Avançar para o conteúdo principal

Super Nanny: o programa da semana (infelizmente!)

Estive a pensar se escrevia ou não sobre este assunto (há tantos posts já por essa blogosfera fora!) mas não consigo mesmo ficar indiferente aquele que, eu diria, é o programa da semana e pelos piores motivos... Falo do Super Nanny que estreou na SIC no passado domingo.

Neste programa, em cada semana, será focada uma família e os problemas que as suas crianças estejam a ter, havendo uma psicóloga de serviço disponível para resolver todos esses problemas. Bem... Antes mais, gostaria de deixar aqui bem claro o seguinte: conheço e tenho várias amigas psicólogas, muitas delas da área clínica, e admiro bastante o seu trabalho, a forma como conseguem ajudar diversas pessoas nos seus problemas. Sem estes profissionais, muitas pessoas não conseguiram ultrapassar os seus dias e devemos agradecer-lhes por existirem e por se dedicarem a ouvir e a capacitar quem mais precisa a dar a volta às suas dificuldades. Portanto, este post não tem nada de contra os psicólogos em geral... Apenas contra a profissional que dá a cara neste programa por uma classe inteira de profissionais e que, infelizmente, irá manchar a imagem dos psicólogos juntos da população em geral. Espero que assim não seja... A postura desta psicóloga está muito longe de ser a mais correcta (e mais profissional, a meu ver) e sinal disso é a postura que o Conselho Jurisdicional da Ordem dos Psicólogos já tomou indo analisar um conjunto de queixas que já foi apresentado contra esta psicóloga. 

Fiz questão de assistir a este primeiro episódio (porque apenas gosto de falar daquilo que sei e daquilo que já vi) e apenas vos digo que fiquei triste... Muito triste por ver ressuscitar os bancos do castigo que tanto eram utilizados no passado (sugiro-vos também a ler o post da No colo da mãe sobre este programa, intitulado "A palmada na hora certa"). Muito triste de ver serem usadas recompensas e castigos para "levar a água ao moinho" (sobre recompensas e castigo, recupero aqui um post que já escrevi sobre o assunto com inspiração Montessori: "Dar uma prenda, sentar a um canto... Queremos condicionar as crianças tipo Pavlov?". Sobre recompensas, castigos e Montessori sugiro ainda a leitura do post "Prémios e castigos" do Jardim da Descoberta). Mas mais triste ainda pela exposição a que esta (e outras crianças) são expostas no programa, sem dar qualquer importância à sua privacidade e sem as proteger dos comentários maldosos que irão ouvir de todos na rua e na escola depois do programa passar na televisão. A privacidade e o respeito pela criança é fundamental em todos os momentos (será que os produtores do programa conhecem a declaração universal dos direitos da criança?!) e, felizmente, já algo está a ser feito depois da transmissão do primeiro episódio do programa: a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens refere que o programa pode estar a violar direitos fundamentais das crianças, especificamente os da imagem, reserva da vida privada e intimidade. Não tenho absolutamente nada contra as famílias que procura ajuda, seja de psicólogos ou de psiquiatras, quando sentem que já conseguem sozinhas. Aliás, dou os parabéns a essas famílias por reconhecerem as suas fraquezas, darem um passo em frente e conseguirem expô-las dentro das quatro paredes de um consultório (como muitos dos casos descritos por Pedro Stretch no seu livro "Parentalidade Positiva" e de que falei no post de ontem). Mas é apenas dentro dessas quatro paredes que essas fragilidades devem ser expostas, faladas e resolvidas e nunca diante a população de um país inteiro...

Fico triste que 1000€ (diz que é essa a quantia que os pais recebem pela participação no programa...) justifique uma exposição tão cruel das fragilidades de uma família, sem se focarem os verdadeiros problemas e se resolver efectivamente aquilo que existe para resolver. Espero que as consequências não sejam demasiado graves para estas crianças...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que