Avançar para o conteúdo principal

O mundo sensorial nas pequenas mãos

A descoberta do mundo à nossa volta faz-se através dos nossos cinco sentidos, desde muito cedo, ainda quando estamos na barriga das nossas mães. Um espaço que vai ficando mais pequeno a cada dia em que o bebé vai estando cada vez mais desperto para os estímulos e em que se vai habituando a pequenos sons que vai recebendo através do filtro do corpo da sua mãe. Com a sua chegada ao meio exterior e a primeira entrada de oxigénio atmosférico nos seus pulmões, abre-se todo um mundo novo diante deste pequeno bebé que, agora, terá de aprender a gerir todos os (muitos) estímulos que irá receber na sua adaptação ao meio extrauterino. 

Durante toda a nossa vida, a estimulação dos cinco sentidos ensina-nos a conhecer aromas, alimentos, texturas e definir quais aqueles de que mais gostamos e os que não queremos mais entrar em contacto. A estimulação dos cinco sentidos é fundamental para a construção da visão que os nossos filhotes terão do mundo. Devemos estimular o seu paladar desde que iniciam a introdução da alimentação complementar, não lhes restringido a prova de novos alimentos, sempre segundo o aconselhamento do pediatra que acompanha a criança. Desde que estão na nossa barriga devemos ouvir música para estimular a audição do bebé e devemos prolongar esse contacto com a música fora da barriga também (leiam, por exemplo, este post do blog Mindful Montessori, sobre a importância da aprendizagem precoce da música nas crianças ou este que escrevi sobre como vejo a música no crescimento do meu filho). Segundo Maria Montessori, a fase fundamental do desenvolvimento da componente sensorial da criança ocorre entre o nascimento e os 6 anos, sendo nesta fase que devemos apostar em estimular os seus cinco sentidos, tanto dentro como fora de casa! Não vamos agora achar que temos de investir fortunas para podermos oferecer as melhores experiências sensoriais aos nossos filhotes... Nada a ver! Querem saber como? Por exemplo, se já conhecem o meu Pinterest, podem lá encontrar um álbum especialmente dedicado a actividades Montessori fáceis de concretizar em casa, muitas vezes resultantes de projectos DIY, e que vos podem ajudar a proporcionar diferentes momentos aos vossos filhotes. Para além do blog Mindful Montessori de que já falei, no blog No colo da Mãe podem também encontrar exemplos de actividades sensoriais que a Andreia tem vindo a partilhar semanalmente no seu blog e que vos podem servir de inspiração (por exemplo, têm neste post sugestão de cinco actividades para fazer em casa mas podem encontrar muitas outras no separador Actividades com eles).

Aqui por casa, confesso que o estímulo sensorial da música é aquele que vejo que traz maior alegria ao meu filhote. O seu contacto com a música vem desde que estava na minha barriga. Ouvimos muita música em nossa casa e vejo que tenho um pequeno apaixonado por música, em especial música clássica. Faço por estimular isso e muitos são os livros com sons que temos lá por casa. Uma actividade que costumo fazer com ele, por exemplo, é ter o livro dos sons dos animais e juntar o som, às fotos desses animais e às réplicas desses mesmos animais para ele ir associando também à tridimensionalidade (os animais que temos lá por casa são estes comprados na Science4You, desta colecção dos animais de brincar, de que falei neste post sobre as descobertas de fim-de-semana). 

Algo que também aposto bastante é que o meu filho faça uma vida ao ar livre, independentemente de ser verão ou inverno, de estar calor ou frio. Somos dos países mais abençoados na Europa em termos de clima e as nossas crianças tendem a passar demasiado tempo entre quatro paredes. Não é à toa que é cada vez maior a necessidade de ministrar complemento de vitamina D a crianças e idosos, o que é uma verdadeira contradição no nosso país em que temos tantas horas de exposição solar por ano. Faço por aproveitar tempo ao ar livre e proporcionar também a exploração da componente sensorial, como a que mostra nesta fotografia quando o meu filhote ficou deliciado a brincar com areia. 


Explorem bastante o mundo exterior com os vossos filhos e não sejam demasiado corujas com eles. Permitam-lhes diferentes experiências sensoriais, todos os dias, desde ajudarem-vos na preparação do jantar (uma interessante actividade pode ser permitirem cheirar os alimentos e provar ainda crus) a deixarem-nos experimentar diferentes texturas de tecidos que tenham em casa (por exemplo, estão a ver as diferentes almofadas que têm em cima do sofá? Deixarem-nos tocar os diferentes tecidos é muito importante para o desenvolvimento do tacto dessas pequenas mãos exploradoras do mundo!). Deixem os vossos filhos provar, tocar e cheirar o mundo à volta deles (ok... Não precisa ser sempre literalmente...). Acreditem que o vosso tempo em família vai ser muito mais divertido e vão conseguir desfrutar verdadeiramente de uma #maternidadeapassodecaracol.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…