Avançar para o conteúdo principal

Quando a cabeça não tem juízo...


Sim, é verdade.. Começo a escrever com o início de uma frase mais do que conhecida por todos e que virou quase cliché. O corpo paga tudo aquilo que fazemos. Para o bem e para o mal. É o único que temos (como ouvi num destes dias a Filipa Gomes dizer no seu programa Filipa Gomes Cozinha com Twist) e devemos cuidar dele todos os dias. Seja através da alimentação, seja através da prática de desporto, seja através de o ouvirmos quando ele dá sinal de que precisamos de abrandar. 

No Verão escrevia eu sobre o facto de todos nós termos o nosso momento wake up e de como ele nos pode mudar para sempre. Não só quando somos pais e a realidade muda para nós e passamos a ver tudo de uma nova perspectiva e de como nada pode ser tido como certo. Esses momentos devem servir para reduzirmos a velocidade e olharmos mais para nós e para aquilo que precisamos. Nem sempre, na meio da azáfama do dia-a-dia, conseguimos dizer todos os "não!" que são precisos para que não andemos assoberbados de trabalho. Essa capacidade não é intrínseca à maior parte das pessoas, eu incluída...

A Happy Mom descomplicada que aqui vos escreve é daquela de dar mais de 100% em tudo aquilo em que se envolve: relação, família, trabalho, amizade. Apenas não dou mais mesmo se não conseguir... Mas essa superação constante acaba por ter os seus efeitos... E o corpo é que paga... Começo este ano de 2018 a precisar de abrandar para que o corpo não pague demais. Para que me consiga continuar a dedicar a tudo de corpo e alma. Para um 2018 carregado de serenidade e de bons momentos. Para que todos os dias deste ano sejam descomplicados, tranquilos e de tempo de qualidade em família. 

Se estou a fazer o meu Happiness Project 2018 criado pela The Officinalis? Não propriamente... Tenho acompanhado algumas pessoas via Instagram que estão a fazer este projecto (espreitem, por exemplo, a conta amorosa da Eliane que vai partilhando a evolução do seu Happiness Project em fotos) e tenho achado interessante. E acabo por chegar à conclusão que iniciei 2018 a fazer algo do género, mais ou menos conscientemente, e que já se vinha a impor há algum tempo. Um sinal disso é a alteração da imagem aqui no blog: tem mais de mim... Irei também partilhar mais divagações neste ano tendo sempre o meu baby boy como principalmente protagonista. 

Porque quero que a minha "aldeia" seja exactamente: serena onde quem chega pode tomar um galão bem quentinho de aquecer a alma e o coração e em que se possa falar de tudo e de nada... Sem pressas. Com os olhos sempre postos no horizonte e no que de bom ele tem para nós!

Comentários

  1. Às vezes é preciso abrandar e priorizar, ou pelo menos reorganizar. Por aqui também 2018 começou em stand-by e com saudades da correria diária!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos alturas em que tem mesmo de ser... O médico disse mesmo que era preciso abrandar... Bom 2018!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que