Avançar para o conteúdo principal

O dia D aproxima-se... O que guardar na mala?

Desde que vemos o risquinho cor-de-rosa no teste de gravidez que focamos o nosso pensamento no dia que irá mudar a nossa vida. Tantas dúvidas, tantos anseios (com algumas angústias à mistura) e tantas coisas para preparar a nossa casa e a nossa vida para a chegada de um pequeno ser. É o enxoval para preparar, é a escolha do melhor carrinho que combine facilidade de transporte e ar fashion, é escolher a tinta para a parede do quarto, é escolher as mobílias e as decorações mais fofinhas... Mas é também, nas últimas semanas que antecedem o parto, ter preparada a mala que mais iremos gostar de fazer. 

No curso de preparação para o parto que fiz, indicaram-me as 30 semanas como uma boa altura para ter a mala preparada. Podemos pensar assim: "ah mas isso é muito cedo porque o parto só acontece lá para as 40 semanas, mais coisa menos coisa". Pois... Mas também temos de ter presente que nem sempre os partos ocorrem apenas às 40 semanas (como foi o meu caso) e convém que esteja tudo preparado para que a mãe não tenha mais um stress adicional por poder não ter tudo aquilo de que necessita consigo na maternidade. E sabemos muito bem que nem sempre os papás conseguem depois preparar as roupinhas como nós desejaríamos... Portanto, vamos lá reduzir esta possibilidade de stress e ter tudo preparado a tempo do grande dia!

Não existe nenhuma lista infalível para preparar a mala da maternidade porque acaba sempre por faltar alguma coisa e ter de o pai vir a casa buscar roupa extra. Habitualmente, todos os hospitais fornecem uma lista com os items que consideram essenciais para a estadia da mãe e do bebé na maternidade. Estas listas variam muito de hospital para hospital e entre público e privado por isso o conselho é sempre falaram com as enfermeiras do local que estão a considerar para o parto para terem a lista específica desse hospital. Mas existem peças e dicas que são comuns a todas as malas de maternidade e aqui deixo sugestões que tive em conta para preparar a minha mala da maternidade.

  • Levar uma única mala para o bebé e a mãe ou uma para cada um? Eu optei por uma única mala de forma a facilitar a ida para a maternidade. Fiz esta escolha em conjunto com o pai de forma a que fosse uma mala prática e fácil de transportar por ele. Lembrem-se, que no dia do parto, a probabilidade de ser ele a transportar a mala e não nós é enorme pelo que deve ser algo que o pai não tenha vontade de abandonar na primeira esquina por não conseguir transportar como deve ser. Com a lista da maternidade que eu tinha, uma mala era mais do que suficiente para levar todas as roupinhas e objectos e funcionou muito bem. É claro que deixei em casa alguns conjuntos de roupa extra já preparados para o pai me poder trazer para qualquer eventualidade.
  • O que levar para a mãe? Antes de mais, há que optar entre levar camisa de dormir com abertura à frente ou pijama. Aqui, sugiro a camisa de dormir. Pode não ser a nossa opção no dia-a-dia, podemos não gostar, podemos achar os modelos disponíveis à venda limitados e algo feios mas temos de pensar naquilo que nos será mais prático quando estivermos a recuperar do parto. Seja parto normal ou cesariana, será sempre necessário sermos observadas diariamente e, no caso da cesariana, a nossa mobilidade não é fácil nos primeiros dias. Assim, um pijama poderá não ser a opção mais fácil mas depende de cada uma. A abertura à frente é fundamental se pensarmos na fase da amamentação. É importante também levar cuecas descartáveis e pensos pós-parto (há quem opte por cuecas de incontinência e dizem funcionar muito bem). Aqui sugiro os pensos pós-parto da Chicco. São muito suaves e cómodos e ideais para os primeiros dias após o parto. Não esquecer também de levar: chinelos, elástico para o cabelo, água termal para o rosto (pensem no trabalho de parto que pode ser mais ou menos longo e na vossa necessidade de se refrescarem), produtos de higiene pessoal, soutiens de amamentação, robe, chinelos de quarto e de banho e maquilhagem, se gostarem de ter um ar mais composto à hora das visitas. 
  • O que levar para o bebé? É aqui que as diferenças entre as listas de maternidade são maiores, principalmente entre o público e o privado. Habitualmente, os hospitais públicos pedem que sejam levados todos os produtos de higiene para o bebé, enquanto nos hospitais privados isso não acontece. Aqui estamos a falar do gel para o primeiro banho e das fraldas. Pode ser também necessário levar a toalha para o banho. No que se toca a roupinhas, convém ter vários conjuntos preparados e divididos por saquinhos individuais, que vai facilitar na hora de vestir o bebé e ajudar o pai a não trocar as peças dos conjuntos que escolhemos com tanto carinho para o nosso bebé. Uma sugestão prática: utilizem sacos de congelação com fecho zip. Bem sei que pode  não ser o saquinho mais bonito do mundo para a roupa do bebé mas é muito prático de identificar e de levar para casa com a roupa suja após ser usada. Não se esqueçam de incluir, em cada conjunto do bebé, um babygrow (de algodão ou mais quente, dependendo da altura do ano), bodie interior, calças interiores com pé (podem não ser necessárias para os bebés que nasçam em tempo mais quente), meias e gorro. Os tecidos deverão ser ajustados à época do ano e tendo presente dois pontos: os bebés recém-nascidos não têm a mesma capacidade do que nós para regular a temperatura corporal e, por isso, necessitam de mais roupa que nós e, por outro lado, as maternidades são lugares aquecidos pelo que também não é preciso vestir camadas e camadas de roupa ao bebé como se fosse para o pólo norte!
Nada é infalível (como eu descobrir depois de conferir tantas vezes a mala da maternidade)... Mas construam a vossa lista tendo em conta as vossas necessidades pessoais e a lista que vos é fornecida. Adaptem-na à vocês enquanto casal e ao que consideram imprescindível ter convosco no hospital. Pensem também que o espaço na enfermaria ou no quarto onde poderão ficar é finito pelo que não vale a pena levarem malas como se fossem passar um mês fora de casa. Aproveitem a visita à maternidade para esclarecerem as vossas dúvidas quanto ao que é essencial e personalizem a vossa lista. E, já agora, partilhem o que levaram para a maternidade!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que