Avançar para o conteúdo principal

A arte de descomplicar na hora da alimentação

Qual é a mãe que, a partir do momento que descobre que está grávida ou desde que nasce o filho, não passa olhar a alimentação de uma forma completamente diferente? Parece que, de um momento para o outro, ganhamos um doutoramento e pós-doutoramento na arte de ler os hieróglifos que muitas vezes parecem as tabelas nutricionais e as listas de ingredientes dos alimentos. Ir ao supermercado passam a ser uma tarefa de exploração de teor em proteínas, hidratos de carbono e gorduras saturadas e passamos a conhecer o verdadeiro significado de termos pomposos como a famosa (e não muito amada!) maltodextrina.

E pronto, mea culpa, claro que eu também não escapei a esta intensa pesquisa de rótulos em todas as idas ao supermercado! A bem da verdade, isto não foi propriamente novidade para mim porque já há muito tempo o fazia... O que apenas se tornou diferente foi descobrir os elevados teores em açúcares adicionados que a maior parte dos alimentos para as crianças possuem. É assustador a quantidade de pacotes de açúcar que estes alimentos têm, tantas e tantas vezes superiores às doses diárias recomendadas para a faixa etária dos mais pequenos.

Parece que isto tem muito pouco de descomplicado, não é? A minha preocupação passou, desde cedo, por tentar encontrar alternativas de receitas em versão homemade e opções de compra que pudessem ser mais saudáveis para o meu bebé. Felizmente, existem cada vez mais locais onde podemos encontrar receitas para fazer para os mais pequenos, desde papas caseiras a receitas para utilizar em Baby Led Weaning (um dia destes escrevo um pouco sobre isto). Online, temos todo o mundo de blogs (e correspondentes páginas no Facebook) que nos dão algumas pistas como o Papinhas da Xica, Healthy Bites, Na Cadeira da Papa ou A Pitada do Pai, apenas para referir alguns dos mais conhecidos. Depois, temos também a possibilidade de comprar livros de receitas. Lá por casa habitam o "Mãe, quero mais!" da Leonor Cício (a autora do blog Na Cadeira da Papa), o "Comer bem, crescer saudável" da Joana Appleton Figueira e Joana Moura e o "1,2,3 Uma colher de cada vez" de Maria Antónia Peças e João Breda. Por isso, ideias não nos faltam!

Quando chegou a altura de introduzir a alimentação complementar no meu filhote, optei pelas papinhas caseiras seguindo as dicas dos links e dos livros que vos indiquei em cima. A preocupação passou por tentar encontrar diferentes sabores e sem açúcares adicionados. As papinhas preferidas do baby boy foram sempre as que levavam alfarroba e milho misturadas com frutas. Mas como nem sempre conseguimos fazer estas papinhas, uma opção de compra poderá ser a marca Holle, sobre a qual já partilhei na página do Facebook e que podem encontrar à venda nas lojas Celeiro, por exemplo. 

Algumas das papinhas da Holle que já experimentámos cá por casa

É claro que as versões homemade acabam sempre por ser a melhor opção mas não custa nada tentar procurar opções de compra que fujam às habituais papas das marcas mais tradicionais. E não pensem que é tarefa complicada porque não é! Depois de fazerem as primeiras pesquisas de marcas e das opções disponíveis no mercado (bem como escolherem as vossas receitas preferidas), rapidamente tudo fica mais descomplicado e tonar-se mais fácil a ida ao supermercado. Se existe uma receita infalível para isto? Não tenho nenhuma... Mas o que tenho a certeza é que são minutos que são bem gastos a bem da alimentação e da nutrição dos nossos filhotes. E para a nossa também!

E quais são as vossas receitas e marcas preferidas de alimentos para os mais pequenos?


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que