Avançar para o conteúdo principal

Educação por cá... e lá fora!

Encontrar a escola do nosso coração não é tarefa fácil. E muitas vezes, essa tarefa acaba por não se conseguir concretizar logo à primeira tentativa. Eu, tal como qualquer mãe, também tive o meu processo de escolha da escola do meu filhote, como escrevi neste post com algumas dicas que tive em conta na minha escolha. Felizmente, durante o processo, consegui encontrar a escola que eu e o meu marido chamamos "a escola do nosso coração" e que corresponde aquilo que sempre desejámos para o local onde deixamos o nosso filhote todos os dias quando vamos trabalhar.

Mas esta é parte fácil quando temos de escolher uma escola por cá, no país que nos viu nascer. Quando mudamos de país, imagino que a tarefa de escolher uma escola seja ainda um pouco mais complicada por diversos aspectos: podemos não estar à vontade com o país (ao nível da língua ou da cultura, por exemplo), o esquema de funcionamento das escolas pode ser diferente daquilo a que estávamos habituados por cá... Ou a nossa opção enquanto pais pode estar difícil de encontrar no país que agora nos vai acolher. Não tendo eu experiência de viver fora de Portugal mas curiosa por conhecer a realidade que outros pais possam estar a atravessar numa realidade educacional diferente da nossa, desafiei a Vanessa, actualmente a viver na Bélgica e mãe de três filhos, a contar um pouco da sua realidade. Porque o mundo da parentalidade deve ser feito de partilhas, espero que gostem deste post escrito a quatro mãos. Obrigada, Vanessa, por ter aceite este desafio!

SER MÃE NA BÉLGICA

- Como são os horários escolares na Bélgica?
Aqui a escola começa às 8h40 e acaba às 15h30, excepto às quartas feiras que começa às 8h30 e termina ao 12h05. Varia uns minutos de escola para escola mas não passa muito disto. Nós temos 3 filhos, 11, 4 anos e meio e 2 anos (e outro a caminho). Optámos pelo ensino católico, as aulas não são dadas por freiras nem padres, mas vão há missa, têm catequese e as regras são com base no próximo, jogos de grupo, interajuda. Esta escola vai dos 30 meses (início do ensino obrigatório) até ao 12º ano. Existe Garderie para pais que começam mais cedo e acabam mais tarde o trabalho. Ou seja, as crianças podem ficar na escola a partir das 7h e até as 18h. A partir daí, a escola fecha e os pais vão buscar os filhos à esquadra da polícia. A cada duas horas, fazem uma pausa de 15 minutos para relaxar e à hora de almoço tem 1h15 (11h50-13h05). Em termos de férias... As aulas começam sempre dia 1 de Setembro e acabam a 30 de Junho. Têm uma semana de férias no Halloween, duas semanas no Natal, duas semanas na Páscoa, 1/2 semanas no Carnaval (depende da data a que calha). Aqui os blocos de aulas têm apenas 25 minutos. Mais que isso ,dizem que eles não conseguem reter nada. Não há apenas dois testes por período. Fazem teste sempre que acabam um capítulo, o que perfaz cerca de 12/13 testes por ano. Muitas vezes divididos em dois dias. 

- Como é a interacção dos pais com a escola (se a escola faz questão de envolver os pais na realidade escolar e nas actividades dos filhos ou não)?
No nosso caso, não há aquela interação de virem trabalhos para os pais fazerem com os filhos em casa. Não fazem as típicas festas de Natal, Páscoa etc. Porque, apesar de ser católico, aceita crianças de todas as religiões e credos. Fazem sim trabalhos relativos ao tema. A única festa que comemoram com peça de teatro é o dia dos avós. Porque é uma angariação de fundos para o colégio. Aqui o professor ainda é lei. Ou seja, os pais belgas não têm tendência a contestar as decisões, apenas as aceitam. Ao contrário de mim que estou sempre em cima. Dou um exemplo: este ano foi decretado que as crianças do ensino elementar (que vai dos 30 meses ao 6º ano, até ao 6º ano é primária) só podiam comer fruta ou legumes de manhã. Os meus filhos têm várias alergias alimentares e se, por um lado para mim foi óptimo porque acabaram com as bolachas e bolos na sala, por outro eles não podem comer apenas isso porque a alimentação geral deles é pouco calórica (para conhecerem um pouco melhor esta realidade, podem ler o blog da Vanessa: SEM Alergias à Mesa). Tive de ter atestado da nutricionista. Os outros pais, ainda tentei, simplesmente encolheram os ombros. "ah se eles dizem que é assim...". Depois, temos a Associação de Pais, Ouderrad, da qual faço parte. Aí sim, há imensas actividades que fazemos, também para angariar dinheiro para as saídas das crianças. Agora em Novembro foi a Disco Party para todos os meninos, em Dezembro Quiz para os Pais, em Maio há o festival da Primavera e o Festival do Rock...

