Avançar para o conteúdo principal

As fraldas têm mesmo de ser descartáveis?

Há uns bons anos atrás, a utilização de fraldas descartáveis estava muito longe de ser tão comum como nos dias de hoje e as fraldas que eram utilizadas eram de pano. Passado uns anos e bastando numa ida ao supermercado, consegue-se compreender que as fraldas descartáveis estão mais do que instaladas no nosso mercado, sendo a opção da maior parte dos pais. No entanto, nem todos seguem esta via. Sabendo disso e sabendo que a opção por fraldas reutilizáveis poderá estar no horizonte de futuras mamãs, pensei em pedir ajuda à Gi Morais para escrever este post, em que descreve a sua experiência de utilização de fraldas reutilizáveis e como escolheu esta opção. Espero que gostem e obrigada, Gi Morais, pela ajuda na escrita deste post!


FRALDAS REUTILIZÁVEIS: UMA BOA OPÇÃO PARA OS NOSSOS BEBÉS



Por aqui, a ideia de usar fraldas de pano foi surgindo dia após dia de experiência de fraldas descartáveis. Num mês, testamos 8 marcas inclusive linhas brancas e nada resultava no rabo da miúda. Nunca assou porque fazíamos a limpeza da muda da fralda com chá de camomila e nunca deixávamos mais de 2h a fralda, se existisse cocó mudávamos de imediato. 


Até que, pelas 6 semanas, após estar nos grupos de fraldas reutilizáveis, falei com a Sónia Garcia da Meekbum para me ajudar a comprar e a experimentar. 


Nosso primeiro sistema de fraldas e aquele até hoje usamos são da marca Grovia as pré-dobradas (prefold) juntamente com capa de velcro ou molas. 


Com 6 semanas


Com 14 meses 



Assim foi, estivemos 2 semanas a testar durante o dia. A verdade é que, ao fim de 48h horas, a pele estava óptima!


Depois passamos para a aventura da noite e optamos mais uma vez, a conselho da Sónia, pela a marca Sloomb modelo OBF ( devido ao seu excelente algodão e aos outros materiais naturais de absorção intensa). A capa a usar já não podia ser a Grovia por esta ser respirável mas sim a CoverAll da Blueberry. 


Experimentámos a que se chamam Tudo em um da Grovia mas, como a pele em casa é sensível e esta fralda tem microfibra, tivemos de abandonar o sistema. 


Mas o dinheiro investido recupera-se porque compramos e vendemos, tanto as novas como em segunda mão. 


Aliás, tenho muitas pre-dobradas em segunda mão que são mais absorventes que as novas, quanto mais usadas as fibras tendem a absorver mais :)


Depois... o gasto. Em média, uma criança por ano gasta à volta 1000€ em fralda descartáveis e eu gastei em média à volta de 350€, novas e usadas. Tenho fraldas de tamanho único que acompanham desde nascimento até desfralde e tenho fraldas de tamanhos conforme o peso. 


Agora vem a parte que me fazia confusão e neste momento o que faz confusão são as descartáveis ( hihihi). 


Lavagem: tudo a 60º e juntamente com nossa roupa, logo não existem máquinas extra. Temos somente o cuidado de as passar por água quando mudamos fralda e colocar num cesto à parte arejado. 


Como tenho máquina de secar não notei diferença na conta da electricidade no inverno, no verão seca ao sol. 


Tornou se uma rotina normal sem complicações. Tanto eu ou o Pai trocamos sem dificuldade e não são um bicho de 7 cabeças e não fica com um rabo grande ( estas não o fazem, mas existem outros sistemas que sim). 


Quando saímos temos saco das fraldas de pano, e um saco impermeável para colocar as sujas. A limpeza do Baby faço com as waterwipes e com compressas. 


Em média são 6/8 fraldas dia, troco em média 1h30 ou quando faz cocó de imediato. 


No verão, tornam-se muito mais frescas e nunca mais tivemos aquele cheiro de xixi principalmente com a fralda da noite. 


As únicas fraldas descartáveis que usamos são as Libero e para situações específicas, como por exemplo viagem de avião. 



Conselhos para quem quer começar a utilizar fraldas reutilizáveis:
  • Estudem os sistemas e os modelos com calma e não adquiram todas as fraldas de um só tipo nem de uma só marca, pois o ajuste vai variar consoante a fisionomia do bebé (e também com as diferentes fases dentro do mesmo bebé).
  • Juntem-se ao Grupo de Facebook das Fraldas Reutilizáveis para irem aprendendo com outras mamãs e conhecendo todos os truques.
  • Juntem-se também ao grupo de Compra e Venda de Fraldas Reutilizáveis e estejam atentas a oportunidades que surjam no mercado de segunda mão.
  • Existem duas alturas-chave para comprar fraldas com desconto: a Black Friday, em Novembro, e a Nappy week, em Abril. Fiquem atentas às promoções nestas datas nos sites nacionais e internacionais. 
  • Deem preferência a fibras naturais (algodão, bambú, cânhamo, sempre mais respiráveis, melhores para a pele do bebé, melhores para lavar a altas temperaturas sempre que necessário e menos susceptíveis de causar entupimentos e maus cheiros (ex: algodão vs microfibra).
Espero ter ajudado no esclarecimento de algumas dúvidas. Usar FR é simples desde que consigam encontrar o método e a melhor fralda para o Baby.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

A começar a incentivar a pintura... das paredes cá de casa!

Durante o fim-de-semana partilhei na página do Facebook do blog, uma foto com as mais recentes aquisições cá de casa destinadas a criar um cantinho de artes para o baby boy. Sim, apesar de estar a comprar estas coisas muito animada ao mesmo tempo já estou a imaginar toda uma decoração nova nas paredes cá de casa. Já estou a imaginar uns dedinhos pintadinhos de verde ou de laranja a deixarem a sua marca nas paredes e no chão, qual Picasso em formação! Aqui ficam algumas das comprinhas...

Adiante que coração de mãe sofre sempre por antecipação e imagina sempre os piores cenários...
Em conversa com a educadora do meu filhote, descobri a marca Giotto, uma marca existente desde 1920, destinada a fazer as maravilhas dos mais pequenos e dos graúdos na altura de desenhar, pintar e colorir o dia com as cores do arco-íris. Os produtos desta marca são os mais variados possível, indo desde aguarelas, lápis de cera e de cor, a maquilhagem, a plasticinas e guaches laváveis. Para além do mais, tem u…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…