Avançar para o conteúdo principal

De como ser mãe nos muda a perpsectiva...

Acho que ao lerem este título, devem ter pensado logo: "Esta rapariga anda mesmo com falta de imaginação para os títulos!" ou "Olha a bela da frase cliché!". Sim, podem ser sinceros, atirar a primeira pedra ou dizerem-me que sou um ovo podre mas nem sempre os títulos tcharan me surgem assim facilmente... Podem dizer que é falta de jeito, que os neurónios foram de férias ou então culpem apenas o cansaço acumulado das últimas semanas... Happy Mom, aqui me confesso: a inspiração existe mas nem sempre brota por todos os poros! eheh



Ora bem, depois desta primeira divagação (ou chamem-lhe desabafo, se quiserem!), vamos lá falar de outras coisas... O título cliché que dei a este post não é ingénuo... Depois de ler a crónica "Mães, carreiras e dinheiro. Um puzzle lixado" no blog Crónicas da Maternidade, só me podia lembrar mesmo de um título assim! Já por estes dias tinha escrito sobre o efeito que a dificuldade em dizer não pode ter sobre nós e o de podermos ficar assoberbadas com 1001 tarefas para fazer... Quando partilhei o post na página do Facebook, até inventei um nome para um novo movimento, #maternidadeapassodecaracol, tudo a bem da nossa sanidade mental e por mais tempo de qualidade em família, por menos correrias e por menos foco em objectivos que em nada nos deixam realizadaos ou felizes. Dizer não em adultos é, talvez, das coisas mais difíceis que fazemos e a qual temos mais dificuldade em interiorizar. Ao ler do post da Patrícia do blog Crónicas da Maternidade só me fez ter ainda mais presente o dilema que mães e pais dos dias de hoje enfrentam: conciliar a carreira e a vontade de trabalhar que têm, a necessidade de trabalhar porque sonhos não chegam para pagar as contas que aterram na nossa caixa de correio todos os dias e ter todo o tempo do mundo disponível para a família que sonham e a forma como querem que ela seja todos os dias. De uma forma ou de outra, já todos chegámos à conclusão de que o trabalho interfere com o nosso tempo em família (e o inverso também acontece, ainda que nem sempre se olhe este problema desse prisma).

No início de 2015, e depois de um longo ano de muita pesquisa, estatística e investigação (e ainda faltavam uns mesitos para descobrir que ia começar a maior aventura da minha, vida ser mãe), defendia eu uma tese de mestrado exactamente sobre este tema: o conflito trabalho-família. Ainda que se ache sempre que este conflito existe e que todas as pessoas o vivem da mesma forma e no mesmo sentido, isso não é verdade. O conflito existe e tanto pode ser no sentido do trabalho sobre a família ou vice-versa. O nível de conflito depende sempre do nível de importância que cada pessoa dá a cada uma das áreas da sua vida e não existe uma receita infalível para impedir que esse conflito exista, seja a nível da própria pessoa e das suas estratégias em lidar com as dificuldades, seja a nível das empresas que possam desenvolver mecanismos que facilitem a vida familiar de que para elas trabalha. É um caminho que se constrói todos os dias, passo a passo e sem pressas, a bem de uma estrutura de apoio que seja sustentada e que dê verdadeiros frutos e que não seja apenas para fazer bonitos placards que se afixam num corredor de um qualquer local de trabalho. E, pasmem-se ou não, quando se fala de trabalho e de família, pode haver ainda a possibilidade do efeito de um no outro poder ser positivo e aí temos a situação do enriquecimento trabalho-família. Sem querer entrar por um caminho demasiado académico e enfadonho, viver o trabalho e a família é de cada indivíduo e nem todos encaramos estas realidades da mesma forma. Quantos casais não adiam de forma indefinida no tempo o momento de serem pais tudo a favor de terem a carreira de sonho para a qual tanto estudaram? Quantos casais se vêem em trabalhos precários que lhes dificultam a possibilidade de concretizarem o desejo de constituírem família e de terem a casa dos seus sonhos? Quantas empresas não aceitam novos colaboradores se eles referirem que têm filhos ou que tencionam vir a ter? Mas, por outro lado... Quantos chefes não são o céu na terra e que apoiam quem com eles trabalha em poderem estar presentes em todas as festas da escola e em todas as consultas? Quantas empresas não desenvolvem projectos em que é possível levar as crianças para o local de trabalho dos pais durante as férias e em que criam um conjunto de actividades para que elas possam estar divertidas? Quantas empresas não possuem creches nas suas instalações potenciando a proximidade dos pais aos mais pequenos na fase inicial das suas vidas?

O nosso mundo não é perfeito e é preciso ter uma fonte de rendimento que nos dê a estabilidade necessária para darmos aos nossos aquilo que sempre desejámos e termos o conforto mental de sabermos que podemos fazer frente a qualquer situação que apareça de surpresa. Ser mãe e pai nos dias de hoje não é nada fácil. Mas cabe-nos a nós dar a volta e tentar fazer frente a esse leão que é a competitividade no local de trabalho, sem ganhar rugas nem cabelos brancos, nem muito menos desesperar! 

Porque eu quero acreditar, todos os dias, que é possível ter o que desejamos vivendo mais lentamente!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa