Avançar para o conteúdo principal

Porque a blogosfera é um mundo de partilha...

Muitas vezes, quando olhamos para a blogosfera, não vemos o verdadeiro alcance que ela pode ter no que toca ao networking. Numa das minhas leituras mais recentes, o livro "Ser blogger", a blogosfera é descrita como uma grande rede social feita da partilha de opiniões e de tendências sobre todo o tipo de assuntos. Habitualmente, quando falamos de redes sociais costumamos lembrar-nos logo de plataformas como o Facebook, o Instagram ou o Twitter, apenas para citar algumas, esquecendo esta grande rede de pessoas que têm na escrita um dos seus prazeres.

Por essa blogosfera fora, diversos são os blogs que prendem a minha atenção, acompanhando-os tanto através dos posts como através das partilhas que vão fazendo nas respectivas páginas do Facebook. Um dos que mais recentemente descobri foi o Top10Mom, da Erika Acosta Rodrigues, uma apaixonada por Montessori tal como eu. Recentemente,  ela partilhou com quem a segue que vai este mês fazer o Curso de Assistente Montessori que se irá realizar no Porto e de que já falei neste post escrito em conjunto com o Jardim da Descoberta. E pensei... Porque não desafiar a Top10Mom a responder a algumas perguntas breves, em jeito de entrevista no mundo virtual? Pois bem, de forma entusiasmada, a Erika aceitou logo o convite e aqui fica o resultado,  que espero que gostem tanto como eu! À Erika agradeço toda a disponibilidade e simpatia desde o primeiro momento!





1.     Quem é a Top10Mom? 

A Top10Mom sou eu! A Erika Acosta Rodrigues, uma venezuelana residente no Porto, que já morou em muitos países, muito tempo e conheceu ao seu marido em Angola e deu à luz um luso venezuelano, em Madrid que hoje tem quase 2 anos. Sou uma mãe imperfeita, que trabalha numa agencia de publicidade no Porto de dia e conta as horas para ir a creche a buscar ao Santiago. Estou constantemente tentando aprender e absorver o melhor dos outros e com o melhor de mim fazer algo que possa contribuir, com o meu blog Top10Mom, para melhorar um pouquinho o mundo.

2.     Ao ler o blog, percebemos que a pedagogia Montessori é algo que a interessa verdadeiramente. Como a descobriu?

Em boa verdade fui eu que fui descoberta pela pedagogia Montessori quando o meu afilhado começou a frequentar uma escola Montessori no Qatar. Fiquei curiosa e comecei a pesquisar, aumentei a minha biblioteca de textos escritos pela pedagoga e percebi logo, desde as primeiras páginas que ela sabia do que falava, que o seu olhar sobre a criança era de o respeito e amor pela individualidade de cada um deles. Identifiquei-me com o respeito pelas crianças e com a sua paixão em melhorar o mundo, pessoa a pessoa, o que acontece com todos nós que somos cativados pela sua visão de paz.

3.     E o que tem feito para conseguir aplicá-la do seu dia-a-dia?

O primeiro efeito que teve em mim foi a alteração de mentalidade sobre as crianças. Acredito que assim é que a mudança começa.

Aprendi que o tempo das crianças é especial, que as suas janelas de conhecimento abrem-se de uma forma mágica à frente aos nossos olhos e que nos permite olhar através dessa janela ou... escolher ligar a TV.

Aprendi que a autonomia e independência que eu própria gosto de sentir como mulher também uma criança gosta de sentir quando vai conquistando passo a passo o mundo que a rodeia logo desde os primeiros meses.
 

4. Em Montessori fala-se de adulto preparado e ambiente preparado, essenciais para proporcionar à criança todas as condições para se desenvolver ao seu ritmo. De que forma tem tentado construir o ambiente preparado em sua casa? Tem sugestões que nos possa dar?

Uma das coisas que mais aplico em casa, são os conceitos de “Vida Prática”. Devemos ter  muitas coisas ao alcance dos nossos filhos, à sua altura, à sua medida: os livros, os brinquedos que cumprem a metodologia Montessori, a learning tower feita em casa para aceder autonomamente a sítios mais altos; a alimentação deve ser iniciada com o método baby lead weaning evitando as papas de caixa, a escova de dentes à sua medida, a água em copos adaptados às suas mãozinhas pequeninas, etc.

Santiago tem o seu espaço onde tem os seus brinquedos, livros e luz natural.

Tento incorporar música como ambiente de fundo do trabalho em casa, a mesa e cadeiras à sua escala sem ser “infantis”, um quadro com giz para o menino pintar à vontade.

Confesso que estou atrasada em implementar um elemento muito importante: instalar o espelho à altura da sua cara para se poder pentear e escovar os dentes. “My fail”!

PD: Já instalei no fim de semana!

