Avançar para o conteúdo principal

Trabalho, família... Difícil de conciliar?


Família.
Trabalho.
Azáfama do dia-a-dia.
Agendas carregadas.
Uma interface.
Uma fronteira.

Conflito. Enriquecimento. Balanço. Conciliação.
Quatro palavras para caracterizar uma única realidade.

A relação entre as pessoas, a sua família e o seu trabalho é, provavelmente, uma das questões em parentalidade que mais tinta faz correr. Olhamos para os países da Europa de Norte e quantas de nós não gostaríamos de ter licenças de maternidade mais prolongadas como por lá, podermos ter escolas como aquelas que encontramos por lá e ter as estruturas de apoio às crianças que estes países possuem para podermos viver a nossa realidade de mulheres trabalhadoras de forma diferente.

Pois, num mundo ideal a realidade de lá estaria também por cá e não teríamos mulheres, que trabalham por conta própria, a regressar ao trabalho passado muito pouco tempo dos seus filhos terem nascido. Porque a capacidade financeira nem sempre é a melhor e a rede de apoio, a aldeia necessária, também é cada vez mais inexistente na correria dos nossos dias. Ao mesmo tempo, também não teríamos mulheres a ter de tomar a decisão de serem mães cada vez mais tarde para que não percam o seu emprego e para que possam ter mais alguma estabilidade para poderem dar aquilo que sempre sonharam aos seus filhos ainda por nascer...

Apesar de toda a evolução que tem vindo a ocorrer nos últimos anos que, felizmente, tem permitido a mães e pais poderem usufruir de licenças de parentalidade cada vez mais alargadas, continuamos sempre a ter aquele sabor agridoce de que há ainda muito para fazer neste campo. Desde há uns anos que este tema me tem interessado cada vez mais quando, ainda longe de pensar que iria ser mãe, me dediquei a estudar as relações entre o trabalho e a família durante a investigação para um mestrado que fiz. Aprendi muito nesse trabalho. Fez-me pensar várias vezes nas estruturas de apoio que os nossos locais deveriam ter para que pudéssemos sentir de forma menos intensa ter filhos e trabalhar ao mesmo tempo. Fez-me ver que, se calhar, até temos mais boas práticas a este nível que estão estabelecidas. Faltam-nos é, muitas vezes, que elas sejam colocadas em prática como seria de esperar...

Quando se fala na relação entre família e trabalho, existem pessoas que gerem esta interface de uma forma espectacular e conseguem viver experiências de enriquecimento: o que de bom aprendem num e outro meio, conseguem aplicar e tornar mais fácil a vivência dos seus papéis no trabalho e na família. No entanto, para a maioria das pessoas, vive-se quase sempre uma experiência de conflito. Não só por efeito do trabalho, mas também por efeito da família. Estas duas realidades são, para a maioria das pessoas, como água e azeite que não se misturam e que dificultam, em simultâneos, sermos bons profissionais e sermos bons elementos de uma família. Há que criar estruturas e há que agir para que se consiga o estado ideal de balanço, de conciliação, entre estas duas realidades. E, acima de tudo, enquanto adultos, cuidadores, trabalhadores e membros de uma família, devemos individualmente criar as nossas próprias estratégias que nos permitam lidar com estas duas realidades sem stress. Sem complicações. Não é tarefa fácil nem se consegue de um dia para o outro. Nem existe uma receita infalível que se aplique a todas as pessoas. Uma única coisa é certa: as nossas estratégias enquanto adultos vão ser determinantes para criarmos um ambiente mais feliz, mais sereno, mais mindfulness para os nossos pequenos. E isso vale todos os sacrifícios que possamos fazer!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

A começar a incentivar a pintura... das paredes cá de casa!

Durante o fim-de-semana partilhei na página do Facebook do blog, uma foto com as mais recentes aquisições cá de casa destinadas a criar um cantinho de artes para o baby boy. Sim, apesar de estar a comprar estas coisas muito animada ao mesmo tempo já estou a imaginar toda uma decoração nova nas paredes cá de casa. Já estou a imaginar uns dedinhos pintadinhos de verde ou de laranja a deixarem a sua marca nas paredes e no chão, qual Picasso em formação! Aqui ficam algumas das comprinhas...

Adiante que coração de mãe sofre sempre por antecipação e imagina sempre os piores cenários...
Em conversa com a educadora do meu filhote, descobri a marca Giotto, uma marca existente desde 1920, destinada a fazer as maravilhas dos mais pequenos e dos graúdos na altura de desenhar, pintar e colorir o dia com as cores do arco-íris. Os produtos desta marca são os mais variados possível, indo desde aguarelas, lápis de cera e de cor, a maquilhagem, a plasticinas e guaches laváveis. Para além do mais, tem u…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…