Avançar para o conteúdo principal

Colo, apego, toque... Hoje e sempre!



Se existe assunto que não gera consenso e em que as opiniões são mais do que muitas é isto a que se dá o nome pomposo de parentalidade. Todos têm a sua receita infalível de como serem os melhores pais. Parece-nos sempre que a casa dos nossos amigos deve ser o céu no que às crianças diz respeito. O nosso filho parece ser sempre mais terrorista do que os demais. E quando se fala de comidas e de sonos... Ui então aí começa a desenrolar-se uma longa lista de queixas, de truques e de mezinhas que tornam as crianças as mais bem comportadas do mundo... Ou então não!

Durante a gravidez (e talvez por ela ter sido um pouco mais complicada do que eu poderia esperar...), acabei por não ler tanto como gostaria. Apenas depois do bebé nascer e já com alguns meses, comecei a ler um pouco mais sobre parentalidade e tudo o que com ela se relaciona. Só mais recentemente, e depois de aderir ao grupo no Facebook Escolas Alternativas, Comunidades de Aprendizagem e Educação em Portugal (adicionada por uma amiga muito curiosa nestes assuntos e que, depois da maternidade, decidiu mudar o seu rumo... Boa, corajosa!!), é que descobri o significado de termos como Montessori, Waldorf, Movimento Escola Moderna ou Reggio Emilia. Foi graças ao grupo também do Facebook Mães OMS - Apoio à Amamentação que soube mais sobre amamentação e que a Unicef e a OMS possuem manuais sobre a amamentação que nos podem ajudar nas fases mais difíceis bem como descobri o termo CAM que tão somente significa Consultora de Amamentação: pequenos anjos que nos podem ajudar naqueles momentos em que podemos estar a pensar em desistir de amamentar. Com o aproximar dos seis meses de idade do bebé e da chegada do momento de introdução da alimentação complementar, descobri também que esta introdução não se deve limitar a papas e sopas e que o mundo do Baby Led Weaning está mesmo aí à espreita e que pode ser uma forma muito útil de introduzir a alimentação e de despertar o interesse pelos alimentos desde muito cedo. Descobri diversos blogs como o Na Cadeira da Papa (a autora do livro Mãe, quero mais!), as Papinhas da Xica, a Pitada do Pai ou, mais recentemente, o Healthy Bites (de uma amiga que consegue ter a capacidade de inventar as mais incríveis receitas paleo para toda a família).

Sim, isto da maternidade e parentalidade pode mesmo ser um verdadeiro mundo que nos pode encher ainda de mais dúvidas. Leva-nos a questionar. Parece-nos que tudo é uma moda e que não nos faz sentido. Parece-nos que, para que tudo corra bem, temos de ser cegas seguidoras desta ou daquela abordagem. Chegamos ao final do dia esgotadas, perdidas, sem saber o que fazer e sem paciência para os miúdos e graúdos lá de casa. Quando nos fixamos demasiado em ideais cor-de-rosa que acompanhamos nesta ou naquela rede social, em ideias pré-concebidas ou em preconceitos (porque na maternidade também os há!), acabamos por nos perder de nós próprias e das "nossas pessoas" que vivem connosco. Deixamos de ter a capacidade de agradecer todos os dias pelo que a vida nos dá. A vida não tem uma checklist para se cumprir. Muito longe disso! A vida é feita de surpresas a cada segundo onde os piores planner freak se perdem e ficam com todos os planetas desorientados. Não há receitas infalíveis para seguir passo a passo. Não há espaço para regras rígidas ou imposições demasiado fechadas.

Há sim espaço para o colo, o apego desde o acordar até ao deitar, ao mimo e ao beijo por tudo e por nada. Há que haver a resiliência suficiente para nos permitir ultrapassar aquilo que não foi planeado e que está para além dos riscos que delimitam a estrada. Há o dizer "sim" quando todos esperavam um "não" ou fazer exactamente o contrário. Há que conseguir garantir tempo de família de qualidade, sem interrupções tecnológicas, em que se cultive o apego, o amor, o cuidado e o respeito pelo próximo. Porque a parentalidade deve ser isto! E tudo o mais que cada família considere para si!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa