Avançar para o conteúdo principal

Estarei preparada... Para ser um adulto preparado?

Dúvidas. Hesitações. Questões. Inseguranças. Quem nunca as teve, principalmente depois de embarcar neste mundo da parentalidade?

Não sou nenhuma super-mulher... Estou muito, muito afastada desse estado de heroína da Marvel, vestida de cores fortes e capa sobre ombros, capaz de enfrentar este mundo e o outro sem nunca desmanchar o penteado. Aparecem nuvens no horizonte que, às vezes,me fazem ter vontade de recuar. Não sou melhor do que ninguém mas tento olhar para copo sempre como estando meio cheio porque uma vida não se quer de vazios!

Falar de Montessori é ter presente três termos fundamentais: a criança (motivo primordial de tudo), ambiente preparado e adulto preparado. Estes dois últimos podem parecer assim algo mais pomposo mas, basicamente, correspondem aos locais (e à forma como eles se organizam) onde a criança está diariamente e aos cuidadores que com ela partilham os dias, podendo estes cuidadores os pais em casa ou adultos na escola.

Entrar no mundo de Montessori como mãe é, antes de mais nada, mudar mentalidades e fugir ao que sempre fomos ouvindo dos mais velhos ao longo da nossa vida sempre que o assunto eram crianças. "Não se pode fazer assim!", "Não pode brincar aí!", "Não pode ir brincar para a rua porque está a chover!", "Não pode apanhar folhas do chão!"... E tantas outras expressões que poderiam estar aqui dias a escrevê-las...

MAS QUEM É O ADULTO PREPARADO?

Lia por estes dias, num dos muitos blogs sobre Montessori que acompanho, que a principal mudança que acontece quando Montessori entra em nossas em casa é mudarmos enquanto pessoas. Nós, os adultos, que achamos que já nada mais pode mudar e que apenas serão as nossas crianças a transformar-se... Na página Montessori Child, o adulto preparado em Montessori é descrito como "The Montessori adult may not even know that they are one. It is my belief that being a Montessori adult, whether it is a parent or teacher, is not just about the books you have read or the courses you have completed. The most vital quality of a Montessori Adult is a fundamental, unwavering belief in the beauty and importance of childhood", devendo estar muito atento a pontos-chave como a infância, o indivíduo, os direitos da criança, as responsabilidades da criança e a importância do tempo (fonte: artigo The Montessori adult + the prepared environment = the Montessori child). O papel principal do adulto em Montessori passa por "estar presente na vida da criança, física, mental e emocionalmente para ajudar no seu desenvolvimento. O adulto, seja ele pai, membro da família, professor ou outro, deve estar totalmente preparado e educado para as necessidades da criança e o seu desenvolvimento. Os adultos/pais devem preparar-se para serem passivos quando a criança se encontra num momento de descoberta e activos num momento de verdadeira necessidade" (tradução a partir do artigo The role of the adult at Montessori de Tempe Montessori School).

Durante o seu processo de preparação, o adulto deve passar por quatro níveis: preparação física(saúde, alimentação, forma de estar), preparação intelectual (processo de pesquisa e de leitura para se preparar e compreender a ligação com os outros e com o mundo), preparação profissional e tornar-se guia Montessori (em que possui já um profundo conhecimento da mente absorvente, períodos sensíveis, tendências naturais e quatro planos do desenvolvimento).


Olhando para isto tudo... É aqui que surgem as minhas dúvidas... Terei a capacidade suficiente de apenas observar o meu filho e apenas intervir quando ele verdadeiramente necessita para o seu desenvolvimento? Serei capaz de fazer a ligação necessária ao ambiente (e torná-lo preparado) para que consiga aplicar Montessori no meu dia-a-dia? Precisarei de atravessar uma grande mudança interior para chegar lá e ser o adulto preparado?

Tantas questões, tantas interrogações... Mas a certeza de que Montessori faz sentido e pode fazer a diferença no crescimento do meu baby boy!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que