Avançar para o conteúdo principal

Baby Led Weaning e Montessori... Será que se relaciona?

Para quem acompanha o blog e a página do Facebook, sabe que muitas das minhas partilhas são sobre Montessori, esta forma especial de olhar o crescimento e o desenvolvimento da criança caminhando ao seu lado e promovendo a sua autonomia e autoconfiança. Estou muito longe de ser uma mãe puramente Montessori mas muito daquilo que este método nos ensina faz sentido na minha caminhada enquanto mãe e faz sentido na minha família. 

Há uns dias encontrei um post do blog Welcome to Mommyhood - Montessori-inspired living & Learning com o título "Introducing solids: Baby led weaning and Montessori weaning" e não pude deixar de ficar curiosa ver estes dois termos em conjunto. Para quem ainda não ouviu falar de Baby Led Weaning (ou BLW) - termo criado por Gill Rapley, trata-se de uma forma de introdução da alimentação complementar a partir dos 6 meses de vida do bebé, permitindo-lhe, desde cedo, o contacto com os sólidos e as suas texturas. Através desta bordagem, não existem alimentos proibidos, transformando a hora da refeição numa experiência interactiva e positiva e promovendo o desenvolvimento das capacidades motoras e de coordenação da criança (particularmente a motricidade fina e a coordenação mão-olhos) ao mesmo tempo que desenvolve a capacidade de mastigação. Todo o processo de alimentação é decidido pela criança, pois o adulto limita-se a disponibilizar os alimentos, sendo a criança que escolhe qual o alimento que vai comer primeiro e a quantidade que vai comer. 

Tanto em BLW como em Montessori, a alimentação é encarada como mais um momento de descoberta que é proporcionado à criança, permitindo-lhe explorar os alimentos ao seu ritmo. Conforme surge no post da Welcome to Mommyhood, "Ambos retiram qualquer força ou coerção no que respeita à alimentação. Eles respeitam a capacidade da criança para se alimentar sozinha e também a saber quando está cheia. Ambos os métodos são fortemente baseados na construção da independência da criança. A criança decide quanto quer comer e come ao seu ritmo. Este é realmente um grande princípio para o desenvolvimento de padrões alimentares saudáveis. É por isso que a criança aprende a confiar no seu instinto de apetite. Quando somos nós a alimentar a criança, somos nós a decidir quanto a criança deve comer. Transmitimos a mensagem de que não acreditamos/confiamos quando eles dizem que estão cheios". E será que é isto que pretendemos para as nossas crianças?

Apesar destes pontos comuns entre BLW e Montessori, ao olhar para a abordagem original de Maria Montessori, vemos que existem diferenças: Montessori defendia que os alimentos deveriam ser dados aos bebés sob a forma de puré constituído por um único alimento, permitindo à criança que conhecesse e desfrutasse do sabor único de cada ingrediente e desencorajado a mistura de sabores. Por outro lado, a forma de apresentação da comida e de fazer a refeição é também diferente: em BLW, os alimentos são colocados, na maior parte das vezes, no próprio tabuleiro da cadeira de refeição da criança, sem recurso a utensílios. Já para quem segue Montessori "à risca", existirá em casa uma mesa e utensílios à dimensão da criança, promovendo a sua utilização desde cedo, mostrando-lhe que consegue fazer sozinha. E agora podem vocês perguntar-me... "Tendo tu tanto interesse em Montessori, o BLW faz sentido para ti?". Bem... Confesso que, quando fui ler um pouco mais sobre a alimentação em Montessori e descobri esta parte da alimentação dada em puré, fiquei assim um pouco sem saber o que pensar... Tal como disse no início, estou muito longe de ser uma mãe puramente Montessori por isso acho que tudo o que puder fazer para desenvolver a independência do meu filhote é bom e por isso o BLW faz sentido. Mea culpa também vos confesso que não segui BLW de forma pura... Sim, o meu filho comeu sopa em forma de puré e fruta cozida passada no início. Mas desde há um bom tempo que ele já come os sólidos "tal como eles são". Incentivo-o a tocar nos alimentos, descobrir as suas texturas e o seu cheiro, sentando connosco à mesa. Ajudo-o também a utilizar a colher e o garfo para que possa ir desenvolvendo esta componente motora. Mas se quiser tocar nos alimentos com a mão, porque não? Acima de tudo, não quero que ele se sinta de parte de alguma forma durante a hora da refeição e também não quero que ele não conheça os alimentos, tal como eles são. Quero que o meu filhote consiga fazer por si mesmo, que explore, que descubra os sabores de que gosta e aqueles que não quer voltar a repetir... Acima de tudo, quero que tenha confiança nos seus movimentos e que saiba que o mundo não acaba se ele deitar comida ao chão... Faz parte do crescimento sujar um pouco... Nós também não nascemos ensinados a comer, não é verdade?

Sugestões de livros sobre BLW:




Blogs com receitas em modo BLW:
Healthy Bites, o blog amigo da Happy Mom descomplicada - Aqui encontram imensas receitas e sugestões de ementas para além de poderem participar em um dos muitos workshops organizados pela autora do blog. Podem também ler o que a autora do Healthy Bites escreve na revista bimestral Paleo XXI, onde escreve sempre sobre BLW. Aconselho!
Na Cadeira da Papa - Foi neste blog que descobri o termo BLW. Aqui encontram também muitas receitas e sugestões de como aplicar o método em casa e a Leonor é a autora do livro "Mãe, quero mais!"

Links de alguns artigos sobre BLW:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que