5. E como adulto preparado? Como se sente?

Sinto-me consciente. Acho que uma das coisas que temos que estar em geral na nossa vida diária é conscientes, presentes, disponíveis. Estou disponível para ele, estou informada de como funciona o seu cérebro em cada etapa do desenvolvimento, estou atenta às mudanças e necessidades próprias da sua idade e dos estímulos que está a receber. Muitas vezes imagino-me nos meus sapatos e com a altura que ele tem agora e assim consigo identificar as suas necessidades e que atividades posso propor-lhe em momentos específicos do dia. Também considero que ensinado pelo exemplo o meu marido vai tomando nota e aplicando a metodologia no seu trabalho de pai o que faz o trabalho em equipa mais gratificante.

6. Sabemos que nas questões da maternidade existem sempre muitas opiniões. O que diz quem a rodeia sobre a Top10Mom seguir esta pedagogia?

Há diferentes opiniões sempre, temos:

-       “Pedagogia Monte...que?”

-       Montessori? Ah sim... a cama no chão, né?

-       Montessori, super rígido e pouco flexível.

-        

Encontro sobretudo desconhecimento sobre a pedagogia, em boa verdade sobre todas as pedagogias e metodologias educativas. Algumas pessoas acham, errando gravemente, que se trata apenas de uma moda. Costumo começar a fazer de sugestões ou a falar de formas de fazer as coisas, sem dizer que é Montessori. Quando ficam entusiasmadas e curiosas (o que acaba sempre por acontecer) comento que essa é uma das técnicas Montessori para... e, normalmente querem saber mais. Então partilho algum titulo de um livro, falo dos cursos e recomendo sites. Acho que um dos objectivos de vida da Doutora Maria Montessori era que a sua pedagogia chegasse a mais crianças e adultos no mundo e por isso tenho como premissa que partilhando somos mais e melhores.

7. Sente que Portugal está preparado para ter mais escolas Montessori?

Acho que qualquer pais está preparado para ter escolas Montessori.! Acho que tanto o Ministério de Educação como as instituições educativas privadas deveriam virar-se mais para esta pedagogia. A Metodologia Montessori está longe de ser elitista ou para pessoas especiais, aliás a observação da Doutora Montessori começou com crianças carenciadas, com problemas mentais, nos bairros mais pobres de Roma.

Portugal está num ponto em que é precisa uma mudança de paradigmas ultrapassados, às vezes cheios de vícios, precisa de apostar na formação de quadros na área da edução.

Ao envolver mais pessoas, não só pais ou educadores, mas avós, tios, primos, funcionários da saúde que conheçam os princípios Montessori estaremos a semear mais respeito neste mundo.

Porque uma coisa que temos que lembrar como pais e como sociedade é que estamos a criar os cidadãos do futuro, não somente as crianças de hoje. Eu quero que o meu filho, os nosso filhos, sejam homens e mulheres de bem, capazes de tomar decisões acertadas, de discernir, discutir, com capacidade de oratória, com todas as ferramentas para poder decidir o que querem ser na vida, para além de serem felizes claro está!

8. Sei que Setembro será um mês desafiante no que toca a Montessori para si.. Recentemente, publicou um post em que disse que iria frequentar o Curso de Assistente Montessori. Quer falar-nos um pouco sobre este curso?

Vai ser desafiante, sim, mas emocionante também! Trabalho a tempo inteiro, mas este curso, felizmente é em horário pós-laboral. Estou ansiosa por começar, quase como se fosse uma gravidez. Entretanto, tenho-me preparado arduamente para estar o mais informada possível sobre os temas a tratar. Felizmente vou poder frequentá-lo aqui, na cidade de Porto. Lucky me!

Estou entusiasmada em aprender diretamente com a Associação Montessori Internacional sobre como funciona uma “Casa dei Bambini” na vida real, sobre como por em pratica o legado da Doutora Montessori em casa e numa instituição educativa.

Uma das ocupações extra será partilhar o conhecimento recebido a traves do meu blog.

9. E o que levou a inscrever-se?

Ser mãe! Dizem que quando se é mãe, é como se fosse mãe de todas as crianças do mundo. Isso achei quando tive ao meu primeiro filho. Nesse momento percebi que Montessori era a forma mais natural, alegre e respeitosa de ajudar uma criança a crescer sozinha. E essa é a minha grande motivação.

Outra coisa importante é que esta certificação internacional também me irá  permitir abrir um novo capitulo profissional na minha vida, neste caso na área educativa, sendo que estarei certificada para trabalhar em instituições Montessori a nível mundial.

São, sem dúvida, só aspectos positivos na balança!

10. Para finalizar, que conselhos deixa a quem está agora a conhecer o mundo de Montessori e quer educar os seus filhos segundo esta pedagogia?

LER tudo quanto puder sobre a metodologia, ver o filme Maria Montessori, para perceber a vida de esta mulher tão importante para a sociedade contemporânea, para as mulheres autónomas, para o progresso mundial.

Para aplicar Montessori em casa não é preciso comprar objectos caros e pôr a casa patas para o ar ao jeito de uma foto do Pinterest. O que é preciso é mudar por dentro, OBSERVAR as crianças (a sua e as dos outros), orientar sem dominar, sem impor, com regras e limites, mas deixando que as crianças nos guiem sempre. Ah... e muita paciência!


Obrigada por esta oportunidade Happy Mom! Tem sido um prazer responder a tua entrevista!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que