Avançar para o conteúdo principal

O mundo bom da blogosfera: Mindful Montessori

Já tinha escrito por aqui na entrevista que fiz à Top 10 Mom que a blogosfera tem muitas coisas boas e é um óptimo local para partilha de conhecimento e de aprendizagens. Seja sobre os mais diversos temas, a blogosfera tem sempre um blog com o qual simpatizamos desde o início e que se torna uma das nossas leituras sempre que nos é possível. Quando partilhei convosco quais eram alguns dos blogs que mais gosto de ler neste mundo virtual neste post, um dos que referi foi o Mindful Montessori que tive o prazer descobrir, primeiro no Facebook, e depois acompanhar através do blog. E apenas posso dizer-vos que, desde o início, que criei grande empatia pela Sylvia Sousa, uma simpática apaixonada por Montessori e com quem tenho feito boas partilhas sobre este mundo que ainda estou apenas a descobrir. Como a própria diz no seu blog, ela pretende "difundir a pedagogia Montessori e torná-la acessível a todos" e só posso dizer que faz um excelente trabalho em todas as suas partilhas, seja no blog, na página do Facebook ou no seu Instagram @montessoriportugal que acompanho e que vos convido a todos a descobrir também.  

Curiosa como sou, lancei o desafio à Sylvia Sousa de nos falar um pouco mais sobre ela e a sua descoberta de Montessori e aqui partilho convosco as belas palavras que ela escreveu especialmente aqui para o blog. Espero que gostem tanto como eu!


QUEM NOS ESCREVE NO MINDFUL MONTESSORI?

Fui desafiada pela Happy Mom Descomplicada a escrever sobre a minha vivência no mundo Montessori! Aceitei com imenso gosto, porque é um blogue com que me identifico, e porque acho que a blogosfera deve ser isso mesmo, um espaço de partilha de experiências!
Para quem não me conhece, sou a Sylvia, mãe de 3 crianças, psicóloga, formadora e blogger, nos tempos livres!

O meu caminho no universo da Psicologia está ligado desde o início a’O Fio de Ariana, no Porto. Um sítio maravilhoso, que se dedica ao apoio terapêutico de crianças, das mais variadas idades, e ao acompanhamento das suas famílias neste caminho nem sempre linear da parentalidade. No meu percurso profissional, dediquei-me preferencialmente aos problemas relacionados com o desenvolvimento infantil e a aprendizagem escolar. Conheci dezenas de educadores-de-infância, professores,… muitos deles maravilhosos, mas senti sempre que as nossas escolas não são pensadas para as crianças.
Há quase 2 anos, uma reviravolta nas nossas vidas ditou o meu regresso ao país onde nasci. Com uma mudança de vida para o Sul de França, e sem trabalhar fora de casa, comecei a dedicar-me a 100% aos meus 3 filhos, e tem sido uma experiência maravilhosa! Com a aproximação da entrada para a escola para o meu filho do meio, urgia encontrar uma escola à medida daquela mente curiosa, espontânea, e sensível, e aquele corpo irrequieto. Tinha de encontrar uma escola que respeitasse o ritmo de aprendizagem dele, muito perspicaz com os números mas trapalhão com as palavras. Senti que ele tinha necessidade de aprender de outra forma, de uma forma mais livre, menos formatada, menos pautada por ritmos que não são os dele.
Li e reli os pedagogos que me inspiraram no meu percurso académico, e nessas leituras, reencontrei a visão de uma senhora fabulosa, Maria Montessori, que amava as crianças, e dedicou a sua vida a observá-las. Criou toda uma filosofia sobre um processo de aprendizagem em que a criança é respeitada na sua individualidade e nos seus ritmos, sejam eles mais ou menos acelerados. Nesta descoberta, percebi uma coisa maravilhosa: França é um país onde existem inúmeras escolas com pedagogias alternativas, e a cereja no topo do bolo: um projecto de abertura de uma Escola Montessori, literalmente a dois passos da nossa casa, para o mês de setembro em que o meu filho deveria entrar para a escola! Sem hesitação, estabelecemos os primeiros contactos, as primeiras visitas, e o contacto com esta nova realidade foi simplesmente indescritível! Uma escola que respeita o ritmo de desenvolvimento de cada criança, que utiliza material pedagógico específico, com educadores atentos a cada criança individualmente, que segue uma pedagogia que cuida das emoções, e virada para a natureza e o cuidado do ambiente.

