Avançar para o conteúdo principal

As mulheres são tramadas!

Sim, nós mulheres somos mesmo tramadas. Não é à toa que os homens dizem que devíamos ter livro de instruções, que somos uns bichos estranhos e por aí fora.
Nós que somos mães e que gostamos destas coisas de redes sociais, quase todas devemos fazer parte de um (ou mais!) grupos de mães no Facebook. Na teoria, estes grupos teriam tudo para correr bem: seriam locais de partilha e de entreajuda entre mães, com o intuito de todas aprendermos e nos ajudarmos nas dificuldades do dia-a-dia. Pois... Em teoria... Eu sou uma das mães que pertence a esse grupos e não fico propriamente surpreendida com as pequenas confusões que se vão gerando nestes grupos, puro e simplesmente pelas divergências de ideias. Ou pela dificuldade em aceitar opiniões que nos são contrárias...
Ontem li este post no blog No colo da mãe e não podia concordar mais com estas palavras. Quando pedimos opinião, temos de ter a capacidade de conseguir aceitar as opiniões que nos são favoráveis e, principalmente, aquelas que vão contra o que pensamos e que nos contrariam. Nenhuma mãe é perfeita e não vale a pena pensarmos que essa perfeição existe. Isso é utópico! O que existe sim é uma mãe que é a mais perfeita e a melhor do mundo para o seu bebé. Agora, se colocamos uma dúvida num grupo do Facebook e pretendemos ler as opiniões de outras mães, temos de aceitar que alguém terá uma palavra contrária. Se escrevemos este ou aquele post pedindo ajuda (quando, na verdade, o que buscamos mesmo é a aceitação das nossas opções), não podemos logo atirar pedras a quem se nos opõe. Nem todas somos detentoras da mesma experiência, do mesmo conhecimento ou da mesma capacidade de pesquisa. Se pedimos opinião, devemos ser capazes de aceitar outros conhecimentos que não aqueles que fazem parte do nosso ideal. A entreajuda é mesmo isso: aprendermos com quem tem mais experiência e adaptarmos à realidade que pretendemos para a nossa família. Mas de forma desprendida e sem buscarmos segundas intenções em tudo aquilo que nos dizem.
Ser mulher é tramado. Ser mulher membro de um destes grupos é ainda mais tramado quando as hormonas andam completamente à flor da pele e têm a capacidade de nos toldar a forma de resposta ou o raciocínio (sim... as hormonas são capazes disto e de muito mais!). Não podemos achar que esta ou aquela opinião é uma bala direccionada directamente a nós. Não podemos esperar que todas as mães que escrevem nestes grupos completem as suas frases com muitos smiles e muitas florzinhas. Todas somos pessoas diferentes e não é por não utilizarmos smiles que estamos a tentar ofender. Antes pelo contrário!
As mulheres são tramadas. Mas as mulheres também necessitam de relativizar mais as coisas a sua volta. Têm de aprender a ouvir melhor as outras mulheres e considerarem-nas como aliadas e membros de uma tribo que existe para ajudar.
As mulheres são tramadas... Mas temos de contrariar isso!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa