Avançar para o conteúdo principal

Os papás vão à escola

As mães de primeira viagem (e todas as outras também!) passam a gravidez a imaginar como irá ser o dia-a-dia com o seu bebé. Durante quanto tempo não irão poder dormir uma noite inteira (dizem que é coisa para durar até à faculdade!).  Como será a melhor forma de dar banho e será que o quarto tem todas as condições de temperatura para o bebé não arrefecer, principalmente na fase de recém-nascido. O que é mais importante de ser colocado na mala da maternidade. Como será mudar a fralda, qual a melhor marca e que creme para assaduras comprar. Como irá decorrer a amamentação. E, mais importante ainda, como será reconhecer os sinais de que o trabalho de parto se está a iniciar, estratégias para conseguir aguentar a dor durante o parto e reconhecer possíveis perdas acidentais de líquido amniótico. As questões pulsam nas nossas cabeças durante as 40 semanas de gestação (sim, porque tudo passa a ser medido em semanas e não meses) e nem sempre conseguimos encontrar todas as respostas. É certo que o amigo Google pode ajudar-nos e muito mas existem determinadas dúvidas que devem ser esclarecidas com profissionais de saúde e através da partilha com outros casais que estejam a viver também a aventura da gravidez.

E é aqui que surgem os cursos de preparação para o parto... Durante algum tempo e como casal, pensei sobre este assunto. Mãe de primeira viagem, sem nunca ter tido grande contacto com bebés e cheia de vontade de entender o porquê das coisas. Por outro lado, sempre pensei que a gravidez não é algo só da mãe e que, desde cedo, deve ser vivido em conjunto com o pai nas mais pequenas coisas, desde as decisões mais simples do dia-a-dia até a escolhas mais relevantes, como o nome do bebé ou o local escolhido para a realização do parto (quando o bebé nos dá oportunidade para isso) . Daí que fazer um curso de preparação para o parto fazia-nos sentido enquanto casal. Confesso que encarámos estas aulas da forma como devem ser encaradas: de forma serena, descontraída, sem excessos de dúvidas ou de certezas. Em resumo: algo a ser feito de forma descomplicada. Não posso deixar de confessar que achei muito interessante a dinâmica dos diferentes casais com que fiz o curso. Quase todos de primeira viagem (tive um casal que iria ter o segundo filho), focados em aspectos muito diferentes e com diferentes posturas enquanto casal. É isto que torna toda a experiência mais enriquecedora! 

Mas também existe o reverso da moeda... Apesar de sugerir a todas as grávidas com que vou cruzando que frequentem um curso deste tipo, penso que a opção por frequentar deve ser algo muito individual. Por exemplo, o nosso caso... Ambos apaixonados por Ciências, acabámos por chegar à conclusão de que as nossas expectativas quanto ao curso não foram totalmente satisfeitas. Estávamos à espera de algo diferente e, apesar de termos aprendido algumas coisas, muitos dos assuntos que abordámos já sabíamos. Mea culpa... Se calhar temos de ler menos sobre estes assuntos!

Para os casais que possam estar mais perdidos, deixo aqui os links de alguns dos cursos de preparação para o parto que podem ser frequentados:


A maior parte dos cursos cujos links aqui partilho, tratam-se de cursos não gratuitos. No entanto, não significa que têm obrigatoriamente de pagar por um curso. Os centros de saúde (agora designados por Unidades de Saúde Familiar) disponibilizam igualmente esta preparação para o parto, os quais são gratuitos, bem como muitos deles possuem cantinhos de amamentação, muito importante para a fase após o nascimento. Informem-se na vossa área de residência das diferentes opções para que possam fazer uma escolha ponderada do melhor local para realizarem a preparação para o vosso parto.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que