Avançar para o conteúdo principal

Vamos swimingar?

Se houve um ponto em que sempre concordámos aqui em casa foi em colocar o baby na natação desde cedo. É certo que nem todos os pais optam por colocar os seus bebés desde cedo em alguma actividade, mas tendo eu andado vários anos na natação e tendo testemunhado as aulinhas dos mais pequeninos, não podia deixar de considerar esta opção quando chegasse a altura.

A natação foi logo um ponto abordado na consulta com o pediatra para tentar perceber se ele aconselhava e desde que idade. Foi algo em que nos apoiou desde logo e recomendou que o fizéssemos a partir dos seis, referindo que seria muito bom para o nosso baby ir para a natação. Segundo um artigo publicado na página TodoPapás, as aulas de natação para bebés em que os pais participam podem ser muito benéficas tendo como principais vantagens aprender a comportar-se dentro de água, trabalhar a sobrevivência e favorecer a autonomia. Depois, seguiu-se a procura da piscina ideal: a que tivesse boas instalações e bom feedback sobre os professores, a que tivesse a melhor localização tendo em conta os nossos locais de trabalho e a nossa casa e a que tivesse os horários que mais se enquadrassem na nossa realidade familiar. A escolha da piscina deve ter em conta um conjunto de requisitos, tais como um nível máximo de cloro de ppm, uma temperatura média de 32º, um pH entre 7,4 e 7,6 e um número reduzido de alunos por professor, segundo as dicas do Pumpkin.pt sobre como escolher uma piscina para o bebé sem meter água.

E o melhor de tudo é poder desfrutar deste momento em família, já que a natação para bebés é sempre feita a dois: um dos pais e o bebé dentro de água. Por aqui, optámos por irmos alternando quem vai para dentro de água, ou eu ou o pai, para que o bebé se habitue ao nosso toque dentro de água e não crie receios no futuro. E a experiência está a ser deliciosa, posso dizer-vos! Depois de quase 9 meses dentro da barriga, é delicioso ver como se movimenta dentro de água com a nossa ajuda e como não estranha o meio líquido. É uma actividade que aconselho a todas as famílias! Vão ver que será um excelente motivo passar algum tempo dentro de água com os nossos mais pequenos. Eles irão agradecer-nos no futuro estes momentos em família.

Comentários

  1. Tb comecei cedo com o meu Principe, começamos aos 8 meses. mas infelizmente chegamos ao inverno e as doenças acabadas em ites não deram descanso e deixamos de ir. No ano seguinte voltou e nunca mais parou! Adora a piscina!

    ResponderEliminar
  2. As "ites" e tudo o que pode surgir no infectário pode acabar por nos trocar as voltas quanto a estas experiências. Mas ainda bem que regressou e que está a correr muito bem! É uma experiência que vale mesmo muito a pena :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa