Avançar para o conteúdo principal

Parent shaming... Já ouviram falar?

Parent shaming... Um nome estrangeirado que, à primeira vista, podemos pensar que é mais uma coisa esquisita que alguém se lembrou de inventar. Mas olhem que está bem presente todos os dias...

Escrevi, sobre o livro "Educar com o coração" da Cristina Tébar (Montessori en casa), que este livro tinha tido a capacidade de mudar a forma como olhava para alguns aspectos da minha vida e do dia-a-dia. Verdade seja dita, acho que foi a primeira vez que enchi um livro de post its a assinalar aquelas passagens que sei que irei ler mais tarde e adaptar aos diferentes momentos do tempo em família. Posso não ser uma seguidora purista do método Montessori mas existem pequenas coisas faladas neste livro que valem a pena ser revisitadas, em diferentes momentos, para nos fazer desacelerar e voltar a ter um passo mais de maternidade a passo de caracol. 

Uma das passagens que assinalei no livro foi a parte em que a autora ajuda a desmistificar a ideia que muitos pais têm de que "não estou seguro de que Montessori seja o ideal para os meus filhos". Bem, nesta frase está Montessori como pode estar qualquer outro assunto relacionado com a parentalidade: baby led weaning, fraldas descartáveis, natação para bebés, passeios ao ar livre em pleno Inverno, papas caseiras vs. papas de compra, amamentação! Enfim, qualquer coisa que esta lista não acaba aqui! Tanta coisa mas que facilmente, numa qualquer conversa entre pais, pode inflamar os ânimos e fazer surgir comentários menos agradáveis e certezas absolutas! A esta forma de julgar os outros pais, umas vezes mais camuflada do que outras, Cristina chama de parent shaming. Sobre Montessori, ela escreve: 

"No entanto, o que é - sem dúvida - uma verdade incontestável é que Montessori é que não é para todos os pais. Somos nós adultos, aqueles que, talvez pelas nossas convicções ou expectativas, possamos pensar que Montessori não se enquadra em nós e, por este motivo, assumimos à partida que também não vai encaixar nos nossos filhos. Com respeito a isto, gostava de reforçar a ideia de que se deve sempre respeitar e não julgar as decisões de cada família. (...) É sempre bom informar, mas quando uma família toma uma decisão devemos respeitá-la. É importante não criar guerras entre famílias. Todos nós que temos filhos estamos nesta viagem da educação e o parent shaming não ajuda ninguém" ("Educar com o coração", Verso de Kapa)

Mais do que estas palavras serem apenas válidas sobre Montessori, são válidas também para qualquer outro assunto relacionado com a parentalidade, como disse antes... Ainda ontem comentava um post da Moms cooking for little ones no Facebook numa partilha que foi feita sobre o que se passa em muitos grupos de mães nesta rede social. Na sua essência, estes grupos podiam funcionar como pequenas "tribos" de ajuda entre mães em que fossem partilhadas as suas dúvidas sem serem atiradas pedras pelas suas opções. Bem sei que nem sempre as opções que por lá são partilham possam ser as que consideramos mais adequadas... Mas, nesses momentos, devemos tentar ajudar esclarecendo com fontes que saibamos que são fidedignas (como estudos científicos) mas com serenidade e calma. Claro que nem todas as pessoas querem ser ajudadas (sobre estes grupos, muitas vezes questiono-me se alguns dos posts não passam mais por chamadas de atenção e que possam por detrás estar assuntos mais graves que nem nos passam pela cabeça...) mas não é por isso que devemos passar a margem do razoável e fazer comentários demasiados incisivos. Devemos tentar ajudar, dentro das nossas possibilidades, mas sempre respeitando as opções que aquela família tomou.

As fraldas descartáveis podem não funcionar connosco... Podemos achar que fazer papas caseiras é a coisa mais complicada do mundo (quando apenas bastam 10 minutos para ficarem preparadas!). As pedagogias mais alternativas devem ser só coisas de gente rica e filho meu vai passar todo o inverno fechado em casa protegido contra o frio... Ou a saltar em todas as poças que encontrar pela frente...

Todas estas opções são exactamente isso: opções de alguém que as tomou pensando que se trata do melhor para a sua família e para o seu filho. Temos de aprender a passar a mensagem com que nos identificamos, ajudando que nos está próximo, mas sem que isso seja sinónimo de apontar o dedo e fazer a outra pessoa sentir-se a pior do mundo. Lembrem-se sempre que, mais cedo ou mais tare, esse dedo pode estar apontado para nós próprios e, nesse momento, não nos iremos sentir bem...

Por uma maternidade a passo de caracol e por menos parent shaming!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que