Avançar para o conteúdo principal

Precisaremos de (re)inventar os pais?

Há uns bons anos, mais concretamente em 2000 e ainda muito longe de pensar em ser mãe, uma das minhas compras na Feira do Livro foi o livro "Inventem-se novos pais" de Daniel Sampaio. Na altura, já esse título ia na 12ªa edição com 67000 exemplares vendidos e, com um título inquietante a meu ver, continua hoje a ser vendido e a fazer sentido. Ou será que não? 


Neste livro (como em muitos outros), Daniel Sampaio foca a sua escrita nos adolescentes e, em concreto, na necessidade de existir um diálogo permanente e claro dos pais com os seus filhos, sendo que este diálogo não pode ficar apenas restrito ao verbal, sendo também importante que os pais estejam atentos aos pequenos sinais do quotidiano, os não-verbais, e que tantas vezes revelam muito mais sobre o adolescentes do que as suas palavras. Escassas, ditas entredentes e fechadas num mundo em que o adolescente não deixa entrar qualquer adulto. 

Por estes dia, numa arrumação dos livros que abundam cá por casa, (re)descobri este livro de Daniel Sampaio e dei comigo a folheá-lo novamente. E não pude deixar de me deter na seguinte passagem:
Uma família é algo que pode mudar constantemente. E a adolescência dos filhos pode transformar a família, para melhor ou para pior. (...) Há outras famílias bem diferentes. Onde as crianças foram educadas a não esconder dos seus pais o seu dia-a-dia, onde os adolescentes foram respeitados como pessoas, desde aquele dia em que ficaram sozinhos em casa ou foram pela primeira vez sair à noite. Nessas famílias sabe-se que há muitas coisas que não se perguntam, porque pertencem ao mundo interior de cada um. Há questões que se podem debater livremente, porque não haverá vingança nem falsas vitórias. 
Eu iria um pouco mais longe e diria que ter um filho pode mudar uma família para melhor ou para pior. Ser pai numa sociedade que vive a correr, com um cordão umbilical sempre ligado ao mais recente gadget tecnológico e permanentemente online, deixa pouco espaço para o diálogo e para os momentos de qualidade em família. O trabalho é cada vez mais exigente, esgotante, suprimindo as nossas energias durante longos períodos fora de casa e deixa-nos com as pilhas quase descarregadas para tudo aquilo que ainda é preciso fazer ao final do dia, depois de enfrentar trânsito para casa e de chegar a casa em cima da hora de tratar do jantar e das rotinas das crianças. A nossa sociedade tem uma enorme ânsia de velocidade, de ser melhor que quem está ao nosso lado levando, muitas e tantas vezes, essa competição para dentro de casa e para dentro do casal, relegando as crianças para segundo plano. Precisaremos então de (re)inventar os pais e a parentalidade?

Se calhar não... Não há que inventar a roda nisto de ser pai em pleno século XXI. Se calhar, conseguir que o diálogo exista, sem interrupções indesejadas, é muito mais fácil do que aquilo que podemos imaginar. A solução infalível não está nos livros. É certo que eles nos podem ajudar a olhar a realidade de uma outra perspectiva e despertar-nos para determinados assuntos (e eu sei bem o que isto quer dizer... Aconteceu-me isto com o livro "Educar com o coração" da Cristina Tébar - blog Montessori en Casa -, editado pela Verso de Kapa (mais informação sobre o livro aqui), e de que falei neste post). Mas, garantidamente, não irão ser eles que nos irão ensinar a ser pais, a reinventarmo-nos como pais e como pessoas nem muito menos a educar a não nos ser escondido nada pelos nossos filhos, como sabiamente escreveu Daniel Sampaio. Isso não se consegue com imposições, com checklists ou com pressões desnecessárias. Isso apenas irá criar um fosso maior entre a criança e o adulto. Há sim que criar com e para o afecto, com colo e mimo presente e respeitando sempre a individualidade da criança. Respeitar a criança não é criar sem regras, muito pelo contrário. É antes, a meu ver, educá-la mostrando que também tem a sua voz e que os adultos também a querem ouvir. 

É preciso uma #maternidadeapassodecaracol e uma aldeia para que a palavra não se perca no vento e para que não nos tornemos estranhos dentro de nossas casas e das nossas famílias. Não podemos também criar fossos entre a família e a escola, o local onde tantas as horas os nossos filhos passam. Há que cultivar o diálogo e a porta aberta a estes outros elementos que vão mostrando o mundo aos nossos filhos quando estamos a trabalhar. Há que ser mais participativo e integrar mais a escola na realidade familiar. Isso nem sempre é fácil mas há que acreditar que é possível. Pelo bem de todos. E por crianças que se sentiam mais ouvidas!


Ainda sobre a vida online, recomendo a leitura destes dois livros:
- De Daniel Sampaio e Ivone Patrão, "Dependências online". Este livro foca-se nos efeitos das dependências online sobre as crianças e os jovens adultos nos dias de hoje, fornecendo orientações para a gestão dos comportamentos online e que deve ser lido com um olhar atento por todos os elementos da família para que haja uma sintonia nos comportamentos e nas regras a seguir. 


- De Janell Burley Hofmann, "iRegras. Como educar o seu filho na era digital". Janell Hofmann partilha as regras que definiu juntamente com o seu marido para o filho de 13 anos quanto à vida online, oferecendo "às famílias as ferramentas necessárias para encontrarem o equilíbrio entre o uso da tecnologia e a interação humana, ajudando os pais a criarem as suas próprias iRegras e transmitirem aos filhos um sentido de autoestima, integridade e responsabilidade" (site WOOK).


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que