Avançar para o conteúdo principal

Descomplicar todos os dias

Ao longo da nossa vida, os nossos gostos mudam. Adoramos passar a tarde inteira nas compras e depois deixamos de gostar (sim, homens... é possível existirem mulheres que não gostam de passar o fim-de-semana inteiro nos centros comerciais às compras). Adoramos andar de ténis e depois, de um dia para o outro, passamos a fazer dos sapatos de salto alto uma continuação das nossas pernas. Odiamos sushi e depois passa a ser uma das nossas comidas peferidas (sim, true story... aconteceu comigo...). Poderia dar aqui muitos mais exemplos mas acho que vocês já estão a perceber a ideia...

Muitas destas mudanças, mais ou menos radicais, acontecem quando surge um pequeno bebé na nossa vida. Passamos a desvalorizar certas coisas para tomar outras como a nossa primeira e única prioridade. O nosso cérebro (principalmente o das mulheres mas também o dos homens) passa por enormes mudanças com a chegada do momento de seremos pais e a nossa forma de estar perante a vida passa a ser outra. De forma mais ou menos clara, mais ou menos conscientemente. 

Eu também passei (e continuo a passar por algumas mudanças ).  Ainda antes de ser mãe,  comecei a aperceber-me de que não faz sentido termos tantas coisas, sermos tão dependentes de objectos e de actos consumistas. E isso apenas se veio a acentuar ainda mais com o nascimento do meu filho. Sabem aquele cliché do "menos é mais"? Sim, faz o seu sentido. Atenção que estou longe de ser minimalista mas o que é verdade é que existem pequenos detalhes de que passei a gostar mais. E até na decoração isso se vê : sou uma fã do estilo nórdico,  com casas muito luminosas e brancas e carregadas e soluções descomplicadas para o nosso dia-a-dia. Ainda que ainda esteja num processo de caminhada nesse sentido aqui por casa... Porque Roma não se fez num dia, não é verdade?

Há uns dias escrevi que existem livros que podem mudar a nossa forma de pensar. Montessori aplica-se às crianças e também aos adultos, na medida em que nos ajuda a simplificar a forma de pensar e de estar, para além de se focar no sentido de ordem e de beleza nos ambientes. E não será essa a serenidade de que necessitamos para a nossa vida e a nossa mente para que consigamos funcionar ainda melhor? Todos os dias? Por estes dias, li também um artigo interessante publicado pela Escola Montessori do Porto com o título "Ser em vez de ter: a perspectiva Montessori", onde a autora nos escreve como reflectiu e modificou algum aspectos em sua casa, em particular a quantidade de brinquedos que por lá existiam. E será que não podemos levar esta abordagem, esta filosofia, esta forma de estar um pouco mais longe e fazermos a mesma reflexão quanto ao que temos,  ao que somos e ao que desejamos?

Pronto, podem dizer que hoje estou muito filosófica... Chata até!  Mas acho que estas linnas apenas querem dizer que atravesso uma fase de alguma mudança mental, de uma tomada de consciência e de valorização dos aspectos que realmente quero que estejam presentes na minha vida e com as quais quero que definam a minha forma de ser e de estar. Comigo e com os que me rodeiam. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dicas e sugestões... Tornar o Dia do Pai mais especial!

É impressionante como ainda ontem estávamos a comemorar a entrada no novo ano e já andamos por aqui a pensar nas sugestões mais engraçadas para o Dia do Pai. O ano avança bem rapidamente e já é tempo de pensarmos no miminho que os nossos filhos vão dar ao homem que escolhemos para pai deles. Enquanto os nossos filhotes ainda não conseguem ter voto na matéria e sugerir aquilo que querem oferecer ao pai, cabe-nos a nós, verdadeiras mães malabaristas do século XXI, abraçar mais esta tarefa e descobrir aquela lembrança que vai tornar o Dia do Pai mais especial.
Sou apologista que não devemos comprar nada apenas porque sim. Existem homens que não ligam muito a ofertas e a prendas, outros que são esquisitos e que parecem não gostar de nada, outros ainda que se fecham em copas quanto ao que gostam ou ao que precisam e existem ainda aqueles que não gostam destas "mariquices" (como eles próprios lhes chamam) das lembranças do Dia do Pai que acabam por ficar fechadas numa qualquer ga…

My Little Love: A vossa festa com amor!

O mês de Maio é um mês muito doce no que toca a comemorações aqui em casa. O próximo mês de Maio assinala o primeiro aniversário do meu casamento e o segundo aniversário do meu filhote. Apesar de ainda faltarem dois meses para o dia da festa, por aqui os preparativos já começaram. A checklist da festa de aniversário já está impressa. Já se começou a pensar nas possíveis lembranças para os amiguinhos e já andámos a espreitar as lojinhas de artigos de decoração para ver as novidades. 
Mas festa que é festa, daquelas para ser memorável, pede a ajuda de quem conhece o mundo das festas e da organização de eventos melhor do que ninguém. E é assim que vos venho falar da My Little Love. Se procurarem por organização de festas de aniversário, a oferta é imensa por essa Internet fora. Ao escolherem quem estará a colorir a vossa casa para um dia especial deixo-vos a dica de procurarem alguém com quem tenham criado empatia facilmente. A My Little Love tem como lema "divirtam-se que nós trat…

Natal guloso do baby boy

Todos nós sabemos que, nesta quadra, abundam os doces e os docinhos nas mais diversas formas e com crianças pequenas devemos ter alguns cuidados especiais quanto à alimentação. No livro "Deixe-os comer terra", de Brett Finlay e Marie-Claire Arrieta (de que já vos falei neste post sobre vacinas e neste post sobre o desmistificar do contacto das crianças com os micróbios no dia-a-dia), os autores recomendam que se mantenha o açúcar dado às crianças numa quantidade mínima pois "um bebé guloso vai, provavelmente, tornar-se uma criança gulosa", para além de que "quanto menos açúcares refinados o bebé ingerir, melhor, tanto para ele como para os biliões de micróbios que se deleitam com tudo o que termina na barriguinha dele". 
Desde que introduzi a alimentação complementar ao meu pequeno pirata, agora com 19 meses, que a preocupação com alimentos açucarados ou demasiado processados tem sido constante. Sinal disso, foram os livros que vieram viver cá para casa:…