Avançar para o conteúdo principal

A visita mais importante da grávida: Conhecer a maternidade


Quando estava grávida, lembro-me que uma das coisas que mais me preocupava era o local onde iria ser o parto. Não propriamente por achar que a equipa médica que me iria acompanhar não estaria à altura, mas por toda a novidade e pelos receios normais de uma mãe de primeira viagem. No curso de preparação para o parto que frequentei, uma das sugestões dada pelas enfermeiras foi de marcar uma visita ao local (ou locais) que estávamos a considerar como possibilidade para o parto. E assim foi!

A nossa opção foi um hospital privado mas o mesmo pode ser feito em hospitais públicos. Começámos por ver, considerando a viagem até à maternidade quando o trabalho de parto se iniciasse, qual o local onde teríamos menor probabilidade de apanhar trânsito. Felizmente (ou infelizmente...), nas nossas cidades conseguimos mais ou menos prever, consoante a hora do dia, quais os locais onde haverá maior concentração de trânsito pelo que isto seria algo fácil de fazer. Depois disto, chegou a hora de marcar a visita à maternidade e ver as instalações onde iríamos ficar num dia tão importante das nossas vidas. Todas as páginas dos hospitais privados com maternidade possuem uma área destinada à marcação destas visitas pelo que será fácil fazerem o mesmo.

Confesso que quando chegou o dia da visita, tinha algum frio na barriga... Penso que estava a ganhar uma consciência diferente de que o dia estava cada vez próximo e os receios estavam cada vez mais à espreita. E a visita foi mesmo marcante... Olhar pela primeira vez para uma sala de partos e imaginar o que me aguardava deixou-me algo nervosa. Despertou-me a consciência de que poderia ser naquela sala que iria ver o meu bebé pela primeira, onde ouviria o seu choro pela primeira vez e onde nasceria como mãe. Fora todo este terramoto de sentimentos, a visita à maternidade é sempre muito útil. Primeiro, porque nos permite compreender se é mesmo naquele local que pretendemos que o nosso bebé nasça. Segundo, porque nos permite esclarecer algumas dúvidas práticas com a enfermeira que nos acompanha: coisas importantes a levar para a maternidade, tempo normal de internamento, percurso que seguimos desde a admissão até à sala de partos, se é possível entregar plano de parto (falarei deste plano em maior detalhe num outro post), se é possível que o médico que nos acompanha durante a gravidez fazer o nosso parto (caso não seja da maternidade que estamos a escolher), horário das visitas ou se o pai pode estar presente no parto (no caso de cesariana e apesar da legislação que saiu, existem ainda locais em que o pai não pode estar presente), apenas para mencionar algumas dúvidas. E, terceiro, acima de tudo tranquilizar-nos pois vemos com os nossos olhos todas as instalações antes de chegarmos às urgências assoberbadas pelas contracções e ansiosas pela epidural.

Recomendo a todas as mamãs, principalmente as de primeira viagem, esta visita. E façam-na, se possível, como casal. Pois pode haver dúvidas que não vos ocorrem e terão lá o futuro pai que poderá ter menos nervos à flor da pele! E porque é importante também o envolvimento dele em todo o processo... Afinal de contas, é um bebé que aí vem a caminho!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…