Avançar para o conteúdo principal

Picadas, dúvidas e alguns meses pela frente

Uma gravidez é, por si só, sinónimo de muitos receios, de cuidados redobrados e de algum stress para qualquer mãe. A cada trimestre que passa e a cada novos exames e ecografia, parece que é mais um patamar da escada que se sobe e está-se cada vez mais perto do grande momento. E uma gravidez pode decorrer sem sobressaltos... Ou ser acompanhada de mais algum stress que nos faz ter ainda mais cuidados...

Todas as grávidas já terão feito ou já terão ouvido falar sobre a famosa Prova de Tolerância à Glicose Oral (PTGO), feita no 2º trimestre da gravidez (entre as 24 e as 28 semanas de gestação), destinada a fazer o diagnóstico da diabetes gestacional. Esta famosa prova em que se tem de beber um líquido extremamente doce e tirar sangue três vezes (em jejum, passada 1h de ter bebido o líquido e passadas 2h). Mas o que é afinal a diabetes gestacional? Segundo o site Nove Meses, a diabetes gestacional traduz uma intolerância aos hidratos de carbono detectada durante a gravidez e que pode ser causada por alterações na sensibilidade à insulina devida à gestação, já que a placenta possui a capacidade de produzir uma hormona (com o nome de lactogénio placentário humano) que se opõe ao efeito da insulina produzida pelo nosso organismo, levando a que a grávida tenha de produzir quantidades adicionais de insulina no seu pâncreas para contrariar o efeito desta hormona. E nem todas as grávidas conseguem dar resposta a esta necessidade... E eu fui uma delas...

Logo na consulta e com as análises do primeiro trimestre, foi-me feito o diagnóstico da diabetes gestacional  e nem cheguei a efectuar a análise do 2º trimestre. Posso dizer que foi um dia em que me assustei ao saber que teria de ser encaminhada para a Endocrinologia, onde passei a fazer consultas mensais até ao final da gravidez, acompanhadas de consultas de Nutrição. Ao mesmo tempo, as picadas diárias no dedo, tanto em jejum como após as refeições, passaram a fazer parte da minha rotina e posso dizer que cheguei a um momento em que já não podia mais ouvir o barulho daquela maquineta todas as manhãs quando acordava... Foram cerca de 7 meses com cuidados redobrados, idas ao médico, muita atenção às glicémias, muitas caminhadas para facilitar a metabolização dos açúcares e uma alimentação cuidada. E porquê?

Ter diabetes gestacional pode ser sinónimo de, fruto do pâncreas da mãe não conseguir produzir a insulina em quantidade suficiente, o pâncreas do bebé trabalhar no sentido de produzir insulina adicional para reduzir o teor em glicose que atravessa a placenta. Por o bebé receber mais energia do que aquela de que necessita, pode tornar-se um bebé de tamanho excessivo (designado por macrossomia) e de maior probabilidade de traumatismo no parto: maiores complicações para as mães no pós-parto, sofrimento fetal e bebés com maior tendência para a obesidade. Do facto do bebé ser grande, pode haver uma probabilidade acrescida de realização de uma cesariana ou da mãe desenvolver hipertensão. 

Felizmente, consegui controlar a diabetes gestacional apenas com a alimentação e o exercício, sem necessidade de toma de insulina durante a gravidez. No pós-parto, fiz a PTGO como reclassificação e o veredicto foi o melhor: nada de diabetes! Ainda que tenha maior probabilidade de ter novamente numa próxima gravidez...

O que posso deixar de conselho é aconselharem-se com o vosso médico no sentido de terem o melhor acompanhamento possível caso os açúcares vos troquem as voltas. Procurem um nutricionista e um endocrinologista que vos darão os melhores conselhos e acompanhamento nesta fase tão importante. Picar o dedo todos os dias custa, é verdade... Aborrece termos de andar sempre a anotar números e a ver se está tudo dentro dos números que vos disseram como ter sempre em mente... Mas é pela melhor razão do mundo: garantir que tudo corre bem convosco e com o vosso bebé!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que