Avançar para o conteúdo principal

Quando a cabeça não tem juízo...


Sim, é verdade.. Começo a escrever com o início de uma frase mais do que conhecida por todos e que virou quase cliché. O corpo paga tudo aquilo que fazemos. Para o bem e para o mal. É o único que temos (como ouvi num destes dias a Filipa Gomes dizer no seu programa Filipa Gomes Cozinha com Twist) e devemos cuidar dele todos os dias. Seja através da alimentação, seja através da prática de desporto, seja através de o ouvirmos quando ele dá sinal de que precisamos de abrandar. 

No Verão escrevia eu sobre o facto de todos nós termos o nosso momento wake up e de como ele nos pode mudar para sempre. Não só quando somos pais e a realidade muda para nós e passamos a ver tudo de uma nova perspectiva e de como nada pode ser tido como certo. Esses momentos devem servir para reduzirmos a velocidade e olharmos mais para nós e para aquilo que precisamos. Nem sempre, na meio da azáfama do dia-a-dia, conseguimos dizer todos os "não!" que são precisos para que não andemos assoberbados de trabalho. Essa capacidade não é intrínseca à maior parte das pessoas, eu incluída...

A Happy Mom descomplicada que aqui vos escreve é daquela de dar mais de 100% em tudo aquilo em que se envolve: relação, família, trabalho, amizade. Apenas não dou mais mesmo se não conseguir... Mas essa superação constante acaba por ter os seus efeitos... E o corpo é que paga... Começo este ano de 2018 a precisar de abrandar para que o corpo não pague demais. Para que me consiga continuar a dedicar a tudo de corpo e alma. Para um 2018 carregado de serenidade e de bons momentos. Para que todos os dias deste ano sejam descomplicados, tranquilos e de tempo de qualidade em família. 

Se estou a fazer o meu Happiness Project 2018 criado pela The Officinalis? Não propriamente... Tenho acompanhado algumas pessoas via Instagram que estão a fazer este projecto (espreitem, por exemplo, a conta amorosa da Eliane que vai partilhando a evolução do seu Happiness Project em fotos) e tenho achado interessante. E acabo por chegar à conclusão que iniciei 2018 a fazer algo do género, mais ou menos conscientemente, e que já se vinha a impor há algum tempo. Um sinal disso é a alteração da imagem aqui no blog: tem mais de mim... Irei também partilhar mais divagações neste ano tendo sempre o meu baby boy como principalmente protagonista. 

Porque quero que a minha "aldeia" seja exactamente: serena onde quem chega pode tomar um galão bem quentinho de aquecer a alma e o coração e em que se possa falar de tudo e de nada... Sem pressas. Com os olhos sempre postos no horizonte e no que de bom ele tem para nós!

Comentários

  1. Às vezes é preciso abrandar e priorizar, ou pelo menos reorganizar. Por aqui também 2018 começou em stand-by e com saudades da correria diária!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos alturas em que tem mesmo de ser... O médico disse mesmo que era preciso abrandar... Bom 2018!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…