Avançar para o conteúdo principal

Está grávida... Já marcou consulta com o pediatra?

Não,  não me enganei na especialidade médica no título do post. Durante toda a gravidez, o foco de qualquer mãe é,  e muito bem, na sua saúde e em tudo o que se pode fazer para garantir que a gravidez decorre da melhor forma e que o desenvolvimento do bebé decorre dentro da normalidade. No entanto, existe uma outra especiaidade que, a par da Ginecologia e Obstetrícia, nos irá acompanhar durante todo o pós-parto e o que se lhe segue. E estou a falar da Pediatria. 

Os nossos bebés, depois de abandonarem o conforto da nossa barriga,  necessitam de um acompanhamento especializado que nos permita garantir que o seu desenvolvimento decorre de forma tranquila e que lhes é dado o melhor apoio em qualquer eventualidade. Para isso, os pais podem optar por uma de duas vias para este acompanhamento especializado: fazer o seguimento num médico de família disponível nas Unidades de Saúde Familiar (os tradicionais Centros de Saúde ) ou escolher um médico especialista em criancas, ou seja, um pediatra. Qualquer uma das opções é igualmente válida e adequada e existem mesmo casais que optam por ter os dois acompanhamentos em simultâneo. Nesta, como em tantas outras decisões referentes aos nossos filhos, não existe uma forma infalível que deve ser seguida por todos os pais. Existe sim a opção perfeita e que faz sentido a cada casal e que deve ser analisada em conjunto, pesando os prós e os contras de cada uma das formas de acompanhamento, tendo em conta, por exemplo, custos associados às consultas, proximidade do local da consulta ou facilidade de contacto com o profissional de saúde para qualquer pequena emergência ou dúvida. Outro factor que pode também ser determinante, caso seja a vossa opção, será a posição do profissional de saúde quanto à amamentação. Ainda que a Organização Mundial de Saúde e a nossa própria Direcção Geral de Saúde indiquem, nas suas orientações, que a amamentação deve ser feita em exclusivo até aos 6 meses e, a par da alimentação complementar, até aos dois anos, nem todos os profissionais de saúde apoiam de igual forma a amamentação, podendo levar muitas mães a desistirem de amamentar mais cedo do que desejariam. 

Por estas e muitas outras questões,  e sendo a vossa opção fazer o acompanhamento com um pediatra, será uma boa ideia marcarem uma consulta ainda grávidas para tentarem perceber se o profissional de saúde por que estão a optar se enquadra naquilo que estão a idealizar para o vosso bebé.  Será uma óptima oportunidade para compreenderem a disponibilidade e a abertura para determinadas questões como a amamentação e alimentação complementar.  Será também importante para perceberem a sua opinião quanto à vacinação extra Plano Nacional de Vacinação ou administração de suplementos/medicamentos aos bebés.  Nos primeiros tempos de vida do vosso bebé,  é fundamental que sintam empatia com o médico que o acompanha, que se sintam compreendidos enquanto pais e que sintam que aquela pessoa está ali para vos ouvir, esclarecer, orientar e disponível quando mais for preciso.

É por isso que lhe pergunto... Está grávida,  já marcou consulta com o pediatra?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…