Avançar para o conteúdo principal

A dificuldade em dizer não...

Uma amiga partilhou ontem uma imagem no Facebook que me deixou a pensar... Não sei dizer qual era a fonte mas dizia algo do género: passamos o dia inteiro no trabalho a tentarmos ser as melhores do mundo e levamos o tempo em casa a tentarmos ser as melhores mães do mundo (juntaria aqui também a parte de sermos as melhores na relação com o pai dos nossos filhos). E depois das quatro últimas semanas que tive, isto deixou-me a pensar...

Já escrevi por aqui há coisa de uns dias que tinha tido, pela primeira vez, o sentimento de estar a perder algo do dia do meu baby boy. Com três semanas a ter um dia bastante preenchido e a não poder levá-lo e ir buscá-lo à escola todos os dias (como sempre fiz, juntamente com o pai, desde que foi para a creche há dez meses), o sentimento de ter de abrandar começou a estar dentro do meu peito, de uma forma como nunca tinha estado. Ou pelo menos, de uma forma tão consciente como por estes dias. Desde que fui mãe,  que assumi que não traria trabalho para casa e que o tempo em casa seria dedicado a gozar o tempo em família,  de qualidade, permitindo todas as brincadeiras e gargalhadas possíveis ao meu filhote. Foi um compromisso que assumi mas que confesso não ser nada fácil que isto de trabalhar e estar a terminar um doutoramento ao mesmo tempo tem muito que se lhe diga, como devem imaginar... A exigência de investigar ao nível de doutoramento (junto com o meu defeito - ou feitio! - de ser extremamente exigente e perfeccionista comigo) leva-me a dar tudo por tudo fora de casa e, felizmente, apenas tive de dedicar uns dois dias de fim-de-semana a este projecto depois do bebé nascer. Não é fácil, sai-nos do pêlo como se costuma dizer, mas quero acreditar que é por um bom motivo.

Por isso, o que li faz todo o sentido... Quantas de nós não nos sacrificamos todos os dias para conseguir dar resposta a tudo aquilo que temos para fazer, desde a nossa família e casa, às tarefas e responsabilidades do trabalho, passando pela parte de cuidar de nós e fazermos aquele desporto de que tanto gostamos e encaixar também os momentos com os amigos que também fazem falta. Num mundo que gira a uma velocidsde alucinante, nem sempre se consegue dizer não.  E acho que é essa incapacidade inerente a muitos de nós que depois nos leva a ficarmos com um sentimento de impotência ou de que somos menos capazes e piores pais que aquele casal espectacular e sempre bem disposto com que nos cruzamos quando vamos levar os nossos filhos à escola. A capacidade de dizer não , que fui ganhando desde que fui mãe,  é a que me permite chegar a casa e conseguir dar a atenção que quero dar à família que vou construindo todos os dias. Porque eles precisam de mim, serena e tranquila, e com força para o que der e vier.

Não é justo que uma sociedade deseje ver, em cada mulher, uma wonderwoman da Marvel, com a sua força sobrehumana de dar resposta a tudo e a todos! Não somos mulheres polvo com mil e um tentáculos,  ainda que muitas vezes cheguemos a dar essa impressão. A pressão que a sociedade de hoje coloca sobre os ombros das mulberes, que têm de ser profissionais de topo e mães e mulheres à antiga (como se passassem todo o dia em casa como fizeram as nossas avós ), acarreta muita carga negativa e pode trazer muitos problemas quando não formos capazes de dizer não ou de pedir mais tempo para aquilo que precisamos de fazer, nem que seja descansaf no sofá apenas porque sim.

Por aqui,  o esforço em dizer não e aprender a andar a uma velocidade mais baixa está presente todos os dias. E é por isso que termos como o slow parenting me fazem tanto sentido: não sobrecarregar os mais pequenos com agendas e mil e uma actividades retirando-lhes aquilo que lhes deve ser mais precioso quando são mais pequenos, que é a brincadeira! Acho que qualquer diz ainda lanço o movimento #maternidadeapassodecaracol... Para que todas possamos desfrutar mais desta nossa condição sem estarmos a correr uma maratona olímpica a contar para record do mundo!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa