Avançar para o conteúdo principal

Super Nanny: o programa da semana (infelizmente!)

Estive a pensar se escrevia ou não sobre este assunto (há tantos posts já por essa blogosfera fora!) mas não consigo mesmo ficar indiferente aquele que, eu diria, é o programa da semana e pelos piores motivos... Falo do Super Nanny que estreou na SIC no passado domingo.

Neste programa, em cada semana, será focada uma família e os problemas que as suas crianças estejam a ter, havendo uma psicóloga de serviço disponível para resolver todos esses problemas. Bem... Antes mais, gostaria de deixar aqui bem claro o seguinte: conheço e tenho várias amigas psicólogas, muitas delas da área clínica, e admiro bastante o seu trabalho, a forma como conseguem ajudar diversas pessoas nos seus problemas. Sem estes profissionais, muitas pessoas não conseguiram ultrapassar os seus dias e devemos agradecer-lhes por existirem e por se dedicarem a ouvir e a capacitar quem mais precisa a dar a volta às suas dificuldades. Portanto, este post não tem nada de contra os psicólogos em geral... Apenas contra a profissional que dá a cara neste programa por uma classe inteira de profissionais e que, infelizmente, irá manchar a imagem dos psicólogos juntos da população em geral. Espero que assim não seja... A postura desta psicóloga está muito longe de ser a mais correcta (e mais profissional, a meu ver) e sinal disso é a postura que o Conselho Jurisdicional da Ordem dos Psicólogos já tomou indo analisar um conjunto de queixas que já foi apresentado contra esta psicóloga. 

Fiz questão de assistir a este primeiro episódio (porque apenas gosto de falar daquilo que sei e daquilo que já vi) e apenas vos digo que fiquei triste... Muito triste por ver ressuscitar os bancos do castigo que tanto eram utilizados no passado (sugiro-vos também a ler o post da No colo da mãe sobre este programa, intitulado "A palmada na hora certa"). Muito triste de ver serem usadas recompensas e castigos para "levar a água ao moinho" (sobre recompensas e castigo, recupero aqui um post que já escrevi sobre o assunto com inspiração Montessori: "Dar uma prenda, sentar a um canto... Queremos condicionar as crianças tipo Pavlov?". Sobre recompensas, castigos e Montessori sugiro ainda a leitura do post "Prémios e castigos" do Jardim da Descoberta). Mas mais triste ainda pela exposição a que esta (e outras crianças) são expostas no programa, sem dar qualquer importância à sua privacidade e sem as proteger dos comentários maldosos que irão ouvir de todos na rua e na escola depois do programa passar na televisão. A privacidade e o respeito pela criança é fundamental em todos os momentos (será que os produtores do programa conhecem a declaração universal dos direitos da criança?!) e, felizmente, já algo está a ser feito depois da transmissão do primeiro episódio do programa: a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens refere que o programa pode estar a violar direitos fundamentais das crianças, especificamente os da imagem, reserva da vida privada e intimidade. Não tenho absolutamente nada contra as famílias que procura ajuda, seja de psicólogos ou de psiquiatras, quando sentem que já conseguem sozinhas. Aliás, dou os parabéns a essas famílias por reconhecerem as suas fraquezas, darem um passo em frente e conseguirem expô-las dentro das quatro paredes de um consultório (como muitos dos casos descritos por Pedro Stretch no seu livro "Parentalidade Positiva" e de que falei no post de ontem). Mas é apenas dentro dessas quatro paredes que essas fragilidades devem ser expostas, faladas e resolvidas e nunca diante a população de um país inteiro...

Fico triste que 1000€ (diz que é essa a quantia que os pais recebem pela participação no programa...) justifique uma exposição tão cruel das fragilidades de uma família, sem se focarem os verdadeiros problemas e se resolver efectivamente aquilo que existe para resolver. Espero que as consequências não sejam demasiado graves para estas crianças...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dicas e sugestões... Tornar o Dia do Pai mais especial!

É impressionante como ainda ontem estávamos a comemorar a entrada no novo ano e já andamos por aqui a pensar nas sugestões mais engraçadas para o Dia do Pai. O ano avança bem rapidamente e já é tempo de pensarmos no miminho que os nossos filhos vão dar ao homem que escolhemos para pai deles. Enquanto os nossos filhotes ainda não conseguem ter voto na matéria e sugerir aquilo que querem oferecer ao pai, cabe-nos a nós, verdadeiras mães malabaristas do século XXI, abraçar mais esta tarefa e descobrir aquela lembrança que vai tornar o Dia do Pai mais especial.
Sou apologista que não devemos comprar nada apenas porque sim. Existem homens que não ligam muito a ofertas e a prendas, outros que são esquisitos e que parecem não gostar de nada, outros ainda que se fecham em copas quanto ao que gostam ou ao que precisam e existem ainda aqueles que não gostam destas "mariquices" (como eles próprios lhes chamam) das lembranças do Dia do Pai que acabam por ficar fechadas numa qualquer ga…

My Little Love: A vossa festa com amor!

O mês de Maio é um mês muito doce no que toca a comemorações aqui em casa. O próximo mês de Maio assinala o primeiro aniversário do meu casamento e o segundo aniversário do meu filhote. Apesar de ainda faltarem dois meses para o dia da festa, por aqui os preparativos já começaram. A checklist da festa de aniversário já está impressa. Já se começou a pensar nas possíveis lembranças para os amiguinhos e já andámos a espreitar as lojinhas de artigos de decoração para ver as novidades. 
Mas festa que é festa, daquelas para ser memorável, pede a ajuda de quem conhece o mundo das festas e da organização de eventos melhor do que ninguém. E é assim que vos venho falar da My Little Love. Se procurarem por organização de festas de aniversário, a oferta é imensa por essa Internet fora. Ao escolherem quem estará a colorir a vossa casa para um dia especial deixo-vos a dica de procurarem alguém com quem tenham criado empatia facilmente. A My Little Love tem como lema "divirtam-se que nós trat…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…