Avançar para o conteúdo principal

Sono dos bebés... Utopia e realidade

O sono dos bebés (e a nossa privação dele) é, de longe, um dos assuntos que mais nos preocupa desde que somos pais. Quanto mais não seja pela famosa pergunta que todos nos fazem assim que nos vêem: "Então já dorme a noite toda?".
Ora bem... Ainda a criança tem umas horas fora da nossa barriga e já todos querem que ela tenha os nossos horários e a nossa consciência do dia e da noite. A nossa memória não permite mas se conseguíssemos recuar até ao tempo em que éramos bebés rapidamente iríamos ver que levamos o nosso tempo até brindarmos os nossos pais com uma noite completa. A nossa sociedade está sempre a querer apressar as coisas e a querer reger-se dentro de dados limites e cânones aceites por todos (ou não seria ela uma sociedade...) mas nestas coisas de bebés rapidamente percebemos que não existem regras ou receitas infalíveis para o que quer que seja.
E é aqui que chegamos à minha sugestão de leitura... Tinha eu sido mãe há muito pouco tempo e uma amiga falou-me em alguns livros que tinha lido durante a gravidez, especificamente os da Constança Cordeiro Ferreira. Para os mais desatentos, a Constança é conhecida pela Fada dos Bebés pela sua capacidade em compreender estes pequenos seres humanos recém chegados ao nossos mundo e por ajudar a família a compreenderem melhor as suas necessidades e a ultrapassar as dificuldades dos primeiros tempos. A minha amiga recomendou-me o livro "Os bebés também querem dormir", não porque o meu filhote me estivesse a "dar água pela barba" mas sim porque me poderia ajudar nos primeiros tempos, principalmente o primeiro trimestre de vida. Para muitos, estes três primeiros meses de vida do bebé, também designados pro exterogestação, correspondem a um período de adaptação do bebé ao meio exterior e em que, muitas vezes, ele ainda pensa estar dentro da barriga da mãe. São três meses de adaptação também para os pais, em que todas as ajudas são bem vindas.
Li este livro já depois do meu filhote nascer mas gostaria de o ter lido ainda grávida. Desmistifica um conjunto de questões desde o nascimento a fase das famosas cólicas e explica-nos que não estamos sozinhas naquilo que estamos a passar enquanto casal e família. Milhares de casais já passaram pelas mesmas dificuldades e temos apenas de aprender a ouvir os nossos bebés. Não estou a falar de estarmos atentos ao seu choro ou a outros sons mas sim a ter a capacidade de compreender o que eles nos dizem mais profundamente.
Recomendo esta leitura a todos os futuros pais, de primeira viagem ou não. Tenham este livro por perto, anotado, com posts its. Marquem-no à vossa maneira e, acima de tudo, ouçam atentamente esse pequeno ser que têm diante de vós e que tanto tem para vos mostrar. Este livro não é uma receita infalível para se ser pai. Aliás, engane-se quem lê livros em busca de aprender a ser pai ou mãe. Mas que nos abre os horizontes para determinadoa aspectos isso sim. Torna-nos mais conscientes e despertos e isso é fundamental para viver a parentalidade de uma outra forma.
Boas leituras!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…