Avançar para o conteúdo principal

Acomodar... A palavras que não gosto no meu dicionário!

Acomodar. Das piores palavras que podemos ter no dicionário dos nossos dias. Quem nunca a sentiu a infiltrar-se nos nossos poros, quase como que goya a gota, pronta para nos roubar a energia e a vontade de fazer diferente?
Acomodar é talvez das opções mais confortáveis que se pode tomar em qualquer dos campos da nossa vida. Nas relações. No trabalho. Na escola. Na família. Em tudo. É seguir a vida que conhecemos bem, onde não há espaço para imprevistos. É o caminho mais tranquilo, menos desgastante e em que temos a ilusão de que seremos bem sucedidos. Para algumas pessoas, pode ser a melhor opção de vida. Para mim? É seguir a via em que fechamos a porta à vida e nos recusamos a desfrutar daquilo que ela nos dá. Naquilo em que nos coloca à prova. Todos gostamos de pisar terreno que conhecemos. A raça humana é tramada nesta coisa de mudar por isso acomodar está sempre ali ao virar da esquina pronta para se embrenhar nas nossas vivências e nos toldar o caminho qual nevoeiro que espreita no horizonte.
E esta coisa da parentalidade não é imune à acomodação... No comer. No vestir. Nos passeios. Nas actividades. Nas leituras. Fazer o de todos os dias é o mais fácil mais também o mais pernicioso para a nossa tarefa de pais e de cuidadores. Acomodar, para mim, é sinónimo de sonhos por terminar, caminhos meios percorridos e bolachas que ficaram por saborear. Acomodar não tem sabor de um amanhecer junto ao mal. Acomodarmo-nos enquanto pais será, inevitavelmente, toldar o caminho dos nossos filhos para o caminho mais fácil mas não necessariamente o melhor.
Acomodar pode também significar seguir o rumo aceite por todos e não procurar alternativas que nos façam sentido enquanto pais. Pode ser limitar a nossa pesquisa, o nosso crescimento enquanto adultos preparados e dispostos a construir um mundo ao ritmo dos nossos filhotes.
Acomodar é não deixar crescer permitindo a descoberta do mundo à nossa volta. O não deixar ganhar as nódoas negras que se recordam mais tarde como aprendizagens. E o impedir de brincar na areia porque é mais cómodo uma roupa sem nódoas...
Não se acomodem. Brinquem no chão. Dêem muitas gargalhadas. E mostrem aos mais pequenos que joelhos sujos são sinónimo de crescimento e de descoberta!
(Imagem do Facebook de Às nove)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa