Avançar para o conteúdo principal

Daquelas que pensamos que não nos acontecem...

Quando se vê a desejada risquinha cor-de-rosa no teste de gravidez, é inevitável começar a imaginar como vão ser os meses seguintes até à chegada do nosso bebé.  Fazem-se planos, idealiza-se o dia de parto, escolhe-se o nome do nosso filho e começam as primeiras compras de roupinhas e para a decoração do quarto. Pensa-se também,  de forma inevitável,  nas várias consultas e ecografias que iremos fazer, temos já pavor à prova de glicose e ao líquido horrivel que se tem de beber para saber se temos ou não diabetes gestacional mas tudo aquilo que imaginamos é que tudo decorrerá como uma gravidez de filme.

Mas a realidade, por vezes, não é assim tão nossa amiga, troca-nos as voltas e mostra-nos que não se deve idealizar demasiado pois as coisas nem sempre podem correr da forma que esperamos...

Sem qualquer tipo de lamentação ou de negativismo, a minha gravidez não foi fácil.  Já havia falado por aqui em tempos de todo o acompanhamento em Endocrinologia que tive para a diabetes gestacional diagnosticada ainda no primeiro trimestre. Dizem que eu tenho uma estrelinha para determinadas coisas e a gravidez não foi excepção... Por volta das 20 e poucas semanas, ainda ia eu no segundo trimestre da gravidez, comecei a sentir algumas dores na zona da cintura pélvica. Falei com a médica que me acompanhava e isso foi desvalorizado, dizendo-me que era normal e que era o corpo a preparar-se para o parto. Mas sabemos que não se trata de algo normal quando ficamos quase impedidas de andar e de sair de casa e quando dar volta na cama se torna um verdadeiro tormento, impedindo-nos de descansar. Como qualquer mãe, fiz umas pesquisas no amigo Google e li pela primeira vez o nome pomposo de síndrome da sínfise púbica. Sem saber bem se seria isso que me estaria a causar todas as dores e desconforto que sentia, decidi procurar ajuda de uma fisioterapeuta especialista em saúde da mulher e foi assim que encontrei a Estefania Garcia, o meu anjo de guarda na gravidez que me devolveu alguma mobilidade e que me permitiu viver a gravidez de uma forma mais agradável do que se tivesse desvalorizado a dor que tinha. O meu principal alerta é que não desvalorizem estas questões que vos podem impedir de viver a gravidez como desejariam e que vos podem impedir de sair de casa, como aconteceu comigo. Mesmo que o vosso médico diga que é normal, não têm de viver o resto da gravidez impossibilitadas de terem uma rotina normal no vosso dia-a-dia. Confesso que não foi uma situação fácil mas com todo o apoio da minha fisioterapeuta foi possível reduzir consideravelmente a dor e conseguir voltar a caminhar (ainda que mais lentamente do que seria normal) e a poder aproveitar os últimos momentos a dois como casal.

Convidei a Estefania para escrever algumas palavras aqui para o blog, explicando um pouco melhor como surge este tipo de síndrome. Muito grata por me ter cruzado com a Estefania e por a ter aqui a escrever-nos algumas palavras!


DOR PÉLVICA DURANTE A GRAVIDEZ

São muitas as mulheres grávidas que experimentam alguma dor aguda na zona da pélvis ou cintura pélvica durante a gravidez. As zonas do sacro e a sínfise púbica são as que mais se modificam, permitindo o alargamento da pélvis para facilitar a saída do bebé no momento do parto. Esta modificação tão fisiológica e necessária pode ser um inferno para algumas mulheres, principalmente nos últimos meses da gravidez.

A cintura pélvica não se trata de uma peça única, estando formada por várias estruturas que se articulam entre si. Durante as modificações que se dão até o dia do parto pode ocorrer algum desequilíbrio provocando desconforto ao deitar ou virar na cama, sentar ou inclusive pode impedir o andar da grávida.

As futuras mamãs que sentem algum sintoma de desconforto ou incapacidade para realizar algumas actividades devem consultar a um profissional antes que a situação piore. O tratamento da disfunção do sacro e/ou da sínfise púbica consiste no alinhamento das articulações mediante terapia manual e exercícios de estabilização, alongamentos e fortalecimento da musculatura que rodeia estas articulações. O fisioterapeuta, principalmente o especialista em gravidez e pós parto, é o profissional mais adequado para atender este tipo de situações. 

Estefania Garcia
Fisioterapeuta especialista em Saúde da Mulher

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa