Avançar para o conteúdo principal

As mulheres são tramadas!

Sim, nós mulheres somos mesmo tramadas. Não é à toa que os homens dizem que devíamos ter livro de instruções, que somos uns bichos estranhos e por aí fora.
Nós que somos mães e que gostamos destas coisas de redes sociais, quase todas devemos fazer parte de um (ou mais!) grupos de mães no Facebook. Na teoria, estes grupos teriam tudo para correr bem: seriam locais de partilha e de entreajuda entre mães, com o intuito de todas aprendermos e nos ajudarmos nas dificuldades do dia-a-dia. Pois... Em teoria... Eu sou uma das mães que pertence a esse grupos e não fico propriamente surpreendida com as pequenas confusões que se vão gerando nestes grupos, puro e simplesmente pelas divergências de ideias. Ou pela dificuldade em aceitar opiniões que nos são contrárias...
Ontem li este post no blog No colo da mãe e não podia concordar mais com estas palavras. Quando pedimos opinião, temos de ter a capacidade de conseguir aceitar as opiniões que nos são favoráveis e, principalmente, aquelas que vão contra o que pensamos e que nos contrariam. Nenhuma mãe é perfeita e não vale a pena pensarmos que essa perfeição existe. Isso é utópico! O que existe sim é uma mãe que é a mais perfeita e a melhor do mundo para o seu bebé. Agora, se colocamos uma dúvida num grupo do Facebook e pretendemos ler as opiniões de outras mães, temos de aceitar que alguém terá uma palavra contrária. Se escrevemos este ou aquele post pedindo ajuda (quando, na verdade, o que buscamos mesmo é a aceitação das nossas opções), não podemos logo atirar pedras a quem se nos opõe. Nem todas somos detentoras da mesma experiência, do mesmo conhecimento ou da mesma capacidade de pesquisa. Se pedimos opinião, devemos ser capazes de aceitar outros conhecimentos que não aqueles que fazem parte do nosso ideal. A entreajuda é mesmo isso: aprendermos com quem tem mais experiência e adaptarmos à realidade que pretendemos para a nossa família. Mas de forma desprendida e sem buscarmos segundas intenções em tudo aquilo que nos dizem.
Ser mulher é tramado. Ser mulher membro de um destes grupos é ainda mais tramado quando as hormonas andam completamente à flor da pele e têm a capacidade de nos toldar a forma de resposta ou o raciocínio (sim... as hormonas são capazes disto e de muito mais!). Não podemos achar que esta ou aquela opinião é uma bala direccionada directamente a nós. Não podemos esperar que todas as mães que escrevem nestes grupos completem as suas frases com muitos smiles e muitas florzinhas. Todas somos pessoas diferentes e não é por não utilizarmos smiles que estamos a tentar ofender. Antes pelo contrário!
As mulheres são tramadas. Mas as mulheres também necessitam de relativizar mais as coisas a sua volta. Têm de aprender a ouvir melhor as outras mulheres e considerarem-nas como aliadas e membros de uma tribo que existe para ajudar.
As mulheres são tramadas... Mas temos de contrariar isso!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…