Avançar para o conteúdo principal

Não é connosco... mas podia ser...

Esta foto de Paulo Cunha (Agência Lusa) é, provavelmente, uma das que mais foi partilhada nos últimos dias e aquela que mais mexeu comigo. Dante e o seu inferno regressou novamente a este cantinho à beira mar plantado e voltámos a reviver a angústia e o crescer do número de vidas interrompidas cedo demais por causa dos incêndios. Quatro meses após Pedrógão Grande, a tragédia que pensámos nunca acontecer, a realidade veio mostrar-nos que, para além de poder acontecer, ela pode voltar a repetir-se e a mudar a vida de tantas pessoas num abrir e fechar de olhos.

Lia por estes dias que o pinhal de Leiria, que todos recordamos de ouvir falar nos bancos de escola por Dom Dinis, o nosso rei poeta, ter mandado plantá-los, perdeu cerca de 80% da sua extensão. Como é possível acontecerem situações destas? Como é possível perdermos tanto, ao nível de vidas humanas e de recursos naturais (já sem pensar nos recursos materiais que também se perderam)?

Esta fotografia de Paulo Cunha mexeu comigo... Porque retrata a impotência de um país, o cansaço, o desgaste físico e mental, a incapacidade de fazer frente a um monstro que nos entram portas adentro... Aconteceu aos outros mas podia ser connosco.

Apesar de este blog ser mais de partilhas sobre a minha aventura enquanto mãe, é impossível não escrever sobre o assunto quando se vê o desespero de tantos país e de tantas mães por não saberem dos seus filhos ou de como será o dia de amanhã. Portugália não pode indefinidamente desinvestir num dos seus principais recursos naturais que é a floresta (tão reduzida agora). Não pode permitir que tantas vidas terminem e que falte tanta ajuda quando o fogo anda perto. Mais do que atribuir culpas a este ou aquele ministro, há que apostar na formação e profissionalização dos nossos soldados da paz. Temos forças armadas que vão para o terreno quando são chamadas a isso (para os mais desconhecedores, os militares não podem chegar ao teatro de operações de um incêndio apenas porque lhes apetece. Tem de haver uma acção concertada e um pedido formal para que esse auxílio seja prestado. E acreditem que muitos são os militares que estão de prontidão todos os dias para irem ajudar onde seja mais preciso. Basta que alguém os queira lá...). Mas olhemos para este no bombeiro e para o sentimento é impotência que ele partilha connosco... Há que apostar em torná-los profissionais e capacitá-los com outras competências e meios que, por serem voluntários, não conseguem ter. Há que proporcionar-lhe as condições para fazerem o seu trabalho e dar-lhes mais probabilidades de voltarem a casa ao final do dia. Enquanto a maior parte dos nossos bombeiros forem apenas voluntários e estivermos dependentes da boa vontade das populações que contribuem para o quartel de bombeiros da sua localidade tenham uma nova ambulância, não vos chegar a lado nenhum.

Apostemos nestes nossos soldados da paz... Para que o Paulo Cunha não tenha de retratar mais nenhum momento de desespero lido na linguagem corporal de um bombeiro...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa