Avançar para o conteúdo principal

Apareceu uma risquinha rosa... E agora?

A risquinha cor-de-rosa. Aquela que ansiamos que apareça no visor ou, sejamos realistas, temos pânico de a ver pois a última coisa que desejamos naquele momento é ter um bebé a caminho. Sim... Nem todas as gravidezes têm o seu início de forma consciente,  planeada a dois e cheia de planos para o futuro. Existem mulheres para quem dar a notícia de uma gravidez ao companheiro pode significar o fim daquela relação... E nem sempre pensamos nesse momento como ausente de felicidade.

Por aqui, a gravidez foi planeada e muito desejada. Houve lugar a consulta pré-natal para discutir dúvidas e fazer os exames de rotina necessários. Sim, porque a nossa saúde ginecológica determina como tudo irá decorrer antes e durante a gravidez. Este deve ser um ponto importante para todas nós desde muito cedo. Desde a primeira menstruação que deveremos passar a olhar para este sistema tão importante de uma outra forma e a dar-lhe o carinho que ele merece. Quem nunca teve uma amiga a quem o período aparecia muito esporadicamente e, anos mais tarde, veio a ter dificuldades em conseguir engravidar? Os ciclos não são iguais em todas as mulheres mas isso não significa que sejam inexistentes.  Estejam atentas aos sinais do vosso corpo. Ele é sábio a alertar quando alguma coisa não está bem...

Depois surgiram as primeiras suspeitas. Os primeiros receios vividos a dois. E o dia de fazer o teste que viria a mudar a minha vida. A tomada de consciência de que deixaríamos de ser apenas dois para passarmos a três. Confesso que não queria acreditar no teste positivo que tinha diante de mim. O receio de que fosse um falso positivo e estivesse a criar falsas expectativas que poderiam cair por terra daí a uns dias fizeram com que eu me mantivesse racional nesta fase de tanta turbulência nas emoções. Mas não havia mesmo como negar o que estava a acontecer... Havia dentro de mim um pequeno ser que estava a crescer. Um pequeno ser que viria fazer com que eu passasse a ver o mundo de uma outra forma (que cliché, não é verdade?). E não poderia estar mais feliz!

Quem aí desse lado esteja a passar por um momento assim... Tenham calma e desfrutem do bom que é ver uma risquinha rosa surgir num visor. Pensem que irão poder dar o melhor de vocês ao pequeno ser que estão a gerar aí dentro da vossa barriga. Pensem que não é por serem mães que irão deixar de fazer as coisas de que mais gostam... É que certo que todas as vossas rotinas se irão alterar mas não é o fim-de-mundo. Apenas estão a alguns meses de nascerem como mães e de aprenderem a gerir toda uma nova realidade. Os primeiros tempos não serão fáceis, não vale a pena dourar a pílula. Mas tenham sempre presente que a recompensa será sempre maior que os momentos em que as vossas lágrimas possam cair pela vossa cara. Vivam intensamente cada dia destes nove meses... Vai valer a pena!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data. 
Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu?

Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento com cerimón…

Ambiente preparado e Ikea... O quarto dos mais pequenos

Propositadamente, quando escrevi o primeiro post sobre ambiente preparado e Ikea que podem ler aqui, não comecei por escrever sobre o quarto dos mais pequenos. Nos vários grupos de mães que vou acompanhando no Facebook (que não específicos sobre Montessori), a primeira questão que a maioria coloca é onde encontrar a famosa cama casinha para se construir um quarto montessoriano. E é aqui que, talvez, começa por se ter a abordagem menos adequada a Montessori e a aplicarmos esta pedagogia em nossas casas. Primeiro, convém desmistificar que uma cama em forma de casa, ainda que esteja à altura do chão e permita à criança entrar e sair livremente, não é fielmente Montessori. Trata-se de um modelo de cama de inspiração nórdica e que, por acaso, também tem o colchão perto do chão. Está na moda e muitas marcas vendem-se como sendo Montessori mas convém ter presente que este método se caracteriza, acima de tudo, por uma enorme simplicidade na forma como se prepara ao ambiente para a criança. N…

Ambiente preparado e Ikea...Porque não?

Na semana passada publiquei um breve post em que dava algumas sugestões para os quartos dos mais pequenos a partir de peças do Ikea e da Vertbaudet. Numa manhã a caminho do trabalho, fui presenteada com o novo catálogo dessa catedral de decoração que é o Ikea e lancei uma pergunta na página do Facebook que foi muito bem recebida. E que pergunta era essa? Gostariam de ver um post em que juntasse Montessori e o novo catálogo que recebi?  Dada a curiosidade com esta minha ideia, aqui estou eu a colocá-la em prática...
Mas primeiro vamos ver o que é o ambiente preparado pois afinal de contas é esse o título deste post, não é verdade? Para quem conhece a pedagogia Montessori,  o ambiente preparado surge como uma parte fundamental desta pedagogia: o ambiente deverá estar adequado à criança,  seja pela sua idade ou tamanho, e as seus interesses, ao mesmo tempo que promove a sua autonomia, permitindo que se desenvolva ao seu ritmo e sem pressões ou interferência dos adultos.
Apesar de não s…