Avançar para o conteúdo principal

Cuidar de nós é cuidar deles!

Há já algum tempo que ando para escrever este post... Acho que passar a quem me lê algumas dicas e partilhar aquilo que funcionou comigo na gravidez é o verdadeiro motivo da existência deste blog e o motivo pelo qual gosto de escrever por aqui e partilhar boas descobertas convosco no Facebook, no Pinterest ou no Instagram da Happy Mom descomplicada. Se existe coisa que sinto que as mulheres deveriam fazer mais era partilharem sem crítica, sem meias palavras ou sem sentimento de superioridade. A aventura da maternidade e da parentalidade merece ser vivida sem palavras que doem e marcam nos momentos em que nos sentimos mais frágeis. E por isso gosto de escrever desta forma, quase como se estivéssemos numa roda de conversa, em que todas as palavras são possíveis sem recriminações.

E hoje escrevo-vos sobre opções saudáveis, antes, durante e depois da gravidez e sobre uma condição que afecta muitas grávidas e que vivi de perto na minha gravidez: a diabetes gestacional. Antes de continuar a escrever, quero dizer-vos que não sou profissional de saúde e não pretendo tão pouco escrever um post técnico. Quero apenas partilhar convosco um pouco do processo por que passei pois acho que vos pode ser útil e ajudar a diminuir um pouco a ansiedade... Já tinha escrito por aqui sobre este assunto, quando partilhei convosco como as picadas diárias para medição da glicémia passaram a fazer parte da minha rotina ainda durante o primeiro trimestre de gravidez.

As recomendações médicas mais recentes, na área da Endocrinologia, indicam que um valor de glicémia em jejum igual ou superior a 92 é indicativo de uma possível diabetes gestacional. Tive esse valor nas análises clínicas que fiz no primeiro trimestre e fui logo encaminhada para Endocrinologia para acompanhamento da situação. Para quem não sabe, habitualmente apenas é diagnosticada a diabetes gestacional no segundo trimestre de gravidez, através da Prova de Tolerância Oral à Glicose (PTOG) - a famosa análise do frasco com o líquido extremamente doce e que tanto custa fazer a tantas grávidas. Eu não cheguei a fazer essa análise pois, ao ser encaminhada para a Endocrinologia, e iniciar a monitorização da glicémia por picadas diárias em jejum e após as refeições, verificou-se que os valores eram de facto acima do desejado e já não se justifica realizar esse exame. Acabei por ter de o fazer no pós-parto, no período do puerpério (até seis semanas após o parto), para reclassificação: ou seja, verificar se teria ficado com diabetes ou não o que, felizmente, não se veio a confirmar. O alerta que ficou é ter de redobrar os cuidados com a alimentação e, numa próxima gravidez, iniciar desde cedo o acompanhamento em Endocrinologia just in case...

O principal conselho que vos deixo é que tenham uma equipa de profissionais de saúde a acompanhar-vos: Ginecologista/obstetra, Endocrinologista e Nutricionista. Para quem não for tão regrado, uma alimentação cuidada e a escolha certa dos alimentos a ingerir e quando é meio caminho andado para ter a diabetes gestacional controlada e não ser necessária a toma de medicação. Depois, não esquecer a prática de exercício físico mesmo durante a gravidez. E não estamos aqui a falar que têm de ser como a Carolina Patrocínio... Nada a ver... Estou a falar mesmo de simples caminhadas todos os dias, principalmente após as refeições principais do almoço e do jantar, para ajudar na metabolização dos açúcares presentes nos alimentos. Estes cuidados resultaram comigo, ajudaram a manter a diabetes gestacional dentro de parâmetros aceitáveis e a não ter de tomar insulina durante a gravidez. Se tive receios em muitos momentos? Tive... Mas fiz por acreditar nos profissionais de saúde que me acompanhavam e fazer-lhes todas as perguntas, mesmo aquelas que pudessem parecer mais parvas ou descabidas. Bem sei que o Dr. Google é um espectáculo e sabe tudo de tudo. Mas nem sempre é o melhor conselheiro quando possamos estar mais ansiosas com a nossa saúde e daqueles que nos são mais queridos...

Deixo-vos também a sugestão de um livro que vos pode ajudar nas fases de pré-concepção, gravidez, pós-parto e nuns primeiros anos de vida dos vossos filhotes. Chama-se "Faço tudo por ti" e é da Mónica Pitta Gros Dias, uma nutricionista (editora Verso de Kapa). É um livro que me parece bastante completo e de leitura descomplicada, como se quer, e com exemplos práticos de planos de refeições que podem ser facilmente seguidos em nossas casas. Fica a sugestão, no meu mote #umlivropordiaem2018. Como sugestão, deixo-vos que abordem este livro junto de quem vos acompanha nesta fase tão importante das vossas vidas para que as vossas opções alimentares sejam validadas pelo profissional de saúde que vos acompanha. E como diz a Filipa Gomes: comam bem e seja felizes!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…