- Na Bélgica exista ofertas de escolas de pedagogias alternativas (se tiver conhecimento disso. Estou a pensar em Waldorf, Montessori, Reggio Emilia, por exemplo)?
Existem escolas com várias metodologias. Em Bruxelas, há a escola internacional Montessori, cuja anuidade ronda os 15,000€. Este colégio segue um pouco metodologia ensino moderna, MEM, as crianças são incentivadas a estudar sozinhas, a questionar-se e autocorrigir-se. As aulas não são sempre sentados nas cadeiras a olhar o quadro. Podem sair e ir ao computador, biblioteca. Se cansados, podem sentar nos puff e descansar. Andam muito na rua e têm muitas actividades lúdicas. À sexta feira, normalmente, é dia de artes, teatro, dança, poema que eles já estão cansados para matéria. Têm natação e ginástica duas vezes por semana. A escola começa sempre com música e dança com os meninos todos no recreio e acaba sempre com música e dança. Durante a hora de almoço, os meninos da primária vêem as notícias num canal próprio para a idade. E os mais pequenos ouvem música. Isto porque aqui a alimentação é muito diferente. Eles comem nas salas sandes. Há refeitório mas são raras as crianças que vão lá comer.

- E trazem muitos trabalhos de casa?
Não. Até ao 4º ano não trazem. No 5º ano trazem qualquer coisa, dois dias por semana. Mas coisas rápidas de 5-10 minutos. A minha filha agora do 6º traz 2/3 vezes semana. Geralmente, são as palavras do ditado para treinarem. Mas nunca trazem as 4f nem à sexta. Lembro-me que, quando cheguei cá, nas primeiras férias de natal perguntei de havia algo que ela podia fazer para ir treinando. A professora disse "oh mãe, férias é para brincar".

- E, independentemente do tempo, é incentivada a vida no exterior com as crianças?
Sempre!! Esteja sol ou a nevar, ou a chover! Sempre na rua, não deixam de ir à piscina nem de ir ao recreio. O que me espantava, porque eles raramente adoecem aqui. Aliás, o meu filho mais novo em Portugal tinha muitas bronquiolite, desde que aqui está nunca teve mais nenhuma. 

- E o que mais pode dizer da sua experiência na Bélgica e a escola nesse país?
Aqui há várias escolas. Há as escolas públicas (ou seja as que pertencem às comunas), que equivale ao nosso sistema público. Mas que aqui é mesmo totalmente gratuito, não se paga nem livros nem material escolar. Depois, temos os colégios católicos, também não se paga livros quem quiser também pode não pagar material escolar mas passeios, saídas etc são pagas pelos pais. Muito do dinheiro é angariado pela Associação de Pais. Depois, há os colégios privados e os internacionais. A nossa filha para o ano vai começar na Escola Europeia (o meu marido trabalha no Parlamento Europeu). De ensinos alternativos, conheço o Colégio Internacional Montessori (fui lá para inscrever os meus mas os valores são muito muito elevados). A Bélgica está dividida em três partes: francesa, neerlandesa e alemã. Nós estamos em Bruxelas, mas já na parte neerlandesa, por isso os nossos filhos começaram neste colégio de ensino holandês. É importante para nós que falem bem a língua. Mas há diferenças para a parte francesa. Por exemplo, aqui onde estamos a partir dos 30 meses, que é quando começam a escola, as crianças deixam de dormir sesta e têm de tirar a chucha e a fralda antes de começar. Os pais realmente têm tempo e qualidade familiar mas as crianças não são tratadas como o centro fulcral da família como em Portugal. Não há aqui aquele complexo de que a criança é sagrada, não sei se me explico bem. Ou seja, são incentivadas desde muito muito cedo a ser autónomas e independentes. Se tiverem ranho ou bem que se assoam ou andam ranhosas. Se têm fome, vão comer não ficam à espera que lhes sirvam a comida. Ficam bem mais cedo sozinhas em casa. Vejo crianças da escola deles a irem sozinhas para cada desde os oito anos. Mas por outro lado, acho que são miúdos mais calmos, menos stressados. Nos parques, é super normal brincarem descalços, fazia-me tanta confusão no início!! Parentalidade sem pressa. As pessoas são descontraídas. Se o seu filho quer ir vestido de Spiderman para a escola vai, não há cá problemas do que vai pensar o vizinho. Neste sentido, significa que é normal a escola levar os meninos a passar uns dias fora. No final do pré - escolar, cinco anos, vão três dias para fora. No fim do 4o ano, vão cinco dias e, agora em Março, a minha filha vai oito dias para a Áustria com a escola fazer sky. Isto bate forte com o nosso coração de Mãe Portuguesa. Eles fazem muitas muitas muitas saídas.

Dia de levar as bicicletas para a escola

Um dia a pintar nas ruas no Dia da Sensibilização para o CO2

Mais pinturas na rua

Um dia a estudar na rua

Visita de cinco dias do 4º ano a um castelo

Visita à neve - passeio internacional de sete dias pelo 6º ano

Comentários

  1. Há tanto que queria dizer sobre este post! Aplaudo apenas,pois nunca mais sairia daqui! Tenho que ir Já viver para a Bélgica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diga tudo o que quiser que será muito bem-vindo! :) Também fiquei com vontade de mudar para a Bélgica!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que