Avançar para o conteúdo principal

Momentos a dois

Amamentar... O maior acto de amor e de dedicação que podemos ter para o nosso bebé. 

Antes de mais, quero dizer que estou longe de ser fundamentalista no que toca à amamentação. Estou longe de achar que as mães que não amamentam são piores mães do que aquelas que o fazem. A decisão de amamentar é algo muito próprio da mulher e deverá ser apenas ela, juntamente com o seu companheiro, a decidir o que é melhor para o seu bebé e para si, tendo sempre por base uma decisão bem fundamentada e conversada a dois. Sim, porque ainda que se ache que é apenas a mãe que a amamenta... O pai que está ali ao lado tem também um papel fundamental neste momento tão íntimo entre mãe e filho e pode contribuir e muito para que a amamentação seja um sucesso! Devemos procurar o máximo de informação (ler, por exemplo, o Manual de Aleitamento Materno da UNICEF) e, quando achamos que a amamentação pode não estar a correr bem, recorrer a profissionais especializados em amamentação como os de Vamos dar de mamar, SOS Amamentação, Amamenta Porto ou Clínica Amamentos.

Passando a factos concretos... A Organização Mundial de Saúde (e a nossa Direcção-Geral de Saúde) recomenda a amamentação em exclusivo e em livre demanda (LD) até aos seis meses de vida do bebé e, de forma complementar, até aos dois anos de idade, pelo menos. Para que a amamentação possa ser bem sucedida desde o início, o hospital onde ocorre o nascimento deve apoiar a mãe no que respeita a amamentação e esclarecê-la quanto a todas as dúvidas, seguindo uma abordagem positiva permitindo que a mãe e o bebé estejam juntos durante 24 horas e que o bebé possa mamar sempre que quiser (para saber mais ler as Recomendações OMS). Mas, infelizmente, quem foi mãe sabe que nem todos os hospitais são "amigos dos bebés" e que nem todos os profissionais de saúde nos dão aquele incentivo e o conforto que estaríamos à espera num momento de tão grande turbilhão de hormonas!

Mas eu só posso estar grata por tudo neste aspecto da amamentação e por, aos oito meses, continuar a ter estes momentos deliciosos com o meu bebé! Tive a sorte de, no hospital e mesmo tendo feito cesariana, poder ter amamentado logo no recobro e ter sentido o meu bebé bem junto a mim. Tive a sorte de ter encontrado uma equipa de enfermeiros e auxiliares que me apoiaram na amamentação, que estavam sempre a corrigir a pega quando era necessário, fosse de noite ou de dia. E esse acompanhamento continuou já em casa, via telefone, quando me ligaram para saber se esta tudo bem e se o baby estava conseguir mamar bem. E, acima de tudo, não poderia estar mais grata por ter um companheiro de viagem a meu lado que sempre me apoiou na minha decisão de amamentar e que me agradece todos os dias o esforço e a dedicação em dar ao nosso filho o melhor. Por não me incentivar a deixar de amamentar, mesmo quando já regressei ao trabalho e o nosso baby já está no berçário.

Porque estes momentos a dois valem ouro... E vou ter muitas saudades quando terminarem!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…