Avançar para o conteúdo principal

Descomplicar todos os dias

Ao longo da nossa vida, os nossos gostos mudam. Adoramos passar a tarde inteira nas compras e depois deixamos de gostar (sim, homens... é possível existirem mulheres que não gostam de passar o fim-de-semana inteiro nos centros comerciais às compras). Adoramos andar de ténis e depois, de um dia para o outro, passamos a fazer dos sapatos de salto alto uma continuação das nossas pernas. Odiamos sushi e depois passa a ser uma das nossas comidas peferidas (sim, true story... aconteceu comigo...). Poderia dar aqui muitos mais exemplos mas acho que vocês já estão a perceber a ideia...

Muitas destas mudanças, mais ou menos radicais, acontecem quando surge um pequeno bebé na nossa vida. Passamos a desvalorizar certas coisas para tomar outras como a nossa primeira e única prioridade. O nosso cérebro (principalmente o das mulheres mas também o dos homens) passa por enormes mudanças com a chegada do momento de seremos pais e a nossa forma de estar perante a vida passa a ser outra. De forma mais ou menos clara, mais ou menos conscientemente. 

Eu também passei (e continuo a passar por algumas mudanças ).  Ainda antes de ser mãe,  comecei a aperceber-me de que não faz sentido termos tantas coisas, sermos tão dependentes de objectos e de actos consumistas. E isso apenas se veio a acentuar ainda mais com o nascimento do meu filho. Sabem aquele cliché do "menos é mais"? Sim, faz o seu sentido. Atenção que estou longe de ser minimalista mas o que é verdade é que existem pequenos detalhes de que passei a gostar mais. E até na decoração isso se vê : sou uma fã do estilo nórdico,  com casas muito luminosas e brancas e carregadas e soluções descomplicadas para o nosso dia-a-dia. Ainda que ainda esteja num processo de caminhada nesse sentido aqui por casa... Porque Roma não se fez num dia, não é verdade?

Há uns dias escrevi que existem livros que podem mudar a nossa forma de pensar. Montessori aplica-se às crianças e também aos adultos, na medida em que nos ajuda a simplificar a forma de pensar e de estar, para além de se focar no sentido de ordem e de beleza nos ambientes. E não será essa a serenidade de que necessitamos para a nossa vida e a nossa mente para que consigamos funcionar ainda melhor? Todos os dias? Por estes dias, li também um artigo interessante publicado pela Escola Montessori do Porto com o título "Ser em vez de ter: a perspectiva Montessori", onde a autora nos escreve como reflectiu e modificou algum aspectos em sua casa, em particular a quantidade de brinquedos que por lá existiam. E será que não podemos levar esta abordagem, esta filosofia, esta forma de estar um pouco mais longe e fazermos a mesma reflexão quanto ao que temos,  ao que somos e ao que desejamos?

Pronto, podem dizer que hoje estou muito filosófica... Chata até!  Mas acho que estas linnas apenas querem dizer que atravesso uma fase de alguma mudança mental, de uma tomada de consciência e de valorização dos aspectos que realmente quero que estejam presentes na minha vida e com as quais quero que definam a minha forma de ser e de estar. Comigo e com os que me rodeiam. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…