Avançar para o conteúdo principal

Micróbios... Longe do meu bebé? Ou será que não?

Como qualquer mãe (de primeira viagem ou não), estou sempre em busca de mais informação e de novos estudos que me possam ajudar nesta grande aventura da maternidade. Por isso, o Google tem-me acompanhado desde que engravidei  (mas não de forma cega, atenção!) e, nos últimos tempos, tenho-me também dedicado a adquirir alguns que achei que poderiam ser leituras interessantes. 

Por estes dias, o livro que me tem acompanhado chama-se "Deixe-os comer terra", de Brett Finlay e Marie-Claire Arrieta. Descobri este livro através do Instagram e, depois de o ver nas prateleiras de uma livraria, não pude deixar de achar curiosa a frase que surge na sua capa: Como proteger os nossos filhos de um mundo excessivamente limpo. E não pude deixar de ficar mais curiosa com a leitura... Olhando logo para o título,  não podemos deixar de o achar mais contraditório.  Afinal de contas,  comer terra é a total antítese daquilo que podemos desejar para os nossos filhos.  As nossas crianças não são para andar sujas e, muito menos, andarem a fazer bolinhas de terra para comer. Mas, como os próprios autores explicam no seu livro, ninguém está a dizer-nos para literalmente deixarmos os nossos filhos comerem terra. Apenas nos sugerem que deveremos ter uma abordagem um pouco diferente da actual, logo desde a gravidez. 
Baseados em diversos estudos científicos publicados em revistas internacionais de renome das áreas da Medicina e da Microbiologia, os autores desmistificam, por exemplo, a necessidade de ter de esterilizar os biberões para cada refeição do bebé.  Explicam igualmente porque se deve evitar ao máximo a utilização de antibióticos,  logo desde a gravidez, devendo a sua utilização ser feita de forma consciente e adequada à situação clínica: por exemplo, nada de tomar antibióticos quando o que temos é uma simples constipação que passaria em alguns dias sem recurso a medicação.  

E todo o livro vai focar-se num único aspecto do nosso organismo: a nossa flora intestinal. Os pequenos bichinhos que vivem dentro de nós e que se alimentam de tudo aquilo que lhes fornecemos e que constituem o nosso microbioma. São alterações nestes bichinhos que se têm vindo a demonstrar responsáveis pelo aumento da incidência de um conjunto de doenças como a diabetes, as doenças inflamatórias do intestino (como a Doença de Crohn) e o aumento da obesidade em todo o mundo. E que estão a surgir cada vez mais cedo em todo o mundo, afectando cada vez mais crianças.  E porque será que isto está a acontecer? E o que poderemos fazer pelas nossas crianças para que os seus bichinhos continuem a fazer o seu trabalho e que não venham a ter problemas no futuro por estes se tornarem pouco diversificados ou pouco estáveis? 

Não querendo agora dizer a todas as mães que devem deixar obrigatoriamente de esterilizar os utensílios dos seus bebés,  sugiro que leiam este livro e que vejam que avanços a Microbiologia tem estado a fazer e o que pode fazer para conseguirmos ter, no futuro, crianças mais saudáveis do que aquelas que encontramos nas gerações de hoje. É um contrasenso, com todos os cuidados que tomamos diariamente com tudo aquilo em que os nosso filhos tocam,  termos um número cada vez mais elevado de crianças alérgicas.  Será que não estaremos a deixar os nossos filhos demasiado limpos e a alterar irremediavelmente os seus bichinhos de forma a que percam as necessárias defesas do mundo exterior e se tornem mais vulneráveis? Há que repensar as nossas atitudes todos os dias e este livro permite-nos isso. Aconselho a leitura a quem, como eu, acha que a Ciência tem sempre algo de positivo para nos oferecer. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que