Avançar para o conteúdo principal

A música resolve tudo!

Vocês estão a ler o título deste post e a pensar... "Olha uma daquelas frases cliché!"... Pronto, pronto... Até pode ser mesmo uma frase cliché, mas o que é certo é que a música tem sobre todos nós o poder de nos fazer companhia nos bons e nos maus momentos. Ora vejamos: é à música mais mexida e alegre que recorremos quando queremos festejar algo, é a música mais lamechas do mundo que colocamos a tocar no jantar romântico com a nossa cara metade, é a música mais carregada de tristeza que nos acompanha nos momentos mais tristes... Nos mais diversos momentos da nossa vida, a música está lá.

Eu sou uma amante confessa dos mais diversos géneros músicas. Por exemplo, desde muito tenra idade que a música clássica entrou na minha vida, num mundo cor-de-rosa de tutus, e nunca mais me deixou. Ainda hoje, muitos são os CD de música clássica que existem lá por casa, principalmente os de Bach que adoro colocar a tocar quando preciso de inspiração para escrever. Nem todas as pessoas gostam de música da fase barroca mas comigo funciona muito bem. Depois, não consigo fazer desporto sem música! O iPod e as minhas playlists favoritas são os meus melhores companheiros nas minhas corridas e é a música que me dá a energia necessária para a aceleração final numa corrida. 

Em minha casa, a música também está sempre presente. E é claro que o baby boy teria que adquirir este gosto desde cedo, ou não estivessem os pais sempre a ouvir música (confesso que os canais de música são os mais escolhidos lá em casa quando a televisão está ligada). Já na escola haviam dado conta o gosto que ele tem pela música clássica (será genético?) e, em todas as actividades que envolvem música, é vê-lo dançar alegremente e com o maior sorriso no rosto! Temos lá por casa um maravilhoso xilofone da Plan Toys Portugal. E há uns dias até partilhei no Instagram o CD que comprei recentemente para ele na FNAC, carregado de músicas dos mais diversos compositores clássicos.


Mas como encarar a música aos olhos de Montessori?

success [in music education] is bound up with the need for the production of plenty of music around the child, so that there is set up an environment calculated to develop musical sense and intelligence

Maria Montessori, The Discovery of the Child

A música é, talvez, uma das linguagens mais universais. Mais um cliché mas é a mais pura das verdades! É um mundo que desperta a componente sensorial de uma forma especial. E é possível seguir uma educação musical seguindo os princípios criados por Maria Montessori, podendo mesmo dizer-se que a música funciona como "uma componente integral da filosofia de Montessori" (Fonte: National Association for Music Education, artigo "Music Education through Montessori lens"). Uma educação Montessori assenta, acima de tudo, em acreditar nas capacidades da criança e em ajudá-la a fazer sozinha. Olhando para as actividades musicais, cabe ao adulto preparado permitir que a criança consiga aprender com, através e sobre música, criando no ambiente preparado as condições adequadas para que isso aconteça. Uma forma de construir este ambiente preparado é disponibilizar à criança os instrumentos musicais, depois de lhe serem apresentados, e permitir-lhe a sua exploração sensorial e a sua descoberta. Esta disponibilização pode ser em cestos (podem ver as sugestões do post do blog How we Montessori cujo link está abaixo) ou em estantes abertas em que os instrumentos são colocados de forma visível, em pouca quantidade e em que se vai fazendo a rotação periódica dos instrumentos, permitindo à criança ir explorando diferentes sonoridades. Ao aplicar Montessori em casa, poderá criar-se um cantinho dedicado à música em que a exploração sensorial é feita em conjunto mas nunca sem que o adulto interfira no processo de descoberta da criança nem toque os instrumentos por ela. 

E quais são os benefícios da criação destes pequenos recantos musicais? O blog Montessori for everyone publicou uma lista de possíveis benefícios como, por exemplo, a concentração, o desenvolvimento da capacidade matemática de contagem e das capacidades auditivas, autodisciplina, cooperação e utilização da linguagem, capacidade de memorização, criatividade e coordenação motora (Fonte: Music in Montessori 1: What are the benefits?). E, no fundo, não são todas estas capacidades que pretendemos ver a criança adquirir, nos seus diversos períodos sensíveis? Parece que a música pode contribuir e muito para o ganho de autoconfiança, ainda que nem sempre possamos olhar para ela com verdadeiros olhos de ver. A música deve fazer parte do nosso dia-a-dia pois permite-nos encarar a realidade de outra forma e conseguir levar a aprendizagem mais longe. 

E vocês? Como encaram a música em vossas casas e na escola?


Para saber mais:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa