Avançar para o conteúdo principal

Como outras pessoas nos fazem pensar... o que é ser bem sucedida?

Li ontem num post da Claúdia Gonçalves Ganhão na sua página do Facebook uma partilha sobre como ter mais sucesso no trabalho do blog Miss Kale. E isto deixou-me a pensar... No post pode ler-se, logo no título, que existem formas de ter mais sucesso sem que isso tenha de implicar trabalhar mais. 

Bem... Aqui começa logo a dar que pensar (e um título bem escrito de um post deve ser mesmo assim!)... Na maior parte das vezes em Portugal associamos o ter sucesso a uma componente material, ausente de um significado mais profundo mas que as pessoas valorizam em demasia. Espera que ter sucesso seja quantificável pela remuneração e as recompensas recebidas no trabalho, sem que isso obrigatoriamente signifique que estamos mais identificados com o trabalho que desenvolvemos ou que sintamos que aquela será a nossa organização para sempre. A necessidade de ter sucesso é intrínseca no homem na sua necessidade de ser reconhecido pelos demais. É importante saberem quem somos e associarem-nos à imagem de fazermos bem feito. Gostamos que nos reconheçam e não é à toa que muitos buscam os seus quinze minutos de fama... Mas ter o melhor carro, a maior remuneração e os maiores prémios será mesmo ser bem sucedido? É assim que se quantifica o sucesso?

Infelizmente, nem sempre os mais bem sucedidos são os mais bem amados... É uma verdade... Muitas vezes, para chegar longe, há quem sacrifique os seus valores e a sua forma de estar apenas para poder ser colocado numa posição de destaque, alcançada não da melhor forma, e que deixa todos os outros desconfortáveis e a olhar de forma diferente. Como a Miss Kale refere no seu post, um dos primeiros passos para se ser bem sucedido passa exactamente por reformular como olhamos para o sucesso. Temos a obrigação, enquanto seres humanos, para deixar de olhar para o sucesso como obrigatoriamente associado a recompensas que são visíveis aos demais, quase como que em jeito de ostentação. O sucesso, primeiro que tudo o resto, deve ser sentido por nós próprios, no nosso interior, e, principalmente, sermos capazes de deitar a cabeça na almofada com um sentimento de realização e de serenidade. Devemos esquecer egos e necessidade de afirmação e olhar para o que vai dentro de nós e perguntar: no final do meu dia e em todos os campos da minha vida, tenho sucesso?

Quem se dedica às questões da psicologia e dos recursos humanos, entende que a motivação não pode ser meramente extrínseca, vir de fora de nós, como acontece com os prémios mascarados de cenouras que colocam diante de nós para sermos bem sucedidos. Antes de mais nada, a motivação deve vir de dentro de nós, emergir em todos os momentos com autenticidade e permitindo-nos ir mais longe apenas e tão somente porque isso nos vai fazer sentir bem. Deve ser intrínseco. Se, no meio disto tudo, tivermos a sorte de quem está ao nosso lado também achar que somos bem sucedidos, melhor! Mas o foco nunca deve ser primeiro nos outros e por último em nós para que não nos tornemos escravos inconscientemente.

Sabem o que é para mim o sucesso? Sentir-me bem todos os dias, quando desligo o computador no trabalho, sabendo que dei o melhor de mim em todas as tarefas. Os colegas de trabalho passarem por mim e cumprimentarem-me com um sorriso. É chegar todos os dias à escola do meu filho e ele receber-me de braços abertos. É ver o meu marido abraçar um projecto meu como se fosse dele porque sabe o quanto entrego de mim em tudo o que faço. Ter sucesso é ter os meus pais ao meu lado em todos os momentos e ver estampado no rosto deles as lágrimas de felicidade por verem que educaram bem aquela menina tímida que trouxeram ao mundo. Ter sucesso é muito mais do que algo material. Ter sucesso é ter a serenidade e a resiliência necessárias para deitar a cabeça na almofada, todas noites, de bem comigo e de bem com os outros. E, mais importante do que tudo, ter sucesso é saber que estou a conseguir caminhar lado a lado com o meu filho no seu crescimento e proporcionar-lhe uma infância fora de portas, carregada de momentos felizes. Ter sucesso é ver os olhos dele sorrirem de forma rasgada. E isso basta-me!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa