Avançar para o conteúdo principal

Restaurantes... Ou de como ter um filho não devia mudar tudo!

Tempo de férias.  Um dia de sol convida a passeios junto ao mar e a comer algo que ele nos dê.  O que se quer é peixe fresco, marisco e petiscos vários. A uma velocidade bem mais baixa do que nos dias de trabalho. O ar traz-nos o cheiro do mar, da praia. Parece que tudo nos convida a relaxar, a ficarmos mais tranquilos... Até à hora de encontrar um restaurante para almoçar...
Podem dizer-me assim: "ah é tempo de férias e por isso tornar-se muito mais difícil de conseguir um qualquer recanto para trincar um pão com manteiga e depenicar uma sardinha grelhada no carvão ". Não necessariamente... Até porque este sentimento que aqui vos descrevo já não vem deste fim-de-semana. Há já muito tempo que fico com a sensação de que a nossa sociedade não quer que pais de crianças pequenas frequentem certos lugares. Parece-me que o divertirmo-nos ou continuar a fazer coisas que fazíamos enquanto apenas casal nos estão agora totalmente vedadas porque incomodamos por ter um bebé e um carrinho... Promover a natalidade também passa por isto: tornar possível que haja tempo em família fora de casa.
Devo dizer que ontem deambulei bastante por uma vila à beira-mar plantada em busca de um restaurante em que fosse fácil de poder comer com o meu filhote. E ia ficando triste a cada restaurante por que passava por ver que o espaço para passar com o carrinho era quase inexistente (num deles nem sequer podia aceder à sala de refeições sem fechar o carro dado que o acesso se fazia unicamente através de umas escadas). E não era a única que tinha este problema pois vi mais casais à procura de um local para almoçarem descansados e tinham o mesmo problema do carrinho. Num outro restaurante, a entrada quase não dava para passar uma pessoa, quanto mais um carrinho de bebé... Fico triste por ser assim. Mas felizmente nem tudo é menos positivo quando se anda a passear...
Consegui encontrar um restaurante em que me senti mesmo bem. Houve logo a preocupação com o bebé e em colocar a cadeirinha junto da mesa da forma que nos fosse mais confortável e funcional enquanto família e não naquela que fosse melhor para o restaurante.  Houve a ajuda em tornar a mesa mais livre de pratos e talheres que não são tão amigáveis para um bebé de 15 meses. E quando, terminada a refeição e os pais gulosos esperavam pela sobremesa, houve espaço para serem dados brinquedos para o baby boy se entreter. Tudo sempre com calma e com a maior simpatia. E mesmo com pessoas à espera de mesa, não senti qualquer pressão do restaurante para me despachar. Nada. Mais baby friendly impossível.  Melhor atendimento impossível!
Numa sociedade em que se diz que se precisa de apostar na natalidade, há também que criar as melhores condições possíveis em espaços de restauração para podermos sair com as nossas crianças.  Porque ter filhos não deve ser sinónimo de se deixar de ter vida e se passar a vuver enclausurado em casa. Há que viver e ter tempo em familia fora de portas. E fico triste que estas questões nem sempre sejam primordiais para quem atende o público...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa