Avançar para o conteúdo principal

Restaurantes... Ou de como ter um filho não devia mudar tudo!

Tempo de férias.  Um dia de sol convida a passeios junto ao mar e a comer algo que ele nos dê.  O que se quer é peixe fresco, marisco e petiscos vários. A uma velocidade bem mais baixa do que nos dias de trabalho. O ar traz-nos o cheiro do mar, da praia. Parece que tudo nos convida a relaxar, a ficarmos mais tranquilos... Até à hora de encontrar um restaurante para almoçar...
Podem dizer-me assim: "ah é tempo de férias e por isso tornar-se muito mais difícil de conseguir um qualquer recanto para trincar um pão com manteiga e depenicar uma sardinha grelhada no carvão ". Não necessariamente... Até porque este sentimento que aqui vos descrevo já não vem deste fim-de-semana. Há já muito tempo que fico com a sensação de que a nossa sociedade não quer que pais de crianças pequenas frequentem certos lugares. Parece-me que o divertirmo-nos ou continuar a fazer coisas que fazíamos enquanto apenas casal nos estão agora totalmente vedadas porque incomodamos por ter um bebé e um carrinho... Promover a natalidade também passa por isto: tornar possível que haja tempo em família fora de casa.
Devo dizer que ontem deambulei bastante por uma vila à beira-mar plantada em busca de um restaurante em que fosse fácil de poder comer com o meu filhote. E ia ficando triste a cada restaurante por que passava por ver que o espaço para passar com o carrinho era quase inexistente (num deles nem sequer podia aceder à sala de refeições sem fechar o carro dado que o acesso se fazia unicamente através de umas escadas). E não era a única que tinha este problema pois vi mais casais à procura de um local para almoçarem descansados e tinham o mesmo problema do carrinho. Num outro restaurante, a entrada quase não dava para passar uma pessoa, quanto mais um carrinho de bebé... Fico triste por ser assim. Mas felizmente nem tudo é menos positivo quando se anda a passear...
Consegui encontrar um restaurante em que me senti mesmo bem. Houve logo a preocupação com o bebé e em colocar a cadeirinha junto da mesa da forma que nos fosse mais confortável e funcional enquanto família e não naquela que fosse melhor para o restaurante.  Houve a ajuda em tornar a mesa mais livre de pratos e talheres que não são tão amigáveis para um bebé de 15 meses. E quando, terminada a refeição e os pais gulosos esperavam pela sobremesa, houve espaço para serem dados brinquedos para o baby boy se entreter. Tudo sempre com calma e com a maior simpatia. E mesmo com pessoas à espera de mesa, não senti qualquer pressão do restaurante para me despachar. Nada. Mais baby friendly impossível.  Melhor atendimento impossível!
Numa sociedade em que se diz que se precisa de apostar na natalidade, há também que criar as melhores condições possíveis em espaços de restauração para podermos sair com as nossas crianças.  Porque ter filhos não deve ser sinónimo de se deixar de ter vida e se passar a vuver enclausurado em casa. Há que viver e ter tempo em familia fora de portas. E fico triste que estas questões nem sempre sejam primordiais para quem atende o público...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

A começar a incentivar a pintura... das paredes cá de casa!

Durante o fim-de-semana partilhei na página do Facebook do blog, uma foto com as mais recentes aquisições cá de casa destinadas a criar um cantinho de artes para o baby boy. Sim, apesar de estar a comprar estas coisas muito animada ao mesmo tempo já estou a imaginar toda uma decoração nova nas paredes cá de casa. Já estou a imaginar uns dedinhos pintadinhos de verde ou de laranja a deixarem a sua marca nas paredes e no chão, qual Picasso em formação! Aqui ficam algumas das comprinhas...

Adiante que coração de mãe sofre sempre por antecipação e imagina sempre os piores cenários...
Em conversa com a educadora do meu filhote, descobri a marca Giotto, uma marca existente desde 1920, destinada a fazer as maravilhas dos mais pequenos e dos graúdos na altura de desenhar, pintar e colorir o dia com as cores do arco-íris. Os produtos desta marca são os mais variados possível, indo desde aguarelas, lápis de cera e de cor, a maquilhagem, a plasticinas e guaches laváveis. Para além do mais, tem u…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…