Avançar para o conteúdo principal

Parentalidade positiva: Para reflectir e aplicar!

Quem acompanha a Happy Mom descomplicada no Facebook ou no Instagram já se deve ter dado conta de que adoro ler! Muitas são as sugestões de livros que adoro e que vou partilhando convosco na minha resolução de 2018 para o blog (pesquisem pela tag #umlivropordiaem2018). E muitos são os livros que tenho por aqui em lista de espera para serem devorados (à velocidade que é permitida por lei para a uma mãe de um pequeno baby boy de 20 meses...)! 

Hoje venho escrever-vos sobre o último livro que li, "Parentalidade positiva. Pais optimistas, filhos felizes" de Pedro Stretch, editado pela Verso de Kapa. Este deve ser um dos primeiros livros sobre parentalidade que comprei principalmente pelo autor e pelo título... Pais optimistas, filhos felizes é, definitivamente, o céu na terra para qualquer mãe e pai. Queremos casas serenas em que as crianças brinquem e em que tudo corra bem (agora, assim de repente e vá-se lá saber porquê, lembrei-me do programa Super Nanny da SIC... mas isso será assunto para outro post...). E queremos, acima de tudo, pais que tenham uma postura positiva face às dificuldades que vão surgir no dia-a-dia. Sim, porque na vida real não existem crianças de filme, sempre com a roupa imaculada e sempre muito bem-comportadas. As crianças sujam-se. As crianças andam a correr pela casa toda. As crianças deixam os brinquedos desarrumados. As crianças não querem comer o jantar... Mas cabe-nos a nós gerir essas situações e ensinar-lhes quais os comportamentos correctos em cada situação. 


Este livro aborda os mais diferentes temas em parentalidade positiva (para saber mais sobre parentalidade positiva vejam, por exemplo, a página Positive parenting de Debbie Godfrey), desde como podemos relativizar os problemas do dia-a-dia, passando pela construção da autoestima, a gestão do tempo no dia-a-dia ou passar da dependência à autonomia, e terminando com a gestão da separação e do divórcio, trauma na infância e a morte. Mas afinal o que é isto de parentalidade positiva? Debbie Godfrey, com mais de 20 anos de experiência no trabalho com crianças e pais, vê a parentalidade positiva como:
Positive parenting is for parents that want to discipline their kids without breaking their spirit. (...) Positive parenting focuses on teaching children not just what but also why. Positive parenting means training children toward self-control.
Pedro Stretch vai descrevendo alguns dos casos que teve em consulta para melhor retratar com exemplos reais cada uma das situações que podemos ter de enfrentar e deixa-nos as suas orientações de profissional. Este livro, mais do que o guia mágico da parentalidade positiva, serve-nos para reflectirmos sobre a nossa forma de estar e a nossa forma de sermos pais nos dias de hoje. Toca, muitas vezes, na ferida e agita-nos para que acordemos do transe em que podemos estar a entrar. Não existem checklists mágicas para filhos e pais perfeitos. Aliás, na vida real eles não existem. Existem sim pais e filhos mais ou menos perfeitos, mais ou menos imperfeitos, que pautam os seus dias por momentos de qualidade em família, que estão menos tempos online e que privilegiam os afectos. Não é fácil ser-se pai nos dias de hoje... Mas também ninguém nos disse que a aventura da parentalidade era uma linha recta, um caminho fácil ou um mar chão... A parentalidade faz lembrar uma estrada de muitas curvas e contra-curvas, o trail de Montblanc ou uma tempestade no meio do oceano. Mas, como em todas essas situações, existem pais que conseguem dar a volta, sem cair na loucura e sem ter pequenos tiranos em casa. Com este livro, Pedro Stretch dá-nos algumas ferramentas para, também nós, conseguirmos. Cabe-nos agora saber utilizá-las da melhor forma!

Termino o post com algumas passagens deste livro que achei que valia a pena partilhar convosco. 

O sonho... O desejo de moldar a sua vida para além da própria realidade. Ter asas. Dê ao seu filho a possibilidade de sonhar, sempre, independentemente da idade, do momento, da circunstância. Ajude-o a procurar(se). Mas antes disso, dê-lhe pês, os pês bem assentes na terra, para que nessa viagem nem tudo seja um passeio pelas nuvens (em todas as variações da fuga) e, pelo menos, alguns desses sonhos possam mais tarde ser concretizados.
Ter menos. Tornar belo. Valorizar o que existe em nós e dignificar o que de mais simples suspira em redor: um filho. Eis de onde podemos partir e onde queremos sempre chegar. 
Muitas delas - talvez o seu filho também - já as têm como qualidades quase inatas. Há sempre meninos ou meninas que desenham especialmente bem, que evidenciam um ouvido extraordinário para a música ou para o ritmo, que se entretêm muitíssimo a ler ou a expressar pelo corpo diferentes tons emocionais. Preserve essa parte da infância do seu filho. Desenvolva-a. Claro que muitas vezes lhe vão dizer o oposto ou, até de forma mais grosseira, ouvirá "as notas nessas disciplinas não contam para nada" ou "a arte não dá emprego". Não se deixe equivocar: Mesmo que o seu filho não venha a ser artista, a sensibilidade artística ajudá-lo-á a sempre a ser mais feliz.
Desejo que estas portas se possam abrir a mais e mais crianças da geração actual. Que desenhar ou pintar não seja por elas sentido como uma actividade supérflua ou desnecessária. Que a música lhes possa ser levada aos ouvidos como parte integrante da melodia dos seus afectos, não como uma forma agressiva de atacar o mundo. Que a dança liberte o corpo, como também o teatro o faz, elevando a voz, a palavra, a um dom raramente conseguido na ausência de movimento da vida de tantas crianças e no vazio comunicacional de outras.  
Quem quiser adquirir este livro, pode enviar-me um email para cronicashappymom@gmail.com (vejam todos os detalhes neste post).

Deixo-vos aqui uma lista de outros livros de Pedro Stretch que também podem ser interessantes para vocês:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que