Avançar para o conteúdo principal

Já pensaram no vosso calendário do advento?


Termina hoje o mês de Novembro e inicia-se amanhã o último mês do ano. Dezembro. Mês do Natal, dos presentes e de convívios prolongados em família. Os últimos 31 dias do ano em que fazemos a revisão do que passou e em que começamos a idealizar o novo ano que já está aí à porta.

No dia 1 de Dezembro, em muitas casas portuguesas e não só, começa a utilizar-se o calendário do advento. Para os mais distraídos, o Advento corresponde, no calendário católico, aos dias que antecedem o Natal e tem a sua origem nos Luteranos da Alemanha e na sua contagem decrescente até à Véspera de Natal, através de um risco de giz ou com uma vela acesa. Mais concretamente, para esta contagem, assinalam-se os quatro domingos que antecedem o Natal e esses são os chamados Domingos do Advento. Para a maioria de nós e fruto do consumismo tão associado a esta quadra, associamos o calendário do advento a pequenas janelas de onde, durante 24 dias, retiramos um pequeno chocolate para adoçar o nosso dia. Mas será que o calendário do advento se deve resumir a isto?

Há uns tempos, vi no Instagram da OH Brain! uma ideia engraçada para o calendário do advento: o calendário seria uma casa das emoções em que tudo caberá "um agradecimento, um cuidado, um conselho, pedacinhos de histórias ou de poesia dos nossos dias". E não é uma ideia diferente para vivermos esta quadra? Depois de ver esta ideia, pensei: "Vamos lá ver o que encontramos no Google quanto a ideias diferentes para calendários do advento?". Numa pesquisa rápida, encontrei a sugestão da Mum's the boss que sugere a criação de calendário de actividades para ser vivido em família através de pequenas actividades para realizar com os mais pequenos nesses 24 dias. Também o blog Casa com Amor faz a mesma sugestão de calendário. No post O nosso calendário do advento, apresenta diferentes fotografias e links a documentar as actividades a realizar até à véspera de Natal, algumas delas que se inserem perfeitamente no espírito das actividades de vida prática de Montessori (destaco a actividade de cozinha de dia 23/12). 

E agora perguntam vocês... E como vai ser o teu calendário do advento, Happy Mom?

Confesso que nunca achei muita piada aos calendários do advento de chocolate... Sempre achei que se perdia ali qualquer coisa, principalmente a parte de partilha e de solidariedade que devem estar presentes em todos os dias do nosso ano. Por isso, pensei num calendário do advento diferente. Que será feito por mim e por vocês. Feito de partilha, de entreajuda e de braços voluntários que pretendam ajudar... O meu calendário do advento será dar-vos a conhecer, em cada um dos 24 dias que nos separam do Natal, 24 associações/projectos solidários a quem a nossa ajuda permitirá ir um pouco mais longe no seu motivo de existir.

Fazem esta caminhada juntamente comigo durante os próximos 24 dias e levam mais longe a voz destas associações/projectos? Conto convosco!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…