ao nosso lado, enquanto preparamos as refeições da família e sempre garantindo a sua segurança. Publiquei no Facebook, como sugestão de prenda de Natal para os mais pequenos, este kit DUKTIG da IKEA e que pode ser muito útil para que eles ganhem o entusiasmo pela cozinha, em segurança e com objectos adaptados às suas pequenas mãos e promovendo o desenvolvimento da sua motricidade e coordenação. 


Deixar os mais pequenos tocar, experimentar, mexer com as suas próprias mãos é fundamental para desenvolver as suas capacidades. Se os observarmos com atenção (pelo menos acontece com o meu filho), a vontade de ajudar e dos nos imitar está lá. Por isso porque havemos nós de os impedir de o fazer? A ideia pré-concebida de que as crianças não podem mexer nem fazer nada tem de abandonar os nossos pensamentos para que não os impeçamos de crescer ao seu ritmo e de perceber que existe liberdade para aprenderem e fazerem ao seu ritmo. É isto Montessori, não é verdade? 

As tarefas que os mais pequenos podem ir descobrindo na cozinha, adaptadas à sua idade, inserem-se dentro das actividades de vida prática de Montessori, através das quais a criança desenvolve o sentido de ordem, concentração, coordenação e independência. E basta observarmos os nossos filhotes quando estamos a preparar o jantar para vermos que a vontade de mexer na comida é mais do que muita, não é verdade? No blog Living Montessori Now podemos encontrar esta afirmação que diz tudo: "A preparação da comida é uma óptima actividade de vida prática. As crianças aprendem a cuidarem-se quando lavam as mãos. Elas desenvolvem a independência quando aprendem a preparar comida. Elas melhoram as capacidades motoras finas enquanto preparam comida. Elas praticam a cortesia quando oferecem comida para partilhar com os seus amigos". Mas não comecem já a querer colocar os mais pequenos a cozinhar uma feijoada... Eles são extremamente observadores e querem fazer sozinhos, é verdade, mas temos de lhes criar todas as condições de segurança necessárias a que consigam fazer pequenas actividades na cozinha, sem riscos, e criar actividades adaptadas à idade em que se encontram. Outro ponto importante é adaptar alguma parte da cozinha a sua pequena estatura: por exemplo, aproveitar uma gaveta mais baixa da cozinha para eles terem os seus utensílios (é como temos cá em casa) ou, em alternativa, tem pequenas prateleiras onde estejam os seus objectos e onde até possam ser colocados alguns dos alimentos para que eles possam começar a preparar os seus lanches, quando chegar a idade.

A preparação da comida pelos mais pequenos tem importantes benefícios para o seu desenvolvimento. No blog Daily Montessori são referidas algumas como desenvolver bons hábitos alimentares e de higiene associados à preparação dos alimentos, desenvolvimento de capaicdades motoras e tornar as crianças mais envolvidas com a comida (principalmente os que forem mais difíceis de comer) ao sentirem-se úteis na preparação da refeição. Existe um provérbio chinês que eu gosto muito e que diz "Diz-me e eu esquecerei, ensina-me e eu lembrar-me-ei, envolve-me e eu aprenderei". E não é isto mesmo que queremos para os nossos mais pequenos? Estratégias de aprendizagem demasiado demonstrativas sem envolver a criança não lhe vão permitir experimentar e aprender, por tentativa e erro. Se cair o objecto ao chão, não faz mal. Há que apanhar e aprender como manusear sem deixar cair. Se sujar, não faz mal. Estamos cá para ensinar a fazer sem sujar e a aprender a limpar. Acima de tudo, a criança quer estar ao nosso lado e quer que a deixemos fazer. Não podemos, enquanto pais, impedi-la, pois não? Deixem mexer. Deixem experimentar. E, acima de tudo, deixem-nos aprender a voar!

Mais links sobre Montessori e a cozinha:
Sugestões de kits DUKTIG da IKEA para fazer as delícias dos mais pequenos:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que