Avançar para o conteúdo principal

Coração de mãe não merece...

Poderia eu ter escolhido uma frase menos cliché como título deste post? Poder até poderia mas acho que esta é mesmo aquela que melhor caracteriza os meus sentimentos quanto à última semana...

A última semana, em termos de trabalho e de horários, foi a mais cansativa de sempre desde que regressei ao trabalho após a licença parental ter terminado. Acordar muito mais cedo ainda que as galinhas e galos das redondezas, não poder ir levar e buscar o baby boy à escola, tê-lo doente e achar que ficaram miminhos por dar, sentir que ficou atenção por dar ao homem da minha vida... Enfim, foi uma semana de muita correria (demasiada mesmo!) e que me deixou com coração pequenino por sentir que dei pouco aqueles que mais merecem. Fiquei com o coração pequenino por sentir que faltei quando eles precisaram e por sentir que não estive presente neste ou naquele momento em que o baby boy fez qualquer coisa de novo. E tive o dia que mais mexeu comigo em que saí antes do sol nascer, cheguei a casa já à hora de jantar e em que tive tão, mas tão pouco tempo para as brincadeiras e abraços do costume...

Sabem aqueles momentos em que ficamos com o estranho sentimento em falhamos como mães? Em que o sentimento da culpa nos pesa nos ombros e se sobrepõe a todos os outros que nos pudessem encher o coração de luz? Sim, coração de mãe não merece mesmo estas coisas...

Naquele dia mais longo da semana muito pensei em todas as mães e pais que não têm quaisquer alternativas a passar tanto tempo longe dos seus mais pequenos e senti-me afortunada pois, felizmente, estes dias longos em horas longe de casa não são o habitual nos meus dias de trabalho e vou conseguindo, quase todos os dias, levar e buscar o meu filho à escola. E ainda chegar a tempo de o levar ao parque antes de irmos para casa e preencher os seus finais de tarde com muita descoberta e brincadeira. Sei que sou uma afortunada e que me devo sentir grata por poder ter esta disponibilidade na grande maioria dos meus dias. Mas isso não afastou a dor do meu coração e as lágrimas dos meus olhos quando pude ver o meu filho já a brincar no recreio com os mais velhos. Vê-lo assim já tão crescido no final de uma semana em que senti que lhe faltei tanto fez-me quebrar e deixar fugir as lágrimas contidas de saudades do meu pequeno pirata.

Digam-me que estou a exagerar... Digam-me que não tenho razões para isto... Mas coração de mãe não merece... É por isso que, cada vez mais e sempre desde que decidi ser mãe, que a minha prioridade acima de tudo é a família que estou a construir a cada dia por é esse núcleo que merece toda a minha força, energia e pensamento positivo. Sem ele, sou muito mais pequena e fraca.

Porque não quero mais dias destes e não poder pegar na tua mão ao final do dia e levar-te a brincar no parque...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que