Avançar para o conteúdo principal

Colo, apego, toque... Hoje e sempre!



Se existe assunto que não gera consenso e em que as opiniões são mais do que muitas é isto a que se dá o nome pomposo de parentalidade. Todos têm a sua receita infalível de como serem os melhores pais. Parece-nos sempre que a casa dos nossos amigos deve ser o céu no que às crianças diz respeito. O nosso filho parece ser sempre mais terrorista do que os demais. E quando se fala de comidas e de sonos... Ui então aí começa a desenrolar-se uma longa lista de queixas, de truques e de mezinhas que tornam as crianças as mais bem comportadas do mundo... Ou então não!

Durante a gravidez (e talvez por ela ter sido um pouco mais complicada do que eu poderia esperar...), acabei por não ler tanto como gostaria. Apenas depois do bebé nascer e já com alguns meses, comecei a ler um pouco mais sobre parentalidade e tudo o que com ela se relaciona. Só mais recentemente, e depois de aderir ao grupo no Facebook Escolas Alternativas, Comunidades de Aprendizagem e Educação em Portugal (adicionada por uma amiga muito curiosa nestes assuntos e que, depois da maternidade, decidiu mudar o seu rumo... Boa, corajosa!!), é que descobri o significado de termos como Montessori, Waldorf, Movimento Escola Moderna ou Reggio Emilia. Foi graças ao grupo também do Facebook Mães OMS - Apoio à Amamentação que soube mais sobre amamentação e que a Unicef e a OMS possuem manuais sobre a amamentação que nos podem ajudar nas fases mais difíceis bem como descobri o termo CAM que tão somente significa Consultora de Amamentação: pequenos anjos que nos podem ajudar naqueles momentos em que podemos estar a pensar em desistir de amamentar. Com o aproximar dos seis meses de idade do bebé e da chegada do momento de introdução da alimentação complementar, descobri também que esta introdução não se deve limitar a papas e sopas e que o mundo do Baby Led Weaning está mesmo aí à espreita e que pode ser uma forma muito útil de introduzir a alimentação e de despertar o interesse pelos alimentos desde muito cedo. Descobri diversos blogs como o Na Cadeira da Papa (a autora do livro Mãe, quero mais!), as Papinhas da Xica, a Pitada do Pai ou, mais recentemente, o Healthy Bites (de uma amiga que consegue ter a capacidade de inventar as mais incríveis receitas paleo para toda a família).

Sim, isto da maternidade e parentalidade pode mesmo ser um verdadeiro mundo que nos pode encher ainda de mais dúvidas. Leva-nos a questionar. Parece-nos que tudo é uma moda e que não nos faz sentido. Parece-nos que, para que tudo corra bem, temos de ser cegas seguidoras desta ou daquela abordagem. Chegamos ao final do dia esgotadas, perdidas, sem saber o que fazer e sem paciência para os miúdos e graúdos lá de casa. Quando nos fixamos demasiado em ideais cor-de-rosa que acompanhamos nesta ou naquela rede social, em ideias pré-concebidas ou em preconceitos (porque na maternidade também os há!), acabamos por nos perder de nós próprias e das "nossas pessoas" que vivem connosco. Deixamos de ter a capacidade de agradecer todos os dias pelo que a vida nos dá. A vida não tem uma checklist para se cumprir. Muito longe disso! A vida é feita de surpresas a cada segundo onde os piores planner freak se perdem e ficam com todos os planetas desorientados. Não há receitas infalíveis para seguir passo a passo. Não há espaço para regras rígidas ou imposições demasiado fechadas.

Há sim espaço para o colo, o apego desde o acordar até ao deitar, ao mimo e ao beijo por tudo e por nada. Há que haver a resiliência suficiente para nos permitir ultrapassar aquilo que não foi planeado e que está para além dos riscos que delimitam a estrada. Há o dizer "sim" quando todos esperavam um "não" ou fazer exactamente o contrário. Há que conseguir garantir tempo de família de qualidade, sem interrupções tecnológicas, em que se cultive o apego, o amor, o cuidado e o respeito pelo próximo. Porque a parentalidade deve ser isto! E tudo o mais que cada família considere para si!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dicas e sugestões... Tornar o Dia do Pai mais especial!

É impressionante como ainda ontem estávamos a comemorar a entrada no novo ano e já andamos por aqui a pensar nas sugestões mais engraçadas para o Dia do Pai. O ano avança bem rapidamente e já é tempo de pensarmos no miminho que os nossos filhos vão dar ao homem que escolhemos para pai deles. Enquanto os nossos filhotes ainda não conseguem ter voto na matéria e sugerir aquilo que querem oferecer ao pai, cabe-nos a nós, verdadeiras mães malabaristas do século XXI, abraçar mais esta tarefa e descobrir aquela lembrança que vai tornar o Dia do Pai mais especial.
Sou apologista que não devemos comprar nada apenas porque sim. Existem homens que não ligam muito a ofertas e a prendas, outros que são esquisitos e que parecem não gostar de nada, outros ainda que se fecham em copas quanto ao que gostam ou ao que precisam e existem ainda aqueles que não gostam destas "mariquices" (como eles próprios lhes chamam) das lembranças do Dia do Pai que acabam por ficar fechadas numa qualquer ga…

My Little Love: A vossa festa com amor!

O mês de Maio é um mês muito doce no que toca a comemorações aqui em casa. O próximo mês de Maio assinala o primeiro aniversário do meu casamento e o segundo aniversário do meu filhote. Apesar de ainda faltarem dois meses para o dia da festa, por aqui os preparativos já começaram. A checklist da festa de aniversário já está impressa. Já se começou a pensar nas possíveis lembranças para os amiguinhos e já andámos a espreitar as lojinhas de artigos de decoração para ver as novidades. 
Mas festa que é festa, daquelas para ser memorável, pede a ajuda de quem conhece o mundo das festas e da organização de eventos melhor do que ninguém. E é assim que vos venho falar da My Little Love. Se procurarem por organização de festas de aniversário, a oferta é imensa por essa Internet fora. Ao escolherem quem estará a colorir a vossa casa para um dia especial deixo-vos a dica de procurarem alguém com quem tenham criado empatia facilmente. A My Little Love tem como lema "divirtam-se que nós trat…

Natal guloso do baby boy

Todos nós sabemos que, nesta quadra, abundam os doces e os docinhos nas mais diversas formas e com crianças pequenas devemos ter alguns cuidados especiais quanto à alimentação. No livro "Deixe-os comer terra", de Brett Finlay e Marie-Claire Arrieta (de que já vos falei neste post sobre vacinas e neste post sobre o desmistificar do contacto das crianças com os micróbios no dia-a-dia), os autores recomendam que se mantenha o açúcar dado às crianças numa quantidade mínima pois "um bebé guloso vai, provavelmente, tornar-se uma criança gulosa", para além de que "quanto menos açúcares refinados o bebé ingerir, melhor, tanto para ele como para os biliões de micróbios que se deleitam com tudo o que termina na barriguinha dele". 
Desde que introduzi a alimentação complementar ao meu pequeno pirata, agora com 19 meses, que a preocupação com alimentos açucarados ou demasiado processados tem sido constante. Sinal disso, foram os livros que vieram viver cá para casa:…