Com o meu filho a dar os primeiros passos na Escola Montessori, e completamente rendida a essa pedagogia, senti necessidade de aprofundar os meus conhecimentos. Pesquisei muito, falei com muitas pessoas ligadas à educação e às pedagogias alternativas, e um nome surgia sempre: Sylvie D’Esclaibes. Começou então a minha aventura na formação Montessori, e descubro em cada momento de aprendizagem o quão genial era a sua fundadora, Maria Montessori! Conhecer Sylvie D’Esclaibes, as suas formações, as suas escolas, os seus livros,… foi determinante no rumo que as coisas tomaram daí para a frente. É uma pessoa simplesmente inspiradora, com muitos anos de prática e de experiência. É uma das principais impulsionadoras do movimento Montessori em França, e criadora de inúmeras escolas Montessori… Criou-se entre nós uma relação perfeita, com o desejo comum de criação de projectos relacionados com a Pedagogia Montessori em Portugal.
A aprendizagem de Montessori impulsionou em mim a vontade de partilhar as minhas descobertas, com o intuito de contribuir para que cada vez mais pessoas em Portugal possam conhecer e aplicar este método, para a felicidade e o bem-estar das crianças. Comprei material pedagógico Montessori para os meus filhos, fizemos adaptações na nossa casa: baixámos prateleiras, arrumámos nas caixas de cartão o parque e a espreguiçadeira, da cama de grades ficou apenas o colchão, colocado no chão, de forma a tornar mais natural a rotina de dormir, arrumámos dezenas de brinquedos, e escolhemos de uma forma mais cuidada os livros que apresentamos aos nossos filhos, construímos a nossa maravilhosa torre de aprendizagem,… mas acima de tudo, adoptámos um estilo de vida em que refinamos a nossa relação com os nossos filhos, de forma a estar com eles sem pressas, apreciando os nossos momentos em família, e respeitando de forma genuína os seus ritmos, permitindo que sejam mais autónomos e independentes, e criem dessa forma um sentimento de confiança que os irá fortalecer para toda a vida. Recordo-me muitas vezes de algumas passagens nas minhas leituras das obras de Maria Montessori, e as frases que me vêm mais vezes à cabeça quando interajo com os meus filhos são: “Ensina-me a fazer por mim mesmo”, e “Ensina-me a ser eu mesmo”… Acho que têm um significado poderoso, e fazem todo, mas todo o sentido. 
Entre rotinas e passeios ao ar livre, criei o blogue e a página de facebook Mindful Montessori Portugal, com o objetivo de partilhar as minhas descobertas, e permitir assim que todos acreditemos que sim, é possível criar contextos educativos onde as crianças aprendam e sejam realmente felizes! Partilhando alguns dos nossos momentos Montessori em casa, pretendo transmitir uma coisa importante: Mergulharmos no mundo Montessori não é apenas comprarmos material pedagógico Montessori, e organizarmos e decorarmos a nossa casa inspirando-nos nos princípios da Pedagogia Montessori. Isso tudo é muito importante, mas mais importante do que isso, é mudarmos dentro de cada um de nós, observarmos as nossas crianças , e adoptarmos um estilo de vida e de relação com elas que seja fiel à mensagem que Maria Montessori tanto se dedicou a transmitir-nos: Com o amor a dar o mote, vem o respeito pelas características individuais de cada criança, os seus ritmos, as suas necessidades vitais. O nosso papel enquanto educadores é de orientar sem pressionar, sem dominar, sem impor as nossas vontades,… Os limites surgem naturalmente e são absorvidos pela criança como tudo o resto: naturalmente.
Finalmente, e numa lógica de partilha de conhecimentos, surge o desafio: a criação de workshops sobre a Pedagogia Montessori! E é mesmo um grande desafio! Numa fase da minha vida em que estou ainda a viver em França, com uma nova formação Montessori a decorrer em Bordeaux, abraçar um projecto com idas e voltas a Portugal para partilhar conhecimentos sobre Montessori é acima de tudo um impulso fortíssimo motivado pelo desejo de construir no meu país algo de muito bonito para as crianças! E a ideia é não ficarmos pelo Porto… O Algarve por exemplo, está na nossa mira, Mas também outros pontos do país, é tudo uma questão de organização! Com a preciosa colaboração de Sylvie D'Esclaibes, e rodeada de pessoas imensamente envolvidas neste projecto, esses momentos de aprendizagem e de partilha serão uma forma de permitir que cada vez mais, pais, educadores, terapeutas, e todos aqueles que de alguma forma se interessam pelo desenvolvimento e educação de crianças, possam aplicar o universo Montessori nos seus contextos familiares e/ou de trabalho, reflectindo sobre o seu papel fundamental no desenvolvimento harmonioso das crianças, criando um ambiente adaptado, construindo ou adquirindo materiais pedagógicos para cada faixa etária, e propondo às crianças actividades estimulantes e potenciadoras do seu bom desenvolvimento, observando-as e tendo em consideração os seus períodos sensíveis. 

Obrigada Happy Mom por esta oportunidade de partilhar a nossa história!


Sylvia, obrigada eu por partilhares connosco este teu percurso tão inspirador e que me faz acreditar que em Portugal é possível acreditar numa escola com pedagogias alternativas que permitam às nossas crianças desenvolverem-se ao seu ritmo, sem pressões desnecessárias e, acima de tudo, com tempo para brincar e para crescer sem terem demasiadas responsabilidades cedo demais...

Obrigada por me inspirares todos os dias neste caminho da parentalidade e de Montessori e por te identificares com o que partilho. Grata de coração!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que