Avançar para o conteúdo principal

As fraldas têm mesmo de ser descartáveis?

Há uns bons anos atrás, a utilização de fraldas descartáveis estava muito longe de ser tão comum como nos dias de hoje e as fraldas que eram utilizadas eram de pano. Passado uns anos e bastando numa ida ao supermercado, consegue-se compreender que as fraldas descartáveis estão mais do que instaladas no nosso mercado, sendo a opção da maior parte dos pais. No entanto, nem todos seguem esta via. Sabendo disso e sabendo que a opção por fraldas reutilizáveis poderá estar no horizonte de futuras mamãs, pensei em pedir ajuda à Gi Morais para escrever este post, em que descreve a sua experiência de utilização de fraldas reutilizáveis e como escolheu esta opção. Espero que gostem e obrigada, Gi Morais, pela ajuda na escrita deste post!


FRALDAS REUTILIZÁVEIS: UMA BOA OPÇÃO PARA OS NOSSOS BEBÉS



Por aqui, a ideia de usar fraldas de pano foi surgindo dia após dia de experiência de fraldas descartáveis. Num mês, testamos 8 marcas inclusive linhas brancas e nada resultava no rabo da miúda. Nunca assou porque fazíamos a limpeza da muda da fralda com chá de camomila e nunca deixávamos mais de 2h a fralda, se existisse cocó mudávamos de imediato. 


Até que, pelas 6 semanas, após estar nos grupos de fraldas reutilizáveis, falei com a Sónia Garcia da Meekbum para me ajudar a comprar e a experimentar. 


Nosso primeiro sistema de fraldas e aquele até hoje usamos são da marca Grovia as pré-dobradas (prefold) juntamente com capa de velcro ou molas. 


Com 6 semanas


Com 14 meses 



Assim foi, estivemos 2 semanas a testar durante o dia. A verdade é que, ao fim de 48h horas, a pele estava óptima!


Depois passamos para a aventura da noite e optamos mais uma vez, a conselho da Sónia, pela a marca Sloomb modelo OBF ( devido ao seu excelente algodão e aos outros materiais naturais de absorção intensa). A capa a usar já não podia ser a Grovia por esta ser respirável mas sim a CoverAll da Blueberry. 


Experimentámos a que se chamam Tudo em um da Grovia mas, como a pele em casa é sensível e esta fralda tem microfibra, tivemos de abandonar o sistema. 


Mas o dinheiro investido recupera-se porque compramos e vendemos, tanto as novas como em segunda mão. 


Aliás, tenho muitas pre-dobradas em segunda mão que são mais absorventes que as novas, quanto mais usadas as fibras tendem a absorver mais :)


Depois... o gasto. Em média, uma criança por ano gasta à volta 1000€ em fralda descartáveis e eu gastei em média à volta de 350€, novas e usadas. Tenho fraldas de tamanho único que acompanham desde nascimento até desfralde e tenho fraldas de tamanhos conforme o peso. 


Agora vem a parte que me fazia confusão e neste momento o que faz confusão são as descartáveis ( hihihi). 


Lavagem: tudo a 60º e juntamente com nossa roupa, logo não existem máquinas extra. Temos somente o cuidado de as passar por água quando mudamos fralda e colocar num cesto à parte arejado. 


Como tenho máquina de secar não notei diferença na conta da electricidade no inverno, no verão seca ao sol. 


Tornou se uma rotina normal sem complicações. Tanto eu ou o Pai trocamos sem dificuldade e não são um bicho de 7 cabeças e não fica com um rabo grande ( estas não o fazem, mas existem outros sistemas que sim). 


Quando saímos temos saco das fraldas de pano, e um saco impermeável para colocar as sujas. A limpeza do Baby faço com as waterwipes e com compressas. 


Em média são 6/8 fraldas dia, troco em média 1h30 ou quando faz cocó de imediato. 


No verão, tornam-se muito mais frescas e nunca mais tivemos aquele cheiro de xixi principalmente com a fralda da noite. 


As únicas fraldas descartáveis que usamos são as Libero e para situações específicas, como por exemplo viagem de avião. 



Conselhos para quem quer começar a utilizar fraldas reutilizáveis:
  • Estudem os sistemas e os modelos com calma e não adquiram todas as fraldas de um só tipo nem de uma só marca, pois o ajuste vai variar consoante a fisionomia do bebé (e também com as diferentes fases dentro do mesmo bebé).
  • Juntem-se ao Grupo de Facebook das Fraldas Reutilizáveis para irem aprendendo com outras mamãs e conhecendo todos os truques.
  • Juntem-se também ao grupo de Compra e Venda de Fraldas Reutilizáveis e estejam atentas a oportunidades que surjam no mercado de segunda mão.
  • Existem duas alturas-chave para comprar fraldas com desconto: a Black Friday, em Novembro, e a Nappy week, em Abril. Fiquem atentas às promoções nestas datas nos sites nacionais e internacionais. 
  • Deem preferência a fibras naturais (algodão, bambú, cânhamo, sempre mais respiráveis, melhores para a pele do bebé, melhores para lavar a altas temperaturas sempre que necessário e menos susceptíveis de causar entupimentos e maus cheiros (ex: algodão vs microfibra).
Espero ter ajudado no esclarecimento de algumas dúvidas. Usar FR é simples desde que consigam encontrar o método e a melhor fralda para o Baby